Soylent Green

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Soylent Green
À beira do fim (PT)
No mundo de 2020 (BR)
Estados Unidos
97 min 
Direção Richard Fleischer
Produção Walter Seltzer
Russel Thacher
Elenco Charlton Heston
Leigh Taylor-Young
Edward G. Robinson
Joseph Cotten
Música Fred Myrow
Cinematografia Richard H. Kline
Edição Samuel E. Beetley
Distribuição Metro-Goldwyn-Mayer
Lançamento 19 de abril de 1973 (EUA)
Idioma inglês, castelhano
Cronologia
Último
Último
The New Centurions (1972)
The Spikes Gang (1974)
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

Soylent Green (br: No Mundo de 2020 / pt: À Beira do Fim) é um filme estadunidense de 1973, do gênero ficção científica, dirigido por Richard Fleischer.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

No ano de 2022, a cidade de Nova Iorque conta com 40 milhões de habitantes. Para alimentar as inúmeras pessoas pobres e desempregadas, existem tabletes verdes chamados de Soylent Green, produzidos inicialmente através da industrialização de algas. Somente os ricos tem acesso a comidas raras, como carnes, frutas e legumes.

Quando um rico empresário das indústrias Soylent Corporation é assassinado em seu luxuoso apartamento, o detetive policial Robert Thorn começa a investigar. Ele de imediato suspeita do guarda-costas do empresário, que alega ter saído na hora do crime. Após interrogá-lo, Thorn vai ao apartamento dele e encontra coisas suspeitas, como uma colher com restos do caríssimo morango. Enquanto Thorn persegue o guarda-costas, seu idoso parceiro Sol começa a investigar os registros e papéis do empresário morto. E acaba descobrindo uma verdade estarrecedora sobre o tal tablete verde..

Elenco principal[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde dezembro de 2009).
  • Foi o último filme de Edward G. Robinson; ele morreu logo após as filmagens, em 26 de janeiro de 1973.
  • O título original do livro de Harry Harrison, "Make Room! Make Room!", não foi usado pelos produtores para evitar confusão por parte do público com a série de TV "Make Room for Daddy", que estava em exibição na época.
  • Durante as filmagens de Soylent Green o ator Edward G. Robinson já estava quase que totalmente surdo, sendo apenas possível escutar o que lhe diziam se falassem diretamente em seu ouvido. Devido a isto as cenas em que o ator dialogava tiveram que ser rodadas diversas vezes, até que ele conseguisse captar o ritmo do diálogo.
  • Todas as falas do ator Mike Henry foram dubladas, devido ao sotaque do sul dos Estados Unidos que possuía.
  • O consultor técnico de Soylent Green foi Frank R. Bowerman, que na época era o presidente da Academia Americana de Proteção ao Meio-Ambiente.
  • Algumas capas de DVD's de outras distribuidora tem o título "No Mundo de 2022"

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.