Soylent Green

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Soylent Green
À beira do fim (PT)
No mundo de 2020 (BR)
Estados Unidos
 • 97 min 
Direção Richard Fleischer
Produção Walter Seltzer
Russel Thacher
Elenco Charlton Heston
Leigh Taylor-Young
Edward G. Robinson
Joseph Cotten
Idioma inglês, castelhano
Música Fred Myrow
Cinematografia Richard H. Kline
Edição Samuel E. Beetley
Distribuição Metro-Goldwyn-Mayer
Lançamento 19 de abril de 1973 (EUA)
Cronologia
Último
Último
The New Centurions (1972)
The Spikes Gang (1974)
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

Soylent Green (br: No Mundo de 2020 / pt: À Beira do Fim) é um filme estadunidense de 1973, do gênero ficção científica, dirigido por Richard Fleischer.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

No ano de 2022, a cidade de Nova Iorque conta com 40 milhões de habitantes. Para alimentar as inúmeras pessoas pobres e desempregadas, existem tabletes verdes chamados de Soylent Green, produzidos inicialmente através da industrialização de algas. Somente os ricos tem acesso a comidas raras, como carnes, frutas e legumes.

Quando um rico empresário das indústrias Soylent Corporation é assassinado em seu luxuoso apartamento, o detetive policial Robert Thorn começa a investigar. Ele de imediato suspeita do guarda-costas do empresário, que alega ter saído na hora do crime. Após interrogá-lo, Thorn vai ao apartamento dele e encontra coisas suspeitas, como uma colher com restos do caríssimo morango. Enquanto Thorn persegue o guarda-costas, seu idoso parceiro Sol começa a investigar os registros e papéis do empresário morto. E acaba descobrindo uma verdade estarrecedora sobre o tal tablete verde..

Elenco principal[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Foi o último filme de Edward G. Robinson; ele morreu logo após as filmagens, em 26 de janeiro de 1973.
  • O título original do livro de Harry Harrison, "Make Room! Make Room!", não foi usado pelos produtores para evitar confusão por parte do público com a série de TV "Make Room for Daddy", que estava em exibição na época.
  • Durante as filmagens de Soylent Green o ator Edward G. Robinson já estava quase que totalmente surdo, sendo apenas possível escutar o que lhe diziam se falassem diretamente em seu ouvido. Devido a isto as cenas em que o ator dialogava tiveram que ser rodadas diversas vezes, até que ele conseguisse captar o ritmo do diálogo.
  • Todas as falas do ator Mike Henry foram dubladas, devido ao sotaque do sul dos Estados Unidos que possuía.
  • O consultor técnico de Soylent Green foi Frank R. Bowerman, que na época era o presidente da Academia Americana de Proteção ao Meio-Ambiente.
  • Algumas capas de DVD's de outras distribuidora tem o título "No Mundo de 2022"

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.