Suíntila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Maio de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Suíntila.

Suíntila foi rei dos Visigodos de 621 a 631. Faleceu em 634.

Combatia contra os Bizantinos estabelecidos na Península Ibérica no ano de 620, às ordens de Sisebuto. No ano seguinte foi eleito rei, depois da morte de Recaredo II.

Já rei, Suíntila prosseguiu a luta contra os Bizantinos que ocupavam partes da Bética desde o século VI. Conseguiu expulsá-los e reuniu a Península Ibérica sob um único poder político.

Outro projecto do rei foi o de reforçar a autoridade da Coroa frente à nobreza e à Igreja. Tentou tornar a sucessão hereditária em vez de electiva, mas os poderes instalados reagiram fortemente, o que ditou o fracasso dos projectos de Suíntila.

Em 631 Sisenando, governador da Septimânia (actual Languedoc, em França, organizou uma conjura que pôs fim ao reinado de Suíntila. No IV Concílio de Toledo, em 633, presidido por Isidoro de Sevilha, arcebispo de Sevilha, Suíntila foi excomungado e todos os seus bens foram confiscados. Nesse mesmo concílio, Sisenando foi legitimado como rei e estabeleceu-se oficialmente o carácter electivo da monarquia visigoda. Suíntila morreu um ano depois.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Recaredo II
Rei Visigodo de Toledo
621631
Sucedido por
Sisenando


Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre História da península Ibérica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.