Summum bonum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde julho de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Summum bonum (do Latim, o bem maior) é uma expressão usada na filosofia - em particular na filosofia medieval e na filosofia de Immanuel Kant - para descrever a importância máxima, o bem maior que o ser humano deve buscar[1] .

De modo geral, summum bonum é interpretado como sendo o objetivo final, contendo todos os outros bens. Na filosofia cristã, o bem maior é comumente definido como a vida dos justos, vivida em comunhão com Deus e de acordo com os preceitos divinos.

O conceito, bem como as consequências filosóficas e teológicas, pode ter origem nas formas clássicas do monoteísmo[carece de fontes?].

Ele foi apresentado ao mundo Ocidental através de filósofos neoplatônicos, e descrito como característica de um Deus cristão por Santo Agostinho em sua obra De natura boni (A Natureza do Bem).

O bem maior pode ser encontrado em várias doutrinas:

  • Utilitarismo, uma doutrina ética onde o bem maior é associado com o bem-estar do maior número de pessoas possível;
  • Eudemonismo, doutrina segundo a qual a felicidade é o bem maior dos seres humanos;
  • Deontologia, doutrina onde o bem maior é identificado com a moral e dever.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.