Tristeza do Jeca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde setembro de 2012).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Tristeza do Jeca
 Brasil
1961 • cor • 95 min 
Direção Amácio Mazzaropi
Roteiro Milton Amaral
Amácio Mazzaropi
Elenco Amácio Mazzaropi
Geni Prado
Roberto Duval
Género comédia
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Tristeza do Jeca é um filme brasileiro de 1961 produzido e dirigido por Amácio Mazzaropi, o 13º de sua carreira e seu primeiro a cores. As filmagens foram nos estúdios da Companhia Cinematográfica Vera Cruz. Números musicais com o próprio Mazzaropi e Agnaldo Rayol.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Jeca, a esposa Filó, e os filhos Maria e Toninho, são trabalhadores da fazenda do Coronel Felinto, que disputa a eleição para prefeito. Seu opositor, o idoso Coronel Policarpo, é apoiado pelo Coronel Bonifácio. Ambos os candidatos querem o apoio de Jeca que é tido como um dos líderes dos trabalhadores. Jeca não quer se envolver na disputa, mas quando Sérgio, filho de Bonifácio, pede em casamento sua filha Maria, ele acaba deixando se influenciar e todos pensam que ele apoia Policarpo. O Coronel Felinto não aceita e ameaça a todos de expulsão da fazenda e rapta o filho Toninho, tentando forçar Jeca e seus amigos a votarem nele.

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

A canção-título fez bastante sucesso na voz de Mazzaropi no filme de mesmo nome [1]

A autoria é de Angelino de Oliveira que nasceu em Itaporanga, São Paulo e aos seis anos de idade mudou-se com a família para Botucatu, São Paulo. Foi lançada em 1918 sem letra e assim gravada em 1924 pela Orquestra Brasil-América. Em 1926 foi gravada com letra pelo cantor Patrício Teixeira com muito sucesso, tornando-se um dos clássicos da música sertaneja brasileira até os dias de hoje. [2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. "Melhores canções caipiras de todos os tempos pela Folha de SP de 16/03/1990:
    1. Tristeza do Jeca
    2. Menino da porteira
    3. Chico Mineiro"
  2. http://www.paixaoeromance.com/10decada/tristesa_do_jeca/h_tristeza_do_jeca.htm Acesso em 13-01-14

Ligações externas[editar | editar código-fonte]