Turu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaTuru
Um turu (Teredo navalis) seco retirado de um objeto de madeira.

Um turu (Teredo navalis) seco retirado de um objeto de madeira.
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Mollusca
Classe: Bivalvia
Ordem: Myodia
Família: Teredinidae
Género: Teredo

O turu (Teredo sp.), também conhecido como gusano, busano[1] ou cupim-do-mar,[2] é um molusco bivalve da família dos teredinídeos. Apresenta aspecto vermiforme semelhante a uma minhoca, tendo numa das extremidades valvas com sulcos providos de dentes, os quais são utilizados para abrir galerias em madeiras submersas, formando aí as suas colónias.

Os turus vivem principalmente em manguezais, alimentando-se dos seus troncos ou em árvores podres e caídas na água. Conseguem devorar a madeira através de seus dentículos na cabeça. São como cupins de madeira molhada, pois são encontrados nos cascos das embarcações, causando-as prejuízos. Sua carne é comestível e pode ser consumida na forma crua, cozida ou em sopas. Tal iguaria é parte das culinárias paraense e amazónica, principalmente na ilha de Marajó e arredores, sendo também apreciado no Maranhão e no Amapá.[3] É um alimento rico em cálcio e ferro, cujo sabor é descrito como semelhante ao de mariscos como as ostras.

Uma das espécies é o Teredo navalis.[4]

Alimento ameríndio[editar | editar código-fonte]

Os ameríndios apreciavam alimentar-se do turu, o qual denominavam teredo, assim como faziam com vários outros animais invertebrados[5] Nos escritos do Padre João Daniel (1722–1776) consta o seguinte relato:

«Turu é a peste das embarcações do Amazonas, ainda que não é só do Amazonas. É semelhante à minhoca, e propriamente é minhoca da água, é branca, mui delgada, e tão mole, e flexível, como uma tripa delgada; e faz admirar como um tão desprezível bichinho tenha tanta força, e atividade que roa, passe, e fure as embarcações, e qualquer madeiro, pondo-o como um crivo! (...) serem bichos tão desprezíveis, e os índios do Amazonas tão nojentos, fazem dessas minhocas, ou lombrigas, pratinhos de muita estimação, e apreço, e ainda muitos brancos; para o que vão nas vazantes pelas praias de lodo, abrem os paus podres, de que estão cheios os rios, e em breve espaço de tempo enchem pratos, ou cuias, que levam para casa, guisam, e se regalam.»[6]

Referências

  1. Houaiss, Antônio. Dicionário Houaiss da língua portuguesa (em Português). 1ª ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. 533 e 1499 p. ISBN 857302383X
  2. Você sabia que no mar há Cupins? Conquiliologistas do Brasil (2001-2013). Visitado em 23 de junho de 2013.
  3. Nelson, Chada. Animais e Plantas: conhecidas e utilizadas pelas populações tradicionais da Amazónia (em Português). 1ª ed. Belém (PA): PUBLIT, Soluções editoriais, 2008. 264 p. ISBN 8577732169
  4. Rosenberg, Gary. Teredo navalis Linnaeus, 1758. [S.l.: s.n.], 2010. 141607 Página visitada em 13 de abril de 2012.
  5. CAVALCANTE, Messias S. Comidas dos Nativos do Novo Mundo. Barueri, SP. Sá Editora. 2014, 403p.ISBN 9788582020364
  6. DANIEL, João (1722-1776). Tesouro descoberto no máximo rio Amazonas. [S.l.]: Contraponto, 2004. 600 p.
Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.