Vitrine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vitrina em Melbourne.

Uma vitrine, vitrina (português brasileiro) ou montra (português europeu) (do francês vitrine e montre) é um espaço envidraçado dentro de uma loja, onde são dispostos produtos para venda de tal forma, que possam ser vistos da rua pelos transeuntes. Geralmente, no caso de lojas de roupas, as vitrinas ostentam também manequins em seu interior. Por sua fragilidade e simbolismo, durante protestos e manifestações, as vitrinas tornam-se alvos preferenciais para vândalos.

Simbolismo[editar | editar código-fonte]

  • Símbolos de consumo:

As vitrinas ou montras são vistas como um apelo, por vezes indecente, ao consumismo inútil, particularmente de moda. São capazes de atrair clientes para compras mesmo nos momentos em que a loja está fechada.

  • Símbolos de perversão sexual:

Como os manequins são frequentemente representações de mulheres e às vezes usam até mesmo mulheres de verdade a título publicitário (ou, em certos casos, como em Amsterdã, como um convite ao sexo), as vitrinas são também acusadas de retirar o status humano das mulheres, e assim implicariam numa atitude sexista.

Referências[editar | editar código-fonte]

Em Le Système des objets, Jean Baudrillard escreveu sobre o assunto: " Embalagem, janela ou muro, o vidro encontra uma transparência sem transição: vemos, mas não podemos tocar. A comunicação é universal e abstrata. Uma vitrina, é encantadora e frustrante, mas é também informação, que é a própria estratégia da publicidade."

Ligações externas[editar | editar código-fonte]