A Roda do Tempo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Wheel of Time)
Ir para: navegação, pesquisa
A Roda do Tempo
Livros
Ver a lista de livros da série The Wheel of Time
Autor Robert Jordan (e Brandon Sanderson a partir do 12º livro)
Idioma original Inglês, livros sendo traduzidos para Português
Editora Estados Unidos Tor Books
Portugal Bertrand
Brasil Intrínseca
Brasil Caladwin
País  Estados Unidos
Gênero Fantasia

A Roda do Tempo (no original, em inglês: The Wheel of Time) é uma série de livros de fantasia escrita pelo autor americano Robert Jordan (e posteriormente Brandon Sanderson[1] ) entre 1990 e 2013, contando com um total de 14 volumes, mais uma prequela lançada em 2004. O primeiro livro, The Eye of The World, começou a ser escrito em 1984, mas só veio a ser publicado seis anos depois.[2]

A série é notável por seu tamanho (os livros não têm menos de 500 páginas), a dimensão e o detalhamento do mundo imaginário, o sistema mágico bem trabalhado e um grandioso número de personagens.[3]

A Roda do Tempo apresenta vários elementos da mitologias asiáticas e europeias. Além do conceito presente no hinduísmo e no budismo da "roda do tempo", que dá nome à série, tem inspiração também no respeito pela natureza do daoísmo e os conceitos metafísicos de balanço e dualismo. Na história, há também referências claras ao cristianismo e outras religiões monoteístas, como o "Criador", análogo ao deus cristão, e Shai'tan, "o Tenebroso", referindo-se ao diabo (Shaytan é uma palavra árabe usada como um nome para o Diabo em contextos religiosos).

Ambientação[editar | editar código-fonte]

Uma divindade conhecida apenas como o Criador criou o universo e a Roda do Tempo. A Roda não tem fins nem começos, ela apenas existe, e tece os dias na Terra. Ela roda graças ao Poder Único, obtido da Fonte Verdadeira, composta da energia de metades masculinas e femininas (saidin e saidar, respectivamente). Humanos que conseguem manipular essa força são chamados de canalizadores, e a principal organização mencionada nos livros capaz disso são as Aes Sedai, composta majoritariamente por mulheres.

O Criador aprisionara Shai'tan no momento da criação, mas um experimento mal-sucedido de Aes Sedai acidentalmente liberou sua energia maligna no mundo. Este é portanto o principal antagonista da série, prometendo poder e imortalidade para aqueles que aceitam se juntar a ele (conhecidos como Amigos das Trevas). Um século depois da quebra inicial da prisão do Tenebroso, inciam-se guerras abertas entre as forças Tenebroso e os seguidores da Luz, tendo estas como seu líder Lews Therin Telamon, "o Dragão". Lews Therin lidera um grupo de canalizadores homens e consegue selar novamente a prisão do Tenebroso, mas não sem efeitos colaterais, sendo todos os canalizadores homens afligidos por loucura por uma mácula de Shai'tan. Insanos, os Aes Sedai masculinos causam destruição ao mundo e alteram seus acidentes geográficos, mudando a face da terra e fazendo com que a sociedade regrida para um período tecnológico medieval. As profecias dizem que um dia o Dragão (uma pessoa com poderes especiais) ressucitará e matará Shai'tan e todos os Amigos das Trevas.

A magia em A Roda do Tempo[editar | editar código-fonte]

A magia é bem trabalhada e presente em toda a série, sendo representada principalmente pelos opostos saidar e saidin, influenciando os rumos da história e dos próprios personagens.

Canalização[editar | editar código-fonte]

Na história, alguns humanos podem ter a capacidade de manipular o chamado Poder Único, necessário para realizar feitos mágicos por meio da chamada canalização. Entretanto, algumas magias são apenas acessíveis para homens (saidin) e outras apenas para mulheres (saidar). O Poder Único é dividido em cinco elementos: terra, água, ar, fogo e espírito. Diz-se que a canalização permite que a pessoa nunca tenha uma aparência idosa, mas tem seus efeitos colaterais. Quando canalizando o Poder Único, o indivíduo tem todas as sensações possíveis, ao passo que se deixa de manipulá-lo, a vida "normal" lhe parece mesquinha, cinzenta e sem sentido. Há também uma força contrária ao Poder Único, chamado Poder Verdadeiro, associada ao Shai'tan e os Amigos das Trevas.

Angreal[editar | editar código-fonte]

São artefatos construídos com o Poder Único, e se dividem em três: angreal, sa'angreal e ter'angreal. Os dois últimos têm propósitos específicos, enquanto o angreal apenas aumenta o capacidade de um indivíduo manipular o Poder Único sem ser consumido por ele.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Antes de começar a escrever a série que viria a ser sua magnum opus, Jordan escrevia vários contos de Conan para sua editora, a Tor Books. E então, em 1984, teve a ideia de começar uma trilogia. A editora aceitou muito bem o primeiro volume, The Eye of The World, e foi um sucesso de vendas na época, sendo considerada a fantasia pós-Tolkien[4] . Suas histórias foram lançadas muito rápido, com intervalo de apenas alguns meses, mas depois isso foi desacelerando e um livro novo saia a cada dois anos [5] .

Morte do autor[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2005, Jordan foi diagnosticado com amiloidose, uma doença rara do sangue, até que faleceu em 2007, aos 58 anos[6] . Então, Brandon Sanderson foi escolhido por Harriet McDougal, viúva e editora do autor, para continuar a série, a partir do 12º livro, a partir de manuscritos deixados por Jordan. Seria o último, mas Sanderson resolveu dividir em três partes.

Tradução para o português[editar | editar código-fonte]

A Editora Intrínseca é a atual responsável por traduzir o mundo de Robert Jordan para o português brasileiro. De seis em seis meses, a editora lança os volumes traduzidos, atualmente no 3º, entitulado O Dragão Renascido[7] .

Os títulos são, até o momento:

  • O Olho do Mundo (original: The Eye of The World)
  • A Grande Caçada (original: The Great Hunt)
  • O Dragão Renascido (original: The Dragon Reborn)

Links Externos[editar | editar código-fonte]


Referências