Ástica e nástica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ástica e nástica são conceitos que têm sido usados ​​para classificar as filosofias indianas por estudiosos modernos, bem como alguns textos hindus, budistas e jainistas.[1][2][4] As várias definições para as filosofias ástica e nástica têm sido disputadas desde os tempos antigos, e não há consenso.[5][6] Em línguas indianas atuais como telugo, hindi e bengali, ástica e seus derivados geralmente significam 'teísta', e nástica e seus derivados denotam um 'ateu';[7] no entanto, os dois termos na literatura sânscrita da era antiga e medieval não se referem a 'teísmo' ou 'ateísmo'.[5] Os termos são usados ​​de forma diferente na filosofia hindu.[8] Por exemplo, sânquia é uma filosofia não-teísta (já que não afirma explicitamente a existência de Deus em sua formulação clássica) e ástica (védica), embora "Deus" seja frequentemente usado como um epíteto para consciência (purusha) dentro de sua doutrina.[9] Da mesma forma, embora o budismo seja considerado nástica, Sidarta Gautama é considerado um avatar de Vixnu em algumas tradições hindus.[10]

Ástica (em sânscrito: आस्तिक; asti, 'há, existe') significa aquele que acredita na existência de um Ser ou Bramã, etc:[5][11]

  1. como aqueles que aceitam a autoridade epistêmica dos Vedas;
  2. como aqueles que aceitam a existência de ātman;
  3. como aqueles que aceitam a existência de Ishvara.

Nástica (em sânscrito: na, 'não' + āstika), em contraste, são aqueles que negam todas as respectivas definições de āstika;[5] eles não acreditam na existência de um Ser.[12]

As seis escolas ásticas de filosofias indianas mais estudadas, às vezes chamadas de escolas ortodoxas, são Niaia, Vaisesica, Sânquia, Ioga, Mimansa e Vedanta. As quatro escolas násticas de filosofias indianas mais estudadas, às vezes chamadas de escolas heterodoxas, são Budismo, Jainismo, Charvaca e Ajivica.[13][14] No entanto, essa terminologia ortodoxa-heterodoxa é uma construção das línguas ocidentais e carece de raízes acadêmicas em sânscrito. Estudos acadêmicos recentes afirmam que houve várias traduções heresiológicas de ástica e nástica na literatura do século XX sobre filosofias indianas, mas muitas são pouco sofisticadas e imperfeitas.[5]

Referências

  1. Perrett, Roy. 2000. Indian Philosophy. Routledge. ISBN 978-0815336112. p. 88.
  2. Mittal, Sushil, and Gene Thursby. 2004. The Hindu World. Routledge. ISBN 978-0415772273. pp. 729–30.
  3. Flood 1996, pp. 82.
  4. Flood: "These schools [such as Buddhism and Jainism] are understandably regarded as heterodox (nāstika) by orthodox (āstika) Brahmanism."[3]
  5. a b c d e Nicholson, Andrew J. 2013. Unifying Hinduism: Philosophy and Identity in Indian Intellectual History. Columbia University Press. ISBN 978-0231149877. ch. 9.
  6. Doniger, Wendy. 2014. On Hinduism. Oxford University Press. ISBN 978-0199360079. p. 46.
  7. Por exemplo, a Sociedade Ateísta da Índia produz uma publicação mensal Nastika Yuga, que traduz como 'A Era do Ateísmo'. Arquivado 18 abril 2007 no Wayback Machine.
  8. Chatterjee, Satischandra, and Dhirendramohan Datta. 1984. An Introduction to Indian Philosophy (8th reprint ed.). Calcutá: Universidade de Calcutá. p. 5n1: "Nas línguas indianas modernas, 'ástica' e 'nástica' geralmente significam 'teísta' e 'ateu', respectivamente. Mas na literatura filosófica sânscrita, 'ástica' significa 'aquele que acredita na autoridade dos Vedas'. ('nástica' significa o oposto destes). A palavra é usada aqui no primeiro sentido. As seis escolas ortodoxas são 'ástica', e o Carvaca é 'nástica' em ambos os sentidos."
  9. Francis Clooney (2008). «Restoring 'Hindu Theology' as a category in Indian intellectual discourse». In: Gavin Flood. The Blackwell Companion to Hinduism. [S.l.]: Blackwell Academic. pp. 451–455. ISBN 978-0-470-99868-7  "Pelo raciocínio da sânquia, o próprio princípio material simplesmente evolui para formas complexas, e não há necessidade de sustentar que algum poder espiritual governa o princípio material ou sua fonte última."
  10. Revisão da literatura de referências secundárias de Buda como Dashavatara que consideram Buda como parte da lista padrão:
  11. GS Ghurye, Indian Sociology Through Ghurye, a Dictionary, Ed: S. Devadas Pillai (2011), ISBN 978-8171548071, page 354
  12. Monier-Williams 2006
  13. Flood 1996, pp. 82, 224–49
  14. Para uma visão geral deste método de classificação, com detalhes sobre o agrupamento de escolas, ver: Radhakrishnan & Moore 1989

Bibliografia[editar | editar código-fonte]