A Lei

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Lei, originalmente La Loi em francês, é um livro de 1850 de Frédéric Bastiat. Ele foi escrito em Mugron dois anos após a terceira Revolução Francesa de 1848 e alguns meses antes de sua morte por turbeculose aos 49 anos. O ensaio foi influenciado pelos Dois Tratados sobre o Governo de John Locke e acabou influenciando o Economia numa única lição de Henry Hazlitt. É o trabalho pelo qual Bastiat ficou famoso, juntamente com The candlemaker's petition e Parable of the broken window (Parábola da Janela Quebrada).

Em A Lei, Bastiat afirma que cada um de nós possui um direito natural que defende sua pessoa, liberdade e propriedade. O Estado é a substituição das forças individuais pela força coletiva, para garantir as pessoas as liberdades, as propriedades, manter cada qual em seu Direito, para fazer reinar entre todos a justiça[1]. A lei torna-se perversa quando pune o direito de auto-defesa em favor de outro direito, a pilhagem.

Bastiat define dois tipos de pilhagem: "ambição estúpida e falsa filantropia"[2].

Citações contemporâneas mencionadas no livro[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bastiat, Frédéric (2019). La Loi. São Paulo: LVM EDITORA. pp. 43–43 
  2. A Lei (ebook)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]