A Terra do Fogo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Terra do Fogo[1] (em azeri: Odlar Yurdu) é uma frase da língua azeri e um antigo conceito cultural azeri que reflecte as características geográficas do Azerbaijão, mas também tem um sentido metafísico com relação às almas dos mortais, e mais tarde ficou associado à soberania política e como símbolo cultural.

Uma acepção mais extensa semanticamente de Odlar Yurdu está intimamente associada à civilização e à ordem na filosofia clássica azeri, e formou a base da visão do mundo do povo azeri e das nações por ele influenciadas desde pelo menos a Idade do Bronze.[2]

Desenvolvimento político e histórico[editar | editar código-fonte]

Pensa-se que a etimologia da frase está relacionada com Atropates, que governou na região da Atropatene (terras que hoje são o Azerbaijão iraniano). O nome "Atropates" é uma transliteração grega dum antigo nome iraniano, provavelmente medo, constituindo o nome com o significado de "Protegido pelo (Santo) Fogo" ou "A Terra do (Santo) Fogo".[3] O nome grego é mencionado por Diodoro Sículo e Estrabão. Ao longo do passar do milénio o nome evoluiu a Āturpātākān logo para Ādharbādhagān, Ādharbāyagān, Āzarbāydjān até ao actual Azerbaijão. A palavra pode traduzida como o "O Tesouro do Fogo" ou "A Terra do Fogo"[3] em persa moderno.[4]

Alguns estudiosos afirmam que a frase é uma referência à combustão no solo dos depósitos de petróleo ou os fogos alimentados a petróleo dos templos do outrora dominante zoroastrismo.[5][6]

O simbolismo do termo têm sido amplamente em campos como a heráldica, o brasão de armas do Azerbaijão contém a imagem dum fogo no meio duma estrela de oito pontos num fundo com as cores da bandeira do Azerbaijão.[7]

Jogadores do Atlético de Madrid com as suas camisolas a dizer "Azerbaijão, Terra do Fogo".

Uso publicitário[editar | editar código-fonte]

Depois da independência do Azerbaijão da União Soviética, a frase foi usada como divisa duma campanha turística para promover o país como um destino turístico e como lugar para a indústria. A frase apareceu em muitas promoções turísticas, a mais notável nas camisolas do Atlético de Madrid em 2012.[8][9] Em 2014, a frase apareceu no equipamento do Sheffield Wednesday e do Lens depois dos clubes terem sido adquiridos pelo empresário azeri Hafiz Mammadov.[10][11]

A divisa "Light your fire!", usada para promover o Festival Europeu da Canção de 2012, que foi feito em Bacu, estava basada no conceito da "Terra do Fogo".[12]

Calques europeus[editar | editar código-fonte]

A expressão "Terra das Chamas" originou-se das expressões literárias usadas para descrever o Azerbaijão por várias línguas europeias, tais como a língua russa Strana Ogney (Страна Огней, i.e. "País dos Fogos").[13][14]

Referências

  1. «Flame Towers: As torres que dominam a "terra do fogo"». euronews. 27 de maio de 2016. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  2. «Azərbaycana niyə Odlar Yurdu deyilir?». musavat.com (em Azeri). Consultado em 25 de novembro de 2016. Arquivado do original em 14 de julho de 2014 
  3. a b «Azerbaijan: Early History: Persian and Greek Influences». U.S. Library of Congress. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  4. Nos dicionários: F. Steingass: āẕar-bād-gān Arquivado em 25 de julho de 2013, no Wayback Machine.,āẕar-abād-gūn Arquivado em 25 de julho de 2013, no Wayback Machine.,āẕar, āẕur Arquivado em 25 de julho de 2013, no Wayback Machine.,ādar Arquivado em 25 de julho de 2013, no Wayback Machine.,bāygān Arquivado em 25 de julho de 2013, no Wayback Machine.,pāy Arquivado em 25 de julho de 2013, no Wayback Machine.. Dehkhoda: آذربایجان/Âzarbâyjân Arquivado em 20 de outubro de 2008, no Wayback Machine.,آذربایگان/Âzarbâygân Arquivado em 16 de outubro de 2009, no Wayback Machine.,آذربادگان/Âzarbâdegân Arquivado em 16 de outubro de 2009, no Wayback Machine.,آذر/Âzar Arquivado em 24 de janeiro de 2009, no Wayback Machine.,آدر/Âdar Arquivado em 10 de maio de 2011, no Wayback Machine.,بایگان/Bâygân Arquivado em 27 de julho de 2009, no Wayback Machine.,بادگان/Bâdegân Arquivado em 10 de fevereiro de 2010, no Wayback Machine.,-پای/pây- Arquivado em 10 de maio de 2011, no Wayback Machine.,گان-/-gân Arquivado em 10 de maio de 2011, no Wayback Machine.(جان-/-jân Arquivado em 28 de janeiro de 2011, no Wayback Machine.)
  5. Tyrrell, Maliheh S. (2000). Aesopian Literary Dimensions of Azerbaijani Literature of the Soviet Period, 1920-1990. [S.l.]: Lexington Books. p. 34 
  6. «Azerbaijan». About.com. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  7. «THE NATIONAL SYMBOLS OF THE REPUBLIC OF AZERBAIJAN». www.azerbaijan.az. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  8. Gibson, Owen. «Azerbaijan's sponsorship of Atlético Madrid proves spectacular success». www.theguardian.com. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  9. «Atletico Madrid: Azerbaijan logo edited out of Iran paper». BBC. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  10. «'Azerbaijan Land of Fire' on new Owls strip». www.swfc.co.uk. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  11. «Atlético Madrid, Lens, Euro 2016... L'Azerbaïdjan est-il le nouveau Qatar du foot ?». www.huffingtonpost.fr (em francês). Consultado em 16 de novembro de 2016 
  12. Siim, Jarmo. «Baku 2012: Light your fire!». European Broadcasting Union. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  13. «Страна огней: Азербайджан» Страна огней: Азербайджан. National Geographic Россия (em russo). National Geographic Society. Consultado em 25 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 14 de julho de 2014 
  14. «Azerbaijan: Land of Fire and Flood Ancient Mariners and a Deluged Landscape». www.grahamhancock.com. Consultado em 25 de novembro de 2016