Adeganha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Portugal Adeganha  
—  freguesia portuguesa extinta  —
Concelho primitivo Torre de Moncorvo
Extinção 28 de janeiro de 2013
Área
 - Total 48,96 km²
Orago São Tiago Maior

Adeganha é uma aldeia e antiga freguesia portuguesa do concelho de Torre de Moncorvo, com 48,96 km² de área e 343 habitantes (2011). A sua densidade populacional era 7 hab/km².

Até 2013, foi sede da freguesia de Adeganha (aldeias de Adeganha, Póvoa, Estevais da Vilariça, Nozelos, Junqueira). Desde 2013, faz parte da nova União das Freguesias de Adeganha e Cardanha.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1747, Adeganha era uma freguesia do termo da vila de Alfândega da Fé, Comarca da Torre de Moncorvo, Arcebispado de Braga, Província de Trás-os-Montes, estando sujeita tanto no secular como no eclesiástico às justiças da Torre de Moncorvo. Era seu donatário o Marquês de Távora, sendo o número dos seus fregueses não mais de sessenta e quatro.

A igreja paroquial estava fundada no lugar do mesmo nome, na parte do Nascente, constando de uma só nave e quatro altares: O altar-mor com o Santíssmo, e Santiago como padroeiro da casa; o altar das Almas, o altar de Santo António, e o altar do Menino Deus. O pároco era reitor da colação do Arcebispo, com renda certa de quarenta mil reis, que lhe pagava a comenda, que era das modernas, e se achava unida à Santa Basílica Patriarcal.

Eram anexas desta igreja o lugar e freguesia de Gouveia, o lugar e freguesia de Cardenha, o lugar e freguesia da Vila da Honra de São Paio, o lugar e freguesia da Junqueira, os quais todos tinham párocos apresentados pelo reitor desta igreja.

Neste distrito havia nessa data as ermidas seguintes: Nossa Senhora do Rosário, São Martinho, São Ciríaco, Santo Ovídio, e Nossa Senhora do Castelo, com três altares, um de Santa Catarina e São Gens, outro do Santo Cristo Crucificado, e outro da Senhora do Castelo, famosa em milagres. Junto a esta ermida estava também a de São João, chamada por essa causa, da Senhora do Castelo, sobre uma penha, o qual era muito milagroso, concorrendo por isso a ele muito povo, principalmente no seu dia.

Os moradores desta freguesia colhiam os frutos seguintes: Trigo, cevada, centeio, azeite e legumes, de tudo um pouco, menos o centeio que era o que mais abundava, constituindo o mantimento ordinário dessa gente.

No limite desta freguesia havia um monte a que chamavam Castelo-Velho, povoado de arvoredo silvestre, e no mais alto dele estava muita quantidade de pedra, que parecia ser ruína de alguma antiga fortaleza, e diziam que era um castelo de mouros. Deste monte se arrancavam boas pedras de cantaria, que eram procuradas de terras muito distantes, pela sua boa qualidade. No sítio em que então se achava a Senhora do Castelo, diziam que houvera antigamente uma grande cidade, cujo nome se ignora, da qual ainda se descobriam parte de seus muros arruinados.

No território desta freguesia se criava algum gado de cabras e ovelhas, e nos montes se achava muita caça de perdizes e coelhos, que tudo servia de divertimento e regalo aos seus moradores.[1]

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Adeganha [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
724 890 801 861 1 030 736 941 1 151 1 204 1 131 975 770 593 447 343

Nos anos de 1890 a 1930 tinha anexadas as freguesias de Estevais e Junqueira. Pelo decreto lei nº 27.424, de 31/12/1930, estas freguesias passaram a fazer parte da freguesia de Adeganha

Património[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.