Alambique

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alambique usado para destilação
Alambique japonês (Período Edo)

O alambique (do árabe الأنبيق, transl. al-anbiq, por sua vez do grego ambix, ambikon, possivelmente derivado do semítico)[1] é um equipamento usado na destilação de várias bebidas espirituosas, incluindo a aguardente vínica, o bagaço e a cachaça. Baseado no processo de destilação simples, foi usado em tempos remotos na alquimia.[2]

O alambique é formado por uma caldeira conectada, por um tubo, a uma serpentina de resfriamento, ao fundo da qual se recolhe o destilado[3].

Embora o alambique tradicional seja feito de cobre, também existem em vidro.[4]

Na destilação de bebidas espirituosas[editar | editar código-fonte]

Desde a idade média, o alambique é utilizado na destilação de bebidas espirituosas a partir do mosto fermentado (bagaço ou aguardente bagaceira), do vinho (aguardentes vínicas), de cereais fermentados (uísque, vodca, saqué, a genebra). Com a descoberta do novo mundo e o início da produção de açúcar de cana, começaram a ser desenvolvidos destilados com resíduos da produção já no século XVII. No Brasil foi chamado aguardente da terra, depois aguardente de cana e depois cachaça, rum nas colônias britânicas, tafia nas francesas e aguardiente de caña nas espanholas. O primeiro alambique que surgiu nas costas brasileiras foi em 1590 e estava a bordo do navio do pirata inglês Richard Hawkins, onde era utilizado para destilar água do mar.[5]

Na química[editar | editar código-fonte]

O alambique de aço inox é usado na destilação de compostos voláteis.[6] Tem por funções a separação de líquidos com diferentes graus de ebulição. É ainda utilizado na destilação de perfumes e licores.[7]

Referências

  1. Forbes, Robert James (1970). A Short History of the Art of Distillation: From the Beginnings Up to the Death of Cellier Blumenthal Leyden: E. J. Brill [S.l.] p. 23. ISBN 9789004006171. 
  2. Guiley, Rosemary (2006). The Encyclopedia of Magic and Alchemy Infobase Publishing [S.l.] p. 11. 
  3. Rolla, Luigi. 29 ed. [S.l.: s.n.]  Parâmetro desconhecido |editore= ignorado (Ajuda); Parâmetro desconhecido |anno= ignorado (Ajuda); Parâmetro desconhecido |titolo= ignorado (|titulo=) (Ajuda); Parâmetro desconhecido |cid= ignorado (Ajuda); Falta o |titulo= (Ajuda)
  4. Rees, Celia;Ferreira, Manoel Paulo. Sangue de Feiticeira Companhia das Letras [S.l.] p. 255. ISBN 9788535904970. 
  5. Cavalcante, Messias Soares. A verdadeira história da cachaça. São Paulo: Sá Editora, 2011. 608p. ISBN 9788588193628
  6. (2001) "[1]". Revista Ceres (275-280). Universidad Federal de Viçosa. Visitado em 16 de agosto de 2012.
  7. Souza, Julio Seabra Inglez;Peixoto, Aristeu Mendes;Toledo, Francisco Ferraz de (1995). Enciclopédia Agrícola Brasileira, Volume 1 EdUSP [S.l.] p. 98. ISBN 9788531401299. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um objeto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alambique