Aldo Moraes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Aldo Moraes
Informação geral
Nome completo Clodoaldo Salustiano de Moraes
Nascimento 28 de junho de 1970 (47 anos)
Local de nascimento Londrina, Paraná
País  Brasil
Ocupação(ões) compositor, instrumentista e escritor
Gravadora(s) Independente
Página oficial www.palcomp3.com/aldomoraesoficial

Aldo Moraes (Londrina, junho de 1970) é um compositor, instrumentista e escritor brasileiro.[1] Nasceu em 16 de junho e recebeu o nome em homenagem a Clodoaldo, jogador de futebol que fez o primeiro dos três gols da da seleção brasileira contra o Uruguai na semifinal rumo ao tricampeonato, em 17 de junho, na Copa do México. O artista foi registrado 12 dias depois, por isso seus documentos constam o nascimento como 28 de junho.

Criou, em 1999, o projeto "Batuque na Caixa", como presidente do Instituto Cultural Arte Brasil, recebeu o selo de qualidade cultural do Unicef em outubro de 2011 e finalista do mesmo prêmio em 2017 e foi Secretário Municipal de Cultura de Londrina.[2]

VIDA PESSOAL

Em 1986, Aldo trabalhava como aprendiz de eletricista na extinta Londrimalhas e foi atropelado por um ônibus quando voltava para casa. Nessa época, ele fazia o curso técnico de eletricista no Senai de Londrina.

No inicio de 1988, sofreu graves queimaduras com a explosão de uma máquina industrial na mesma empresa. Este acidente foi decisivo para que, 1 ano depois, aos 19 anos assumisse a música como profissão.

Aldo Moraes se casou com Cristina Brisola em março de 2000 e se divorciaram 7 anos depois.

Em 2011, se casou com Camila Gomes e tem um filho que leva o mesmo nome do artista.[3]

POLÊMICA[4]

Ao ser anunciado como secretário de cultura de Londrina, em 2017 pelo prefeito Marcelo Belinati, Aldo sofreu ataques de grupos conservadores  interessados no cargo e que apresentaram uma condenação do músico por supostos erros em prestação de contas relativa ao ano de 1999. Chegou-se a divulgar que ele não teria prestado contas do recurso. Dessa forma, no dia 3 de janeiro de 2017 estava fora do cargo e do governo municipal.

Moraes recorreu ao Tribunal de Justiça do Paraná e provou que:

não foi notificado da ação

prestou contas antes do prazo estabelecido em 1999

seus documentos foram analisados em 2015 quando a legislação era outra

Documentos comprobatórios não foram anexados à ação

e que finalmente nunca cometeu irregularidades e que realizou os projetos com resultados acima das expectativas propostas.

Obteve vitória através do TJ-PR no dia sete de julho de 2017 e foi representado no recurso pelo advogado Marcelo Pinhatari.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Noé Salustiano de Moraes e Maria Helena de Oliveira, Aldo sempre gostou de escrever e ganhou seu primeiro concurso aos nove anos de idade, numa redação sobre Monteiro Lobato, promovido pela Secretaria Municipal de Educação de Londrina. Foi aluno do maestro Gervásio Basílio Nunes e também de Koellreutter, Mário Loureiro, Nei Carrasco e José Eduardo Grammani.

Infância e Influência Musical

Clodoaldo Salustiano de Moraes ( 16 de junho de 1970/ Londrina, PR) . Filho de Maria Helena de Oliveira Moraes e Noé Salustiano de Moraes ( 1930-1977).

Seus avós maternos Horácio de Oliveira (1895 - 1970 - Natural de Xavantes / SP) e Maria de Oliveira (1905 - 1967 - natural de Belo Horizonte / MG) eram filhos de escravos.

Os seus bisavós maternos, Ana da Silva e João da Silva (pais de Maria de Oliveira), eram africanos, da Costa da Mina (atual Benin, Togo e Gana) e escravos no interior de Minas Gerais.

Os pais de Dona Helena (Horácio e Maria) tinham que trabalhar para manter a família. Os seus avós, Ana da Silva e João da Silva, cuidavam da pequena Helena falando dialetos africanos no seu cotidiano.

Maria Helena aprendeu o "gosto" do canto e pela música influenciada pelo seu pai, Horácio de Oliveira (avó de Clodoaldo), músico profissional, que tocava em pequenas orquestras violão, sanfona, percussão e até mesmo piano.

Tornou-se cantora amadora nas horas de folga, fato este que influenciou diretamente Aldo Moraes.

Foi gravado e/ou teve peças e canções executadas por Jaime Santos, Batuque na Caixa, Tambores de Fogo, Grupo Instrumental de São Paulo, Fábio de Carvalho (flauta), Oilian Lanna (piano), Batuc'urbano, Sandra Morh (piano) e Arthur Cimirro (piano), entre outros. Teve trabalhos musicais apresentados no Brasil, na França, na Itália, em Portugal e na Espanha; e premiados no Brasil, na Suíça, na Áustria e nos Estados Unidos. Fez trilhas sonoras para a peça Máscaras (direção de Gilvania Rodrigues), apresentada em Londrina, em 1996, e na França, em 1998; para o seriado Personalidades (exibido por uma temporada, em 2003, na TV CNT Londrina); e para o curta-metragem Quando eu morrer, quem vai chorar por mim?, dirigido por Wilson Inácio.

Também escreve canções populares e é escritor, autor de livros de poesia e romance, sobre música e cultura. Como escritor, foi premiado em diversos concursos nacionais e, em 2013, no Concurso Agostinho Gomes, de Portugal. Em 2015, escreveu a trilha da peça Quando eu morrer, quem vai chorar por mim?, com texto de Valdir Rodrigues e direção de Anna Bacinello. (5)[5]

O Batuque na Caixa, projeto criado pelo músico em 1999, já atendeu 5.750 alunos gratuitamente; fez mais de 40 parcerias; gravou o CD Arte Brasilis e realizou mais de 350 shows pelo Brasil. O grupo Batuque na Caixa já se apresentou ao lado de Alcione (1999); Olodum (2001); Naná Vasconcelos (2001); Hermeto Paschoal (2002) e banda Espíritos Zombeteiros (nos carnavais de 2001 e 2002). O Batuque na Caixa recebeu reconhecimento de diversos prêmios: Reconhecimento Público da Câmara de Londrina 1999; Junia Rabello (MG/2003); Louvor da Assembleia Legislativa do Paraná (2005); semifinalista do Prêmio Itaú Unicef 2011 e 2013; e Leitura para Todos (Ministério da Cultura, em 2014). (6)[6]

Aldo Moraes , Interessado por música, estudou composição erudita em São Paulo e em Londrina com Hans Joachin Koellreutter, Mário Loureiro, Eduardo Gramani, Arrigo Barnabé e Oilian Lanna. Conquistou Prêmios como compositor no Brasil (2001), Suíça (2002) e Áustria (1994). Além disso, teve a oportunidade de apresentar trabalhos musicais na Espanha, Itália, França, Portugal, Argentina e Estados Unidos. Também suas obras integram o acervo da Orquestra e Biblioteca The New York Public Library for the Perfoming Arts e da Biblioteca da Universidade de Austin, Texas(EUA). Desenvolve pesquisa sobre a fonética do canto brasileiro e possui canções populares, que interpreta junto com poemas de suas autoria, em shows pelo país.

Participou do projeto Pão e Poesia da Secretaria Municipal de Cultura em 1999 e 2.000, tendo 03 poemas seus publicados em 500 mil saquinhos de pão. Em 1999 fez um curso de haicai com Alice Ruiz. Ainda em 1999 criou os projetos Aqui tem Livro e Batuque na caixa, de incentivo à leitura e música para crianças e jovens carentes de Londrina, através do Instituto Cultural Arte Brasil, do qual é Presidente.

Participou de diversas coletâneas nacionais em Concursos de poesia e contos que venceu, sempre nas primeiras colocações. Lançou em 2002 os CDs Arte Brasilis com música e poesia e Gestos ( piano solo), Música de invenção (2009) e Poemas do Amanhecer (2008). Aldo Moraes escreveu artigos para o Jornal Panorama (PR) e já colaborou com Jornal de Londrina, Folha de Londrina, Folha de S.Paulo, Revista ASFEMPR, Jornal União, Letras Santiaguenses, Coruja Cultural e Revista Varal do Brasil.

Em outubro/2011, recebeu o selo de qualidade cultural do Unicef por sua atuação à frente do Instituto Arte Brasil e do projeto musical Batuque na caixa. Foi Secretário Municipal de Cultura de Londrina em 2012, na gestão de Barbosa Neto. (7)[7]

Em 2013, Aldo Moraes recebeu certificado especial pela participação no Concurso Internacional de Poesia de Portugal e o Batuque na caixa foi novamente certificado com o selo do Prêmio Itaú Unicef.

Em 2014, recebeu diversos prêmios pelo batuque na caixa: Prêmio Cidadania Londrina; Prêmio Nacional de Educação Fiscal; Prêmio Leitura para Todos (Ministério da Cultura) e diploma do Prêmio Ozires Silva.

Em 2017, Aldo Moraes esteve presente como poeta em diversas coletâneas nacionais e junto com Jorge Antunes e TT Catalão, escreveu a Sinfonia dos Direitos, estreada em frente a Funarte, em Brasília, no mês de maio. (8)[8] Em novembro foi homenageado pela Assembléia Legislativa do Paraná como personalidade cultural e em São Paulo, recebeu o prêmio Itaú Unicef junto com Claudecir Almeida, diretor do Colégio Champagnat.[9]

Em dezembro de 2017, foi condecorado com nota máxima pelo Prêmio Culturas Populares, nas palavras do Ministro Sérgio Sá Leitão: "o maior prêmio já concedido pelo Minc, em termos de dimensão nacional".4[10]

Certificado com o curso de maestro pelo Instituto WR Educacional entre 2015 e 2017. Participou de master class de regência orquestral com o maestro italiano Alessandro Sangiorgi, em fevereiro de 2018.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Poemas do Amanhecer
  • Amor de Invenção (Canções)
  • Arte Brasilis
  • Gestos (piano solo)
  • Twin Sounds (música incidental para teatro)

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Casassanta (romance) - 2011
  • Poemas do amanhecer - 2011
  • Contos do cotidiano - 2012
  • O Sonho do arco-íris (infantil) - 2012
  • Cultura: caminhos para uma cidade democrática e acessível - 2012
  • Obras para piano e violão de Aldo Moraes - 2013
  • Obras para música de câmara de Aldo Moraes - 2013
  • Batuque na caixa: 15 anos - 2015

Referências

  1. «Biografia no Cravo Albin». dicionariompb.com.br. Consultado em 3 de janeiro de 2012. 
  2. Clube de Autores
  3. «mila gomes - Textos». www.recantodasletras.com.br. Consultado em 23 de maio de 2018. 
  4. «Decisão do TJ suspende ação contra o produtor cultural Aldo Moraes - Paçoca com Cebola». Paçoca com Cebola. 7 de julho de 2017 
  5. Administrator. «FUNCAC forma nova geração teatral em Cambé». www.cambe.pr.gov.br. Consultado em 14 de março de 2018. 
  6. «Ministério da Cultura - Sai resultado do Prêmio Leitura para Todos - Destaque». www.cultura.gov.br. Consultado em 14 de março de 2018. 
  7. «Músico Aldo Moraes é novo secretário municipal de Cultura». PORTAL Prefeitura de Londrina 
  8. Braziliense, Correio (27 de maio de 2017). «Maestro Jorge Antunes apresentará a 'Sinfonia dos direitos'». Correio Braziliense 
  9. União, Jornal (26 de setembro de 2017). «Londrina: Batuque na Caixa é finalista do premio Itaú Unicef». Jornal União 
  10. «Aldo Moraes recebe nota máxima no prêmio Culturas Populares do Minc - Zé Otávio». blogs.odiario.com. Consultado em 14 de janeiro de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.