Aleksander Čeferin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Aleksander Čeferin
Nome completo Aleksander Čeferin
Nascimento 13 de outubro de 1967 (55 anos)
Grosuplje Iugoslávia
Nacionalidade Eslovena
Progenitores Pai: Peter Čeferin
Ocupação Presidente da UEFA
(2016–atualmente)

Aleksander Čeferin (nascido a 13 de outubro de 1967 em Liubliana, Eslovénia) é um advogado esloveno e dirigente desportivo. Entre 2011 e 2016 foi presidente da Federação de Futebol da Eslovénia e, desde 14 de setembro de 2016, é Presidente da UEFA.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Depois de se licenciar na faculdade de Direito da Universidade de Ljubljana, Čeferin ingressou no escritório de advogados da sua família, onde ganhou especial interesse pela representação de atletas e clubes profissionais. Mais tarde substituiu o pai como director da firma.[2] O seu irmão Rok é actualmente Vice-Presidente do Tribunal Constitucional da República da Eslovénia,[3] para o qual foi inicialmente eleito como juiz em 2019. A sua irmã Petra é arquiteta e professora na Faculdade de Arquitectura da Universidade de Ljubljana. [4]

Cargos administrativos[editar | editar código-fonte]

Čeferin interessou-se pelo futebol local em 2005, através do trabalho desenvolvido com a direção do clube de futsal FC Litija. Além de membro do comité executivo do clube amador FC Ljubljana Lawyers desde 2005, foi também dirigente no NK Olimpija Ljubljana, entre 2006 e 2011.[5] Em 2011, Čeferin foi eleito Presidente da Federação de Futebol da Eslovénia.[6] Também foi segundo e terceiro vice-presidente do Comité Jurídico da UEFA, entre 2011 e 2016.[7]

Presidência da UEFA[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2016, Čeferin foi eleito sétimo Presidente da UEFA, tornando-se automaticamente vice-presidente da FIFA.[8] Recolheu 42 votos no Congresso da UEFA realizado em Atenas, vencendo o holandês Michael van Praag, que conseguiu apenas 13 votos.[9][7] Čeferin viu aprovado o manifesto presidencial, uma campanha centrada na necessidade da UEFA em adotar reformas de boa governação e restantes propostas, no 41.º Congresso Ordinário da UEFA em Helsínquia, em abril de 2017. As reformas incluíam a introdução da limitação de mandatos para presidentes da UEFA e membros do Comité Executivo da UEFA, e a condição de que candidatos a membros do Comité Executivo devem exercer um cargo (presidente, vice-presidente, secretário-geral ou diretor-geral) na respetiva federação.[10][11]

Uma das prioridades iniciais de Čeferin foi melhorar o equilíbrio competitivo no futebol europeu e reduzir as diferenças entre os clubes de elite e os restantes.[12] A sede da UEFA em Nyon recebeu várias reuniões com todas as partes interessadas para definir uma estratégia e explorar as opções disponíveis. Čeferin prometeu fortalecer as medidas do Fair-Play Financeiro da UEFA (FFP),[13][14] em vigor desde 2009 e supervisionou as alterações nos regulamentos para o novo ciclo competitivo 2018-21.[15] Graças ao FFP, os clubes europeus reportaram lucros de €600 milhões em 2017, em comparação com as perdas totais de €1,700 milhões em 2011.[16]

Outras alterações estatutárias aprovadas no Congresso de Helsínquia, contemplavam o fortalecimento da UEFA Governance and Compliance Committee com o acréscimo de dois membros independentes e a cedência de dois lugares no Comité Executivo da UEFA para membros da Associação Europeia de Clubes (ECA).[17]  Um representante das Ligas Profissionais de Futebol Europeias (EPFL) foi posteriormente adicionado ao Comité Executivo em fevereiro de 2018 no 42.º Congresso Ordinário da UEFA em Bratislava.[18]

Tendo como objetivo consolidar a comunicação e colaboração com os intervenientes chave do futebol, Čeferin procurou reforçar laços com membros do Parlamento Europeu,[19] Conselho da Europa[20] e Comissão Europeia. O investimento no futebol de formação e na associação de futebol feminino também têm estado no centro do mandato do Čeferin.[21] A UEFA anunciou subsídios recorde para o desenvolvimento do futebol no 42.º Congresso Ordinário em fevereiro de 2018, e também se comprometeu a aumentar o financiamento de projetos de desenvolvimento do futebol feminino em 50% em outubro de 2018.[22] Čeferin supervisionou ainda a assinatura do primeiro acordo de patrocínio da UEFA inteiramente dedicado ao futebol feminino em dezembro de 2018.[23]

A 7 de Fevereiro de 2019, Čeferin foi reeleito por unanimidade para um novo mandato de quatro anos, no 43.º Congresso Ordinário da UEFA em Roma.[24] Durante o seu discurso de tomada de posse, reforçou a mensagem de união para assegurar que "o futebol europeu permanece unido, que o futebol europeu permanece respeitoso, respeitável e respeitado, e que o futebol europeu continue a demonstrar solidariedade e a trazer esperança".[25]

Quando a época 2019-20 foi interrompida devido à pandemia da COVID-19, a UEFA conseguiu concluir todas as suas competições de clubes seniores sob a gestão de Čeferin, visto que os torneios no formato de “final-eight” foram concluídos com sucesso na Liga dos Campeões, Liga Europa, e Liga dos Campeões Feminina em Portugal, Alemanha e Espanha, respetivamente.[26]

Čeferin recusou sempre a criação de uma Super Liga independente e garantiu que isso nunca aconteceria na sua presidência. A 19 de abril de 2021, depois da proposta da Super Liga Europeia ter sido oficializada, Čeferin ameaçou os clubes fundadores com possíveis sanções numa conferência de imprensa em Montreux.[27] A 20 de abril, Čeferin convenceu os proprietários e presidentes dos clubes dissidentes, especialmente os ingleses, a mudar de ideias.[28] No seu discurso no 45.º Congresso Ordinário da UEFA, disse: “Cavalheiros, cometeram um erro enorme. Alguns dirão que é ganância, outros que é desrespeito, arrogância, falta de seriedade ou total ignorância da cultura do futebol inglês. Isso não importa. O que importa é que ainda há tempo para mudar de ideias. Todos cometem erros”.[29] Após o pedido de Čeferin e de vários protestos de adeptos no Reino Unido, a maior parte dos clubes envolvidos na Super Liga desistiram do projeto, que colapsou três dias depois de ser anunciado.[30]

A 24 de Novembro de 2021, o Parlamento Europeu votou contra as competições desportivas alternativas após o projeto abortado da Super Liga. Os eurodeputados disseram querer que a cultura desportiva europeia "esteja alinhada com os valores da UE de solidariedade, sustentabilidade, inclusão para todos, competição aberta, mérito desportivo e justiça". O Parlamento Europeu disse que as competições concorrentes desvalorizam os princípios da UE e "põem em perigo a estabilidade do ecossistema desportivo global".[31][32]

Filantropia[editar | editar código-fonte]

Čeferin foi eleito presidente da UEFA Foundation for Children em novembro de 2017, substituindo o antigo presidente da Comissão Europeia José Manuel Durão Barroso.[33] A UEFA Foundation for Children apoia projetos humanitários em todo o mundo ligados aos direitos da criança em áreas como a saúde, educação e integração.[34] Também em novembro de 2017, Čeferin aderiu ao movimento de beneficência Common Goal, comprometendo-se a dar 1% do seu salário aos projetos de caridade da organização. Sobre o movimento, Čeferin disse: "Acredito firmemente que o futebol tem o poder de mudar o mundo e fui inspirado pelo Juan Mata a aderir ao movimento do Common Goal. Apelo à família do futebol - jogadores, treinadores, clubes e ligas - para mostrarem que se preocupam com a responsabilidade social e façam doações a causas em que acreditam".[35]

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Em 2016, Čeferin foi eleito personalidade desportiva do ano pelo jornal desportivo esloveno Ekipa SN. Esta foi a nona edição do prémio, que é votada por jornalistas e leitores de jornais.[36] Em janeiro de 2019, SportsPro Media incluiu Čeferin na lista exclusiva das pessoas mais influentes da indústria do desporto. Foi também distinguido como uma das pessoas do ano pelo World Soccer na sua primeira edição em 2019.[37]

Em setembro de 2021, Čeferin foi nomeado "2021 Best Executive" pelos prémios da World Football Summit (WFS), "em reconhecimento pela sua liderança exemplar no combate à Super Liga Europeia e na realização de um campeonato UEFA Euro 2020 extremamente bem-sucedido durante uma pandemia global".[38] Os juízes dos Prémios WFS reconheceram o papel inspirador da gestão de Čeferin enquanto a UEFA enfrentava um período de desafios único para a organização e para o mundo do futebol como um todo.[39]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Čeferin é casado com a sua esposa Barbara e é pai de três raparigas. É fluente em esloveno, servo-croata, italiano e inglês.[7] Cresceu enquanto adepto do Hajduk Split.[40] Čeferin é cinturão negro do 4.º Dan no Karate Shotokan. É também adepto de desportos motorizados e já atravessou o deserto do Saara cinco vezes: quatro de carro e uma de mota. Na adolescência, Čeferin esteve ao serviço do Exército Popular Jugoslavo em 1986 e, mais tarde, como soldado de Defesa Territorial da Eslovénia na Guerra da Independência da Eslovénia em 1991.[41]

Referências

  1. «Aleksander Čeferin». UEFA. 2 de janeiro de 2011. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  2. «ČEFERIN LAW FIRM, GROSUPLJE, SLOVENIA». www.diplomatic-corporate-services.si. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  3. «New President and Vice President of the Constitutional Court – Constitutional Court RS». www.us-rs.si. Consultado em 1 de abril de 2022 
  4. arhitekturo, Fakulteta za. «Fakulteta za arhitekturo - Petra Čeferin». Fakulteta za arhitekturo - Petra Čeferin (em esloveno). Consultado em 1 de abril de 2022 
  5. UEFA.com (2 de maio de 2019). «UEFA President: Aleksander Čeferin | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  6. UEFA.com (18 de fevereiro de 2011). «New president for Football Association of Slovenia». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  7. a b c UEFA.com (14 de setembro de 2016). «Čeferin elected as UEFA President | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  8. «CEFERIN Aleksander - FIFA.com». web.archive.org. 21 de outubro de 2016. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  9. «CL change is Uefa president's priority». BBC Sport (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  10. «UEFA approves term limits for top officials». Reuters (em inglês). 5 de abril de 2017. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  11. UEFA.com (5 de abril de 2017). «Green light for reform proposals | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  12. https://www.washingtontimes.com, The Washington Times. «UEFA head Ceferin asks clubs for a fairer Champions League». The Washington Times (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  13. UEFA.com (5 de abril de 2017). «'Let us not be afraid' - Aleksander Čeferin | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  14. «UEFA to 'severely' punish FFP violators». ESPN.com (em inglês). 26 de agosto de 2017. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  15. Gaby (24 de maio de 2018). «UEFA makes FFP changes». Football Italia (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  16. UEFA.com (9 de setembro de 2018). «European club finances healthier than ever, thanks to Financial Fair Play | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  17. UEFA.com (5 de abril de 2017). «UEFA Congress approves Good Governance reforms | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  18. «European Leagues' representative joins UEFA Executive Committee as full member». European Leagues (em inglês). 26 de fevereiro de 2018. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  19. UEFA.com (2 de fevereiro de 2017). «European Parliament gives backing to UEFA's policies | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  20. UEFA.com (30 de maio de 2018). «UEFA and the Council of Europe sign Memorandum of Understanding | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  21. UEFA.com (1 de junho de 2017). «UEFA launches Together #WePlayStrong to inspire more girls to play football | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  22. «UEFA increases women's grants by 50% and commits to #WhatIf campaign». Inside World Football (em inglês). 15 de outubro de 2018. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  23. «Soccer-Visa signs seven-year sponsorship deal with UEFA Women's Football». Reuters (em inglês). 6 de dezembro de 2018. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  24. «Ceferin re-elected as Uefa president». BBC Sport (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  25. «Ceferin re-elected for 2nd term as UEFA president until 2023». www.efe.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  26. UEFA.com (13 de agosto de 2020). «Organising UEFA club finals in record-breaking time: Portugal | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  27. CNN, Ben Church, Kevin Dotson and Brad Lendon. «UEFA president says those planning new Super League are 'taking football hostage'». CNN. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  28. «How UEFA president Ceferin crushed a Super League rebellion». sports.yahoo.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  29. «UEFA president urges Super League owners to reverse decision». AP NEWS (em inglês). 20 de abril de 2021. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  30. «Super League collapses: How fan revolt ended English clubs' breakaway». ESPN.com (em inglês). 22 de abril de 2021. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  31. «EU Parliament supports resolution to oppose breakaway Super League». euronews (em inglês). 23 de novembro de 2021. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  32. «Soccer-European parliament opposes 'breakaway leagues', Super League backers hit back». Reuters (em inglês). 23 de novembro de 2021. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  33. «Aleksander Čeferin becomes chairman of the UEFA Foundation for Children». UEFA Foundation (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  34. «Our history». UEFA Foundation (em inglês). 6 de fevereiro de 2015. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  35. «Uefa president Aleksander Ceferin joins Juan Mata's Common Goal». The Independent (em inglês). 29 de novembro de 2017. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  36. «Aleksander Čeferin je postal športna osebnost leta 2016». Ekipa24.si (em esloveno). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  37. «The ten influencers 2019: Why these figures will define the sports industry year ahead». SportsPro (em inglês). 11 de janeiro de 2019. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  38. Summit, World Football (9 de setembro de 2021). «UEFA president Aleksander Ceferin named WFS Awards best executive after Super League challenge and Euro 2020 success». World Football Summit (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  39. UEFA.com (9 de setembro de 2021). «UEFA President wins WFS Best Executive award | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  40. «Sportske novosti - EKSKLUZIVNI VIDEO: PRVI ČOVJEK UEFE ZA SN POVODOM VELIKOG JUBILEJA Otkrio za koji hrvatski klub strastveno navija: 'Nažalost, tamo nešto ne valja...'». sportske.jutarnji.hr (em croata). 8 de outubro de 2019. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  41. «UEFA's Ceferin wants to fix European soccer». ESPN.com (em inglês). 5 de junho de 2018. Consultado em 4 de janeiro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]