Alexandre Garnizé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alexandre Garnizé
Informação geral
Nome completo José Alexandre dos Santos de Oliveira
Nascimento 4 de dezembro de 1971 (48 anos)
Origem Camaragibe,  Pernambuco
País  Brasil
Gênero(s) Hip hop, Rock, Samba
Ocupação(ões) músico percussionista, historiador, pesquisador, ativista, compositor e ator
Instrumento(s) Vocal
Período em atividade 1995–presente
Afiliação(ões) The Ax, Faces do Subúrbio, F.U.R.T.O., Helinho, Paulo Caldas, Marcelo Luna

José Alexandre dos Santos de Oliveira[1] (4 de dezembro de 1971, Camaragibe, Pernambuco), mais conhecido pelo seu nome artístico Alexandre Garnizé[2] é um músico percussionista, compositor, historiador, pesquisador, ativista e ator brasileiro, conhecido por seu trabalho com as bandas Faces do Subúrbio[3], e F.U.R.T.O.[4]

Além de trabalhar em diversas organizações não-governamentais, como as ONGs Tortura Nunca Mais e Luz da Periferia[3], Garnizé é o criador do Projeto Criarte, que é responsável por tirar centenas de crianças e adolescentes das ruas. Em novembro de 1999, este projeto ganhou do governo federal o prêmio "Prefeito Criança".[5]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Alexandre Garnizé descobriu o dom da música aos 6 anos, quando viu pela primeira vez uma roda de candomblé e ficou batucando em uma caixa de papelão.[3]

Em 1996, ele entrou para o Faces do Subúrbio, e era conhecido apenas por Garnizé. Antes disso, porém, ele foi baterista do grupo de thrash metal "The Ax".[5]

Em 2000, ele foi convidado por Paulo Caldas e Marcelo Luna para participar do documentário "O Rap do Pequeno Príncipe Contra as Almas Sebosas", como protagonista e compositor da trilha sonora.[5]

De 2001 a 2004, Garnizé participou do Percuba, simpósio de percussão realizado em Havana, Cuba.[6]

Em 2004 foi conivdado por Marcelo Yuka para integrar a banda F.U.R.T.O. (Frente Urbana de Trabalhos Organizados).

Em 2012 fundou o bloco Tambores de Olokun, trazendo o tradicional Maracatu de Baque Virado de Pernambuco para o Rio de Janeiro, com uma nova cara.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Com o Faces do Subúrbio[editar | editar código-fonte]

Com a banda F.U.R.T.O (Frente Urbana de Trabalhos Organizados)[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Eduarda Souza (ed.). «Rap do Pequeno Príncipe se perde na dispersão». Folha Online. Consultado em 25 de março de 2016 
  2. Manuela dos Santos (ed.). «"TransmutAção" é o disco mais político de Alexandre Garnizé». Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de março de 2016 
  3. a b c folha.uol.com.br/ Faces do Subúrbio vai mostrar vida na periferia em Grammy Latino
  4. «Músico pernambucano Alexandre Garnizé foi seduzido pelas batidas de Fela Kuti». NE10. Consultado em 25 de março de 2016 
  5. a b c terra.com.br/ Garnizé: O Batera/Educador do Faces do Subúrbio
  6. uol.com.br/ Percuba 2001 batuca no ritmo do maracatu

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alexandre Garnizé
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Alexandre Garnizé
Ícone de esboço Este artigo sobre um músico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.