Alla Nazimova

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alla Nazimova
Nome completo Mariam Edez Adelaida Leventon
Nascimento 22 de maio de 1879
Yalta, Crimeia
Flag of Russia.svg Império Russo
Morte 13 de julho de 1945 (66 anos)
Los Angeles, Califórnia
 Estados Unidos
Ocupação atriz
Atividade 1903 - 1945
IMDb: (inglês)

Alla Nazimova, nascida Mariam Edez Adelaida Leventon, (Yalta, 22 de maio de 1879Los Angeles, 13 de julho de 1945), foi uma atriz russa e estadunidense. Foi uma das grandes estrelas do cinema mudo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Alla nasceu como Marem-Ides Leventon (nome russo Adelaida Yakovlevna Leventon) em Ialta, Crimeia, Império Russo.[1] Seu nome artístico Alla Nazimova era uma combinação de Alla (um diminutivo de Adelaida) e o sobrenome de Nadezhda Nazimova, a heroína da novela russa Children of the Streets.[2] Ela era amplamente conhecida como apenas Nazimova, e também foi sob o nome de Alia Nasimoff.[3]

Ela era a mais nova de três filhos de pais judeus, Yakov Abramovich Leventon, um farmacêutico e Sofia (Sara) Lvovna Horowitz, que mudou-se de Chișinău para Yalta em 1870.[4] Ela cresceu em uma família disfuncional; seus pais se divorciaram quando ela tinha apenas 8 anos de idade. Depois que seus pais se separaram, ela viveu entre internatos, casas de acolhimento e de parentes.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Nazimova na peça da Broadway The Marionettes' de 1911.
Caricatura da Vanity Fair de 1922 de Ralph Barton, que mostra as pessoas famosas que, ele imaginou, deixaram o trabalho todos os dias em Hollywood. Nazimova está caracterizada com o figurino de Camille.

Quando adolescente, ela começou a se interessar pelo teatro e fez aulas de atuação na Academia de Atuação em Moscou. Ela se juntou ao Teatro de Arte de Moscou de Constantin Stanislavski usando o nome de Alla Nazimova pela primeira vez.

A carreira de teatro de Nazimova floresceu cedo; e em 1903 ela era uma grande estrela em Moscou e São Petersburgo. Ela visitou a [Europa]], incluindo cidades como Londres e Berlim, com seu namorado, Pavel Orlenev, [2] um ator e produtor extravagante. Em 1905, eles se mudaram para Nova Iorque e fundaram um teatro no idioma russo, no Lower East Side. O empreendimento não teve êxito; e Orlenev retornou à Rússia enquanto Nazimova permaneceu em Nova Iorque.[carece de fontes?]

Ela foi contratada pelo produtor americano Henry Miller e fez sua estreia na Broadway em Nova Iorque, em 1906, com sucesso de público e crítica. Sua estreia em língua inglesa aconteceu em novembro de 1906, no papel principal de Hedda Gabler.[5] Alla tornou-se extremamente popular, muito rapidamente, (um teatro foi nomeado com o nome dela) e permaneceu uma grande estrela da Broadway por anos, muitas vezes atuando nas peças de Henrik Ibsen e Anton Chekhov.[6] Dorothy Parker descreveu-a como a melhor Hedda Gabler que ela já havia visto.

Devido à sua notoriedade em uma peça de 35 minutos de 1915, intitulada War Brides , Nazimova fez sua estreia na versão filmada da peça, um filme mudo de 1916 que foi produzido por Lewis J. Selznick. Um jovem ator com uma pequena parte no filme foi Richard Barthelmess, cuja mãe ensinou inglês a artista. Nazimova o incentivou a atuar em filmes e depois ele tornaria-se uma estrela.[7] Em 1917, ela negociou um contrato com a Metro Pictures, uma precursora da MGM, que incluiu um salário semanal de US $ 13.000. Ela mudou-se de Nova Iorque para Hollywood, onde fez uma série de filmes bem sucedidos para a Metro que lhe rendeu um dinheiro considerável. Em 1927, ela tornou-se cidadã naturalizada dos Estados Unidos.

Elliot Cabot e Alla Nazimova no Theatre Guild, na peça A Month in the Country (1930)

Nazimova logo se sentiu confiante o suficiente em suas habilidades para começar a produzir e escrever filmes em que também estrelou. Em suas adaptações de filmes de obras de escritores tão notáveis ​​como Oscar Wilde e Ibsen, ela desenvolveu suas próprias técnicas de cinema, que eram consideradas ousadas na época. Seus projetos, incluindo "A Doll's House" (1922), com base em Ibsen e "Salomé" (1923), com base na peça de Wilde, foram fracassos de crítica e público.

Em 1925, Nazimova não podia mais arcar em investir em filmes; e os financiadores negavam seu apoio. Com poucas opções, desistiu da indústria cinematográfica, voltando a atuar na Broadway, estrelando como Natalya Petrovna, em 1930, na produção de [[Rouben Mamoulian], de Turgenev A Month in the Country e uma performance aclamada como a Sra. Alving em Ghosts, de Ibsen , que o crítico Pauline Kael mais tarde descreveu como o maior desempenho que ela já havia visto no palco americano. No início da década de 1940, ela apareceu em mais alguns filmes, fazendo a mãe de Robert Taylor em Escape (1940) e como mãe de Tyrone Power em Blood and Sand (1941). Este retorno tardio aos filmes, felizmente, preserva Nazimova e sua arte no cinema falado.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 1899, ela se casou com Sergei Golovin, um colega ator.[2] Enquanto ainda na Rússia e antes de chegar à América em 1905, Nazimova pode ter dado à luz uma criança. O pai especula-se ser seu marido Golovin ou seu amante Orlenev.[carece de fontes?]

De 1912 a 1925, Nazimova manteve um "casamento de aparências" com Charles Bryant (1879-1948),[8] um ator britânico.[2][9] A fim de reforçar este acordo com Bryant, Nazimova manteve seu casamento com Golovin, em segredo da imprensa, seus fãs e até mesmo seus amigos. Em 1923, ela divorciou-se de Golovin sem viajar para a União Soviética. Seus papéis de divórcio, que chegaram nos Estados Unidos naquele verão, declararam que, em 11 de maio de 1923, o casamento da "cidadã Leventon Alla Alexandrovna" e Sergius Arkadyevitch Golovin ", consumado entre eles na Igreja da Cidade de Boruysk em 20 de junho de 1899, "tinha sido oficialmente dissolvido. Um pouco mais de dois anos depois, em 16 de novembro de 1925, Charles Bryant, 43 anos, surpreendeu a imprensa, os fãs de Nazimova e Nazimova se casando com Marjorie Gilhooley, 23, em Connecticut. Quando a imprensa descobriu o fato de Charles ter listado seu estado civil atual como "solteiro" em sua licença de casamento, a revelação de que o casamento entre Alla e Charles tinha sido uma farsa desde o início, envolve Nazimova em um escândalo que prejudicou sua carreira.[10]

Relações com mulheres[editar | editar código-fonte]

Alla Nazimova fotografada por Arthur Rice como Marguerite Gautier em Camille (1921)

De 1917 a 1922, Nazimova exerceu influência e poder consideráveis ​​em Hollywood.[2] Nazimova ajudou a iniciar as carreiras de ambas as esposas de Rudolph Valentino, Jean Acker e Natacha Rambova. Embora estivesse envolvida em um caso com Acker,[11] é debatido até onde seu envolvimento com Rambova se desenvolveu em um caso sexual. No entanto, havia rumores de que Nazimova e Rambova estavam envolvidos em um caso lésbico (eles são discutidos extensamente em Dark Lover, a biografia de Emily Leider de Rudolph Valentino), mas esses rumores nunca foram definitivamente confirmados. Ela ficou muito impressionada com as habilidades de Rambova como diretora de arte, e a mesma desenhou os set inovadores para as produções de filmes de Nazimova como Camille (1921) e Salmoné (1923).[carece de fontes?]

Confirmadas entre os romances de Nazimova estão a atriz Eva Le Gallienne, a diretora Dorothy Arzner, a escritora Mercedes de Acosta e a sobrinha de Oscar Wilde, Dolly Wilde.[12] Bridget Bate Tichenor, uma artista de Realismo mágico e pintora surrealista também foi rumor de ser uma das amantes favorecidos de Nazimova em Hollywood durante os anos da Segunda Guerra Mundial de 1940 a 1942.[13] As duas foram apresentadas pelo poeta e colecionador de arte Edward James, e de acordo com Tichenor, sua relação íntima irritou a companheira de longa data de Nazimova, Glesca Marshall.[13] No entanto, o fato de que Tichenor estava grávida em 1940, juntamente com o hiato de 40 anos entre as duas mulheres, deixa alguma dúvida sobre esse rumor.

Acredita-se que Nazimova cunhou a frase "sewing circle" como um código para se referir a atrizes lésbicas ou bissexuais de seu tempo, que dissimularam sua verdadeira sexualidade.[14]

Nazimova morou com Glesca Marshall desde 1929 até sua morte em 1945.[10] : 289

Amizades e ligações famosas[editar | editar código-fonte]

Edith Luckett Davis, uma atriz de teatro e filmes e a mãe da futura Primeira-dama dos Estados Unidos, Nancy Reagan, era uma amiga de Nazimova, tendo atuado com ela no palco. Edith se casou com Kenneth Seymour Robbins e, após o nascimento de sua filha Nancy em 1921, Nazimova tornou-se sua madrinha. Nazimova continuou sendo amiga de Edith e seu segundo marido, neurocirurgião Loyal Davis até sua morte.[15] Ela também era a tia do produtor de filmes americano Val Lewton.[9]

Jardim de Alá[editar | editar código-fonte]

O estilo de vida privado de Nazimova deu origem a rumores generalizados de festas esquisitas e supostamente deambuladas em sua mansão no Sunset Boulevard, em Hollywood, Califórnia, conhecido como "The Garden of Alla", que ela arrendou em 1918 e comprou de forma definitiva no ano seguinte. Devido a quase falência em 1926, ela converteu a propriedade de 2,5 hectares em um hotel, construindo 25 moradias na propriedade. O Garden of Alla Hotel abriu em janeiro de 1927. Mas Nazimova estava mal equipada para dirigir um hotel e, eventualmente o vendeu, voltando para a Broadway e peças teatrais. Em 1930, o hotel tinha sido comprado pela Central Holding Corporation, que mudou o nome para Garden of Allah Hotel. Quando Nazimova voltou para Hollywood em 1938, alugou o Villa 24 do hotel e morou lá até morrer.[10]

Morte e memoriais[editar | editar código-fonte]

Em 13 de julho de 1945, Nazimova morreu de uma trombose coronariana, aos 66 anos,[1] no Hospital Good Samaritan em Los Angeles.[9] Suas cinzas foram enterradas no Forest Lawn Memorial Park Cemetery em Glendale.[16] Suas contribuições para a indústria cinematográfica foram reconhecidas com uma estrela no Hollywood Walk of Fame.

Legado[editar | editar código-fonte]

Nazimova foi retratado em filme três vezes. Os dois primeiros foram filmes biográficos sobre Rudolph Valentino: "The Legend of Valentino", de 1975, em que foi retratada por Alicia Bond; e Valentino de 1977, no qual ela foi retratada por Leslie Caron. Em 2011 Alla aparece no filme "Silent Life", onde ela é interpretada por Galina Jovovich.[carece de fontes?]

A personagem de Nazimova também aparece na ópera de Dominick Argento, "Dream of Valentino",[17] na qual ela também toca violino.

Nazimova também foi destaque no livro de 2004, do maquiador Kevyn Aucoin, "Face Forward", no qual ele fez Isabella Rossellini assemelhar-se a ela, caracterizada dea personagem de Dama das Camélias.[18]

A atriz Romy Nordlinger primeiro retratou Alla Nazimova na produção da The Society for the Preservation of Theatrical History de Stage Struck: de Kemble a Kate, encenada no Snapple Theatre Center, em Nova York, em dezembro de 2013.[19][20]

No outono de 2016, PLACES, um show solo de multimídia sobre Alla Nazimova, apoiado pelo League of Professional Theatre Women's Heritage Program, escrito e interpretado por Romy Nordlinger estreou no Playhouse Theatre por tempo limitado.[21]

Romy Nordlinger retratará novamente Alla Nazimova em PLACES, o show solo multimídia, como parte da série East to Edinburgh em 59E59 Teatros em Nova York, no final de julho de 2017, antes de se mudar para Edimburgo, na Escócia, para o Festival Fringe de 2017.[22][23]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ano Filme Papel Notas
1916 War Brides Joan
1918 Revelation Joline
Toys of Fate Zorah/Hagah
A Woman of France
Eye for Eye Hassouna Também produtora e co-diretora.
1919 Out of the Fog Faith & Eve
The Red Lantern Mahlee & Blanche Sackville
The Brat The Brat Também produtora e roteirista.
1920 Stronger Than Death Sigrid Fersen Também produtora.
The Heart of a Child Sally Snape Também produtora.
Madame Peacock Jane Gloring/Gloria Cromwell Também produtora e roteirista. (adaptação)
Billions Princess Triloff Também roteirista (títulos) e editora.
1921 Camille Marguerite Gautier/Manon Lescaut in Daydream
1922 A Doll's House Nora Helmer Também produtora e roteirista.
1923 Salomé Salomé Também produtora.
1924 Madonna of the Streets Mary Carlson/Mary Ainsleigh
1925 The Redeeming Sin Joan
My Son Ana Silva
1940 Escape Emmy Ritter
1941 Blood and Sand Señora Augustias Gallardo
1944 In Our Time Zofya Orvid
The Bridge of San Luis Rey Doña Maria – The Marquesa
Since You Went Away Zofia Koslowska

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Alla Nazimova

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Alla Nazimova». Consultado em 27 de setembro de 2006. Cópia arquivada em 29 de junho de 2012. Her death on July 13, 1945 was attributed to coronary thrombosis. 
  2. a b c d e Mavromatis, Kally; Pringle, Glen (1999). «Alla Nazimova – Silent Star». Consultado em 27 de setembro de 2006. Cópia arquivada em 20 de setembro de 2006 
  3. «Alla Nazimova» (em German). Consultado em 27 de setembro de 2006. Arquivado do original em 14 de maio de 2006. auch: Alia Nasimoff (also: Alia Nasimoff) 
  4. «Алла Назимова — Звезда Голливуда Из Ялты». Old Yalta. Consultado em 29 de julho de 2015. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2017 
  5. Artigo sem título, p. SMA2, New York Times , 1906-11-11. Acessado online em 4 de agosto de 2015.
  6. Horowitz, Joseph (2008). «Delayed Reaction: Stanislavsky, Total Theater, and Broadway». Artists in Exile: How Refugees from Twentieth-Century War and Revolution Transformed the American Performing Arts 1st ed. New York: HarperCollins Publishers. p. 332. ISBN 978-0-06-074846-3 
  7. Blum, Daniel (c. 1953). A Pictorial History of the Silent Screen p. 111
  8. Harbin, Billy J.; Marra, Kim; Schanke, Robert A. (2005). University of Michigan Press, ed. The Legado Teatral Gay e Lésbica. [S.l.: s.n.] p. 299. ISBN 0-472 -09858-6<! - Nenhum -> 
  9. a b c «Alla Nazimova Dies at 66» (JPG). 1945. Consultado em 27 de setembro de 2006. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2012 
  10. a b c Lambert, Gavin (1997). Nazimova: A Biography. [S.l.]: Alfred A. Knopf, Inc. pp. 265–66; 285. ISBN 0-679-40721-9<! - None -> 
  11. Fleming, E. J. (2004). The Fixers & nbsp; - Eddie Mannix, Howard Strickling e o MGM Publicity Machine. [S.l.]: McFarland & Company. p. 56. ISBN 0-7864-2027-8<! - Nenhum -> 
  12. Theophano, Teresa (2002). «Film Actors: Lesbian». glbtq.com. Consultado em 14 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2007 
  13. a b «Bridget Bate Tichenor». bridgetbatetichenor. com 
  14. Harbin, Billy J.; Marra, Kim; Schanke, Robert A., eds. (2005). The Gay & Lesbian Theatrical Legacy. [S.l.]: University of Michigan. p. 297. ISBN 0-472-09858-6. Munson was a member of 'the sewing circle,' a term originated by Alla Nazimova for a clique of lesbians and bisexuals who socialized in Hollywood. 
  15. «First Lady Biography – Nancy Reagan». The National First Ladies Library. 2005. Consultado em 27 de setembro de 2006. Her godmother was the famous actress Alla Nazimova 
  16. Wilson, Scott. Resting Places: The Burial Sites of More Than 14,000 Famous Persons, 3d ed.: 2 (Kindle Locations 34235-34236). McFarland & Company, Inc., Publishers. Kindle Edition
  17. Davis, Peter G. (7 de fevereiro de 1994). «Radical Sheik». New York Magazine: 68–69. Consultado em 12 de dezembro de 2012 
  18. «Look-alike makeups - stars, starlets & actresses - the 1920s - various portrayals». themakeupgallery.info. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  19. BWW News Desk. «STAGE STRUCK: FROM KEMBLE TO KATE Plays Tonight at the Snapple Theater Center». BroadwayWorld.com 
  20. Nazimova Excerpts - Romy Nordlinger from adamjesseburns@gmail.com on Vimeo. vimeo.com (Notas de mídia) 
  21. «PLACES Solo Show About Alla Nazimova Set for Penthouse One». 16 de setembro de 2016. Consultado em 3 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 3 de setembro de 2017 
  22. «Romy Nordlinger's PLACES to Make World Premiere at 59E59 Before Edinburgh Fringe». 15 de junho de 2016. Consultado em 3 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 3 de setembro de 2017 
  23. Christopherson, Jody (7 de junho de 2016). «PLACES: Romy Nordlinger on becoming Alla Nazimova». HuffPost. Consultado em 3 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 3 de setembro de 2017