Amadeu da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Amadeu da Silva
Retrato do Beato Amadeu da Silva
Taumaturgo e Frade da Ordem dos Frades Menores
Nascimento Campo Maior, Portugal 
1431
Morte Milão, Itália 
1482 (51 anos)
Veneração por Igreja Católica
Festa litúrgica 12 de Agosto
Gloriole.svg Portal dos Santos
Disambig grey.svg Nota: Se procura outras personalidades com nome semelhante, veja João de Meneses (desambiguação).

Beato Amadeu da Silva, também conhecido por Amadeu Lusitano ou Amadeu Hispano,[1] nascido D. João de Menezes da Silva (Campo Maior, 1431 - Milão, 10 de Agosto de 1482), foi um nobre português e beato católico.

Foi um dos responsáveis pela instalação dos Frades Menores em Roma, a pedido do Papa Sisto IV, ele próprio franciscano. Foi essencialmente um contemplativo e um reformador. O conjunto de conventos por ele reformados tomou o nome de "amadeísta".[2]

Foi quase uma personalidade quase desconhecida em Portugal, mas bastante afamado na Itália no século XV. A sua obra principal, Apocalypsis Nova (Nova Revelação), foi mais tarde fortemente criticada e condenada pela Inquisição.[3]

Nesse texto, desse seu livro, surge como um campeão da vida austera, solitária e contemplativa. Vivera numa “caverna da montanha”, “caminhava descalço e vestido só com a túnica; o seu alimento era pão e água, uma vez por dia, depois da Noa, logo após a Missa”. Outros testemunhos contemporâneos reforçam esta imagem: em constante penitência de cilícios e jejuns, chegou a ser humilhado pelas populações, que o consideravam herege.[4]

Mas já na data de 16 de Julho de 1483, em menos um ano após a sua morte, os responsáveis pela Igreja de Sancta Maria della Pace di Milano rogam ao Papa autorização para poderem celebrar missa diariamente, à meia noite ou ao meio dia, a fim de satisfazer a incontável multidão dos que diariamente se apinhavam, vindos de todos os lados, à volta do túmulo de Amadeu.[5]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Crê-se que terá nascido em Campo Maior (embora haja dúvidas historiográficas recentes, que apontam para a possibilidade de tanto ele como a irmã terem nascido em Ceuta[6]), filho de D. Rui Gomes da Silva, Alcaide de Campo Maior e Ouguela, escudeiro de D. João I e conselheiro de D. Duarte e de D. Afonso V, e D. Isabel de Menezes, Condessa de Portalegre, filha bastarda de D. Pedro Meneses, Conde de Vila Real e primeiro Governador dessa cidade.[7] Era irmão de Santa Beatriz da Silva.[6][8]

D. Rui Gomes da Silva participou na conquista de Ceuta, onde foi sagrado cavaleiro pelo infante D. Duarte.[8] Nessa mesma cidade, casou-se, em 13 de Novembro de 1422, com D.ª Isabel de Meneses, pelo que os dois só terão assentaram arraiais em Portugal, no início de 1427.[8]

Sabe-se que foi educado na corte de D. Duarte I de Portugal.[8]

No final da década de 40 do séc. XV, aos 18 ou 19 anos de idade, terá acalentado amores pela jovem infanta Leonor de Portugal, três anos mais nova.[9] Teria tido acesso à Infanta por intermédio de D. Guiomar de Castro, de quem era primo co-sobrinho pelo lado materno.[10] Conta-se que embarcou, clandestinamente, para Itália na armada que levou a Infanta D. Leonor e que, após o casamento desta, abraçou a vida religiosa; segundo as mesmas fontes tê-lo-á feito por desgosto de ver a sua amada casada com outrem.[9][11]

Sabe-se que, aos vinte anos de idade, combateu ao lado de D. Afonso V na Batalha de Alfarrobeira, sendo ferido num braço.[12][13]

Na subsequência deste desfecho, ter-se-á retirando-se em seguida para a vida religiosa.[14]

Entrou primeiro na Ordem dos Eremitas de São Jerónimo, no Mosteiro de Nossa Senhora de Guadalupe, em Espanha,[15] sendo que há autores modernos, como o prof. Sousa Costa, que defendem que não terá lá permanecido mais do que um ano.[16] Depois de ter sofrido de doença grave, que o acamou, e de, em convalescença, ter tido visões religiosas,[17] pede licença escrita ao prior Gonzalo de Illescas, em 11 de dezembro de 1452, e muda-se para Assis, em Itália.[18] Depois ingressa na Ordem dos Frades Menores franciscanos, em Úbeda,[18] trocando, assim, o hábito branco pelo castanho.[19]

Foi ordenado sacerdote em 1459.[20]

Levado pelo fervor religioso e porque não foi consentida a sua entrada nos "franciscanos espirituais" por estes se haverem desligado da obediência hierárquica, acabou por fundar um ramo próprio, uma nova Congregação interna, que se espalhou pela região da Lombardia, sob a proteção de Francesco Sforza e Bianca Maria, Duques de Milão,[21] cujo monges passaram a ser conhecidos por Amadeitas,[22]

Nessa altura, funda diversos conventos, nomeadamente em Morliano, em 1457, e em Oreno, em 1460.[23]

Foi então que o Superior Geral dos franciscanos foi designado Papa Sisto IV que o chamou para ser o seu confessor e conselheiro[24] assim como os seus conventos passaram a estar sob sua custódia.[25]

Do mesmo papa terá recebido, a 18 de Junho de 1472, o convento de São Pedro in Montorio, em Roma, junto do palácio apostólico, onde passou a viver numa pequena Comunidade, em ambiente de pobreza e meditação. Aí, numa caverna dentro da sua cerca,[26] em estados de êxtase, terá recebido, em revelações sucessivas, o conteúdo da Nova Apocalypsis, cuja obra pode dizer-se que tem uma finalidade bem definida, propugnar pela reforma da Igreja e pela sua união.[27]

Internado na enfermaria do Mosteiro de Maria della Pace, em Milão, morre a 10 de Agosto de 1482.[28][29]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Do altar ao palco, por Isabel Maria Dâmaso de Azevedo Vaz dos Santos, Douturamente em Estudos de Literatura e Cultura, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, 2014, pág. 82
  2. «Beato Amadeu da Silva, religioso +1482, Evangelho Quotidiano». evangelhoquotidiano.org. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  3. «Apocalypsis Nova foi proibido em Portugal pela Inquisição, em 1581, o que não impediu a sua circulação entre nós por outras vias, algumas das quais ligadas aos altos círculos da corte e da Igreja. - A Santidade no Portugal Medievalː Narrativas e Trajectos de Vida, por Maria de Lurdes Rosa, Lusitania Sacra, 2ª série, 13-14 (2001-2002), pág. 449; A SANTIDADE NO PORTUGAL MEDIEVAL: NARRATIVAS E TRAJECTOS DE VIDA 1». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  4. «A Santidade no Portugal Medievalː Narrativas e Trajectos de Vida, por Maria de Lurdes Rosa, Lusitania Sacra, 2ª série, 13-14 (2001-2002), pág. 448; A SANTIDADE NO PORTUGAL MEDIEVAL: NARRATIVAS E TRAJECTOS DE VIDA 1». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  5. Beato Amadeu da Silva Nova Apocalipse, Associação Portuguesa de Estudos Neolatinos, Imprensa da universidade de Coimbra, Outubro de 2014, pág. 7
  6. a b Costa, António Domingues de Sousa (1985). «Studio critico e documenti inediti sulla vita del beato Amedeo da Silva nel quinto centenario della morte»: 190. Consultado em 10 de janeiro de 2022 
  7. Dias, Domingos Lucas (outubro de 2014). «Beato Amadeu - Nova Apocalipse». IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Portvgaliae Monvmenta neolatina. XIV: 6. ISBN 978-989-26-0715-3. doi:10.14195/978-989-26-0715-3 
  8. a b c d Dias, Domingos Lucas (outubro de 2014). «Beato Amadeu - Nova Apocalipse». IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Portvgaliae Monvmenta neolatina. XIV: 8. ISBN 978-989-26-0715-3. doi:10.14195/978-989-26-0715-3 
  9. a b Saraiva, António José (1990). O crepúsculo da Idade Média em Portugal. Lisboa: Gradiva. p. 83. 306 páginas. ISBN 9789726621577 
  10. Cruz Coelho, M-H. (2002–2003). «"A política matrimonial da dinastia de Avis: Leonor e Frederico III da Alemanha".». Universidade de Coimbra. Revista Portuguesa de História. XXXVI (1). ISSN 0870-4147 
  11. Há a teoria que diz que o verdadeiro nome do navegador Cristóvão Colon seria Salvador ou Sancho Anes da Silva; que terá nascido na vila alentejana de Cuba, cerca de 1450, e que seria filho da Infanta D. Leonor de Portugal (futura Imperatriz do Sacro Império RomanoGermânico) e de D. João Meneses da Silva (futuro Beato Amadeu); que terá ido com os seus pais para Itália (quando a sua mãe foi ali celebrar o seu casamento religioso com o Imperador Frederico III), tendo ficado à guarda da família Colonna d’Appiano, dos Senhores de Piombino, à qual pertencia uma prima direita da Infanta D. Leonor. - Cristóvão Colonː Descoberta a sua Identidade?, por José Mattos e Silva e António Mattos e Silva
  12. Costa, António Domingues de Sousa (1985). «Studio critico e documenti inediti sulla vita del beato Amedeo da Silva nel quinto centenario della morte»: 210. Consultado em 10 de janeiro de 2022 
  13. O Milenarismo do Beato Amadeu da Silva, por Domingos Dias, Universidade Aberta
  14. Dias, Domingos Lucas (2004). «Apocalypsis nova = nova apocalipse (de Beato Amadeu da Silva), por Domingos Lucas Dias, Tese de Doutoramento em Literatura Latina apresentada à Universidade Aberta, 2004». Consultado em 4 de agosto de 2021 
  15. Apocalypsis nova = nova apocalipse (de Beato Amadeu da Silva), por Domingos Lucas Dias, Tese de Doutoramento em Literatura Latina apresentada à Universidade Aberta, 2004
  16. Costa, António Domingues de Sousa (1985). «Studio critico e documenti inediti sulla vita del beato Amedeo da Silva nel quinto centenario della morte»: 202. Consultado em 10 de janeiro de 2022 
  17. Dias, Domingos Lucas (outubro de 2014). «Beato Amadeu - Nova Apocalipse». IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Portvgaliae Monvmenta neolatina. XIV: 6-7. ISBN 978-989-26-0715-3. doi:10.14195/978-989-26-0715-3 
  18. a b Dias, Domingos Lucas (outubro de 2014). «Beato Amadeu - Nova Apocalipse». IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Portvgaliae Monvmenta neolatina. XIV: 6-7. ISBN 978-989-26-0715-3. doi:10.14195/978-989-26-0715-3 
  19. webmaster (12 de setembro de 2020). «Beato Amadeo de Silva y Meneses monje y abad (c. a. 1431-1479)». Oración y Liturgia (em espanhol). Consultado em 4 de agosto de 2021 
  20. «Beato Amadeu da Silva, religioso +1482, Evangelho Quotidiano.». evangelhoquotidiano.org. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  21. Beato Amadeu da Silva Nova Apocalipse, Associação Portuguesa de Estudos Neolatinos, Imprensa da universidade de Coimbra, Outubro de 2014, pág. 7
  22. A referida congregação dos amadeístas, em 1568, vieram a ser reagrupados à Ordem Franciscana pelo Papa São Pio V
  23. Uma de voção de Grande e Pequenos: Nossa Senhora da Conceição de Lila Viçosa nos séculos XVII E XVIII, por Francisco José Pegacha Pardal, 2018, pág. 37
  24. O Milenarismo do Beato Amadeu da Silva, por Domingos Dias, Universidade Aberta
  25. Uma de voção de Grande e Pequenos: Nossa Senhora da Conceição de Lila Viçosa nos séculos XVII E XVIII, por Francisco José Pegacha Pardal, 2018, pág. 37
  26. Segundo frei Mariano de Florença, biógrafo do Beato Amadeu, seria numa caverna deste convento que recebia revelações do arcanjo São Gabriel. - Cristóvão Colonː Descoberta a sua Identidade?, por José Mattos e Silva e António Mattos e Silva
  27. Dias, Domingos Lucas (2004). «Apocalypsis nova = nova apocalipse (de Beato Amadeu da Silva), por Domingos Lucas Dias, Tese de Doutoramento em Literatura Latina apresentada à Universidade Aberta, 2004». Consultado em 4 de agosto de 2021 
  28. Beato Amadeu da Silva Nova Apocalipse, Associação Portuguesa de Estudos Neolatinos, Imprensa da universidade de Coimbra, Outubro de 2014, pág. 7
  29. O rei Luís XI de França, a quem chegara a fama do Beato Amadeu, contribuiu para as despesas do funeral e para um sepulcro de mármore rodeado por grades. - Cristóvão Colonː Descoberta a sua Identidade?, por José Mattos e Silva e António Mattos e Silva

Ligações externas[editar | editar código-fonte]