Amatunte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Amatunte
Αμαθούς
Vista da ágora e da cidade baixa de Amatunte de sua acrópole
Localização atual
Amatunte está localizado em: Chipre
Amatunte
Localização de Amatunte no Chipre
Coordenadas 34° 42' 45" N 33° 08' 31" E
País Pafos,  Chipre

Amatunte (em grego antigo, Αμαθούς, ou, Αμαθούντα; e em latim, Amatus) foi uma das cidades mais antigas do Chipre. Localizada na costa sul, em frente a Agios Tychonas, a oeste de Lárnaca e a leste de Limassol. O culto a Afrodite foi o segundo mais importante, depois do de Pafos. As ruínas de Amatunte não estão tão bem preservadas como as ruínas da cidade vizinha de Cúrio.[1][2]

Pré-história e Antiguidade[editar | editar código-fonte]

Ruínas.

A pré-história de Amatunte é uma mistura de mitos e arqueologia.[3] Não havia nenhum centro urbano na Idade do Bronze, e a arqueologia descobriu que a atividade humana iniciou-se na região durante a Idade do Ferro, c. 1100 a.C.[2][4][5]

Na antiguidade, os amatuntios, ou mesmo pelasgos, eram considerados autóctones.[2] A cidade foi construída sobre falésias, e tinha um porto natural. Vários enterros e cerâmicas eubeianas do século XX a.C. foram encontrados. Durante o período pós-fenício do século VIII a.C., um palácio foi erigido e um porto foi construído, onde os navios comercializavam com a Grécia Continental e o Oriente Próximo. Um tofete foi encontrado do início da Idade do Ferro.[6][7] Na parte mais alta das falésias, os gregos construíram um templo que se tornou um local de peregrinação para os devotos da deusa Afrodite, em sua invocação de Afrodite Amatusia com um homem barbudo chamado Afrodito.[8]

Antiguidade tardia e Idade Média[editar | editar código-fonte]

No século IV, Amatunte foi a sede de um bispado cristão e continuou com seu florescimento até o período bizantino. No final do século VI, Ayios Ioannis Eleimonas (São João Esmoler), protetor dos Cavaleiros da Ordem de Malta, nasceu em Amatunte. No início da primeira metade do século VII, Anastácio Sinaíta, o prolífico escritor monge do Mosteiro Ortodoxo de Santa Catarina, nasceu em Amatunte. Acredita-se que ele tenha deixado o Chipre após a conquista árabe da ilha em 649, que foi estabelecida na Terra Santa, tornando-se um monge no Sinai.[9][10]

Referências

  1. Walter Burkert, Greek Religion 1985, p. 153; J. Karageorghis, La grande déesse de Chypre et son culte, 1977.
  2. a b c Catling, Hector William; Hornblower (editor), Simon; Spawforth, Anthony (1996). «Amathus». Oxford Classical Dictionary (em inglês) 3ª ed. Oxford: Oxford University Press. ISBN 01-952-1693-8 
  3. Petit, T. (1999). «Eteocypriot myth and Amathousian reality». JMA. 12: 108-120 
  4. Aupert, Pierre (novembro de 1997). «Amathus during the First Iron Age». Bulletin of the American Schools of Oriental Research. 308 (308): 19–25. doi:10.2307/1357406 
  5. Iacovou, M. (2002). «Amathous, an early Iron Age polity in Cyprus: the chronology of its foundation». Report of the Department of Antiquities of Cyprus (em inglês): 101-122 
  6. Agelarakis, A.; Kanta, A.; Stampolidis, N. Ch. (1998). Rethymno, ed. «The Osseous Record in the Western Necropolis of Amathous: an Archaeo-Anthropological Investigation", Eastern Mediterranean, Cyprus-Dodecanese-Crete 16th-6th c. B.C.». Creta. Proceedings of the International Symposium: The Eastern Mediterranean, Cyprus-Dodecanese-Crete 16th-6th c. B.C. (em inglês): 217-232 
  7. Agelarakis, A. (2001). Ministries of the Aegean and of Culture, Greece, ed. «The Amathous (tophet) cremations in Cyprus». D. Christou on “Human Cremations at the Western Necropolis of Amathous” Cremations in Bronze and Early Iron Age, Proceedings of Int. Symposium (em inglês): 201-204 
  8. Macrobio, Saturnalia III.8., Hesiquio de Alexandria s.v. Ἀφρόδιτος, Catulo 68, 51.
  9. Binggeli, A. (2009). Thomas, D.; et al., eds. «Anastasius of Sinai». Brill. Christian-Muslim Relations. A Bibliographical History (em inglês). 1 (600-900) 
  10. Uthemann, K. H. (2006). «Anastasius the Sinaite». Cambridge. A. Di Berardino, Patrology: the Eastern fathers from the Council of Chalcedon (451) to John of Damascus (+750) (em inglês): 313-331