Amrullah Saleh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Amrullah Saleh
Presidente do Afeganistão
(Interino, autoproclamado)
Período 17 de agosto de 2021
a atualidade
Antecessor(a) Ashraf Ghani (Presidente efetivo)
5.º Vice-presidente do Afeganistão
Período 19 de fevereiro de 2020
a atualidade
Presidente Ashraf Ghani
Antecessor(a) Abdul Rashid Dostum
Ministro do Interior
Período 23 de dezembro de 2018
a 19 de janeiro de 2019
Presidente Ashraf Ghani
Antecessor(a) Wais Barmak
Sucessor(a) Masoud Andarabi
Dados pessoais
Nascimento 15 de outubro de 1972 (48 anos)
Panjshir,  Afeganistão
Partido Basej-e Milli

Amrullah Saleh (Patcho; امرالله صالح ; Panjshir, Reino do Afeganistão, 15 de outubro de 1972) é um político afegão e primeiro vice-presidente da República Islâmica do Afeganistão desde 2020. Desde a tomada de Cabul pelo Talibã e fuga do presidente Ashraf Ghani em 15 de agosto de 2021, atua como Presidente do Afeganistão em Panjshir de forma autoproclamada e conforme a constituição de 2004. Saleh já desempenhou o cargo de Ministro do Interior entre 2018 e 2019 e chefe Diretoria de Segurança Nacional entre 2004 e 2010.[1]

Em 2017 foi nomeado Ministro de Estado de Reforma de Segurança pelo presidente Ghani. Em 2018 foi nomeado pelo mesmo para o cargo de Ministro do Interior, mas logo renunciou para se unir a Ghani em sua campanha de reeleição. Foi nomeado vice-presidente do Afeganistão em fevereiro de 2020.

Após a tomada de Cabul pelos Talibãs e fuga de Ghani para o exílio. Saleh refugiou-se na província de Panjshir, única província que não caiu sob controle do movimento islâmico. Se autoproclamou como presidente interino e lidera uma frente de resistência contra o novo governo. Saleh conta com o apoio de Ahmad Masud e o Ministro da Defesa Bismillah Khan Mohammadi.

Breve biografia[editar | editar código-fonte]

Saleh nasceu na província de Panjshir, no antigo Reino do Afeganistão. Pertence a etnia tajique. [2] Em 1990, na intenção de não ser recrutado para o exercito afegão sob influência soviética, se uniu aos mujahidins. Recebeu treinamento militar no Paquistão pelo líder Ahmad Shah Massoud.

No final dos anos 90 se uniu a Aliança do Norte, principal opositora ao primeiro governo Talibã. Saleh foi designado por Massoud a liderar a embaixada afegã no Tajiquistão e comandar as ações de ajuda humanitária. Também ajudou para ações humanitária em Nova Deli. Após o 11 de setembro e posterior invasão do Afeganistão pelos Estados Unidos, Saleh ajudou nos serviços de inteligência anti-talibã.

Desde o inicio de sua vida política, enfrentou seguidas tentativas de assassinato pelos talibãs. Em 2019 sobreviveu a um ataque suicida durante um tiroteio em seu escritório. Apesar de ter sobrevivido perdeu muitos colegas e ficou gravemente ferido. [3] O ataque foi duramente criticado e condenado pelo comunidade internacional, incluindo a União Europeia. Em setembro de 2020 foi novamente foi quase morto com um ataque bomba em seu carro em Cabul. O Talibã negou participação e Saleh publicou sua foto no hospital e com o rosto parcialmente queimado no Facebook horas depois. [4] Saleh teve uma irmã que foi torturada e assassinada pelos talibãs.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «https://twitter.com/amrullahsaleh2/status/1427631191545589772». Twitter. Consultado em 21 de agosto de 2021  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  2. Adamec, Ludwig W. (2012). Historical dictionary of Afghanistan 4th ed ed. Lanham, Md.: Scarecrow Press. OCLC 768082492 
  3. Siry, Steven E. (fevereiro de 2000). Burr, Aaron (06 February 1756–14 September 1836), revolutionary soldier, U.S. senator, and vice president of the United States. Col: American National Biography Online. [S.l.]: Oxford University Press 
  4. «AFGHANISTAN: HORRIFIC KABUL BOMB ATTACK UNDERLINES GROWING THREAT TO CIVILIAN LIVES». Human Rights Documents Online. Consultado em 21 de agosto de 2021