Anjem Choudary

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Anjem Choudary
انجم چودهرى
Anjem em 2011.
Nascimento 1967 (50 anos)
Welling, Grande Londres, Inglaterra
Residência Ilford, Grande Londres
Nacionalidade Reino Unido Britânico
Cônjuge Rubana Akhtar
Filho(s) 4
Alma mater Universidade de Southampton
Ocupação Advogado
Ativista
Religião Islâmico

Anjem Choudary (Urdu: انجم چودهرى; nascido na Grande Londres, em 1967) é um ativista político e social britânico. Formado em direito pela Universidade de Southampton, ele foi presidente da Sociedade de Advogados Muçulmanos e depois foi um dos principais porta-vozes, entre 2008 e 2010, do grupo islamita Islam4UK.[1]

Junto com Omar Bakri Muhammad, ele ajudou a formar a organização al-Muhajiroun. O grupo organizou várias manifestações e demonstrações anti ocidente, incluindo manifestações controversas consideradas pró-terrorismo, que o obrigou a comparecer numa corte de justiça. O Al-Muhajiroun foi dispersado após o governo britânico declarar a organização ilegal. Choudary esteve presente e ajudou a formar os grupos islamitas Ahlus Sunnah wal Jamaah e Al Ghurabaa, que também viriam a ser banidos. Ele então se tornou porta-voz do Islam4UK, considerado uma organização terrorista.[1]

Crítico do envolvimento do Reino Unido nas guerras do Iraque e do Afeganistão, Choudary elogiou os responsáveis pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos e os atentados a bomba em Londres de 7 de julho de 2005. Ele apoia a implementação da lei islâmica (a Sharia) por todo território britânico e organizou protestos durante a polêmica das caricaturas da Jyllands-Posten sobre Maomé, que o levou a corte por ter organizado uma demonstração ilegal. Ele foi processado, embora nenhuma acusação tenha sido feita, após comentários ofensivos feitos em 2006 contra o papa Bento XVI.[2]

No geral, Anjem recebe pouco apoio formal da comunidade muçulmana britânica e é constantemente criticado pela mídia.[3]

Em 28 de julho de 2016, Choudary foi enquadrado na Lei de Terrorismo de 2000 e foi condenado por incitar apoio a organização conhecida como Estado Islâmico do Iraque e do Levante. Ele é acusado de radicalizar jovens britânicos de origem árabe a ir lutar na guerra civil síria e no Iraque do lado dos jihadistas.[4]

Referências

  1. a b "Anjem Choudary: profile". Página acessada em 26 de fevereiro de 2015.
  2. "Terror-Supporting Islamist Finds 'Humor' in Saying '9-11, 7-7, 3-11' During Mic Check Before CNN Interview". Página acessada em 26 de fevereiro de 2015.
  3. Hasan, Mehdi (4 de janeiro de 2010), Please don't listen to Anjem Choudary, guardian.co.uk, consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  4. "Britain's 'most hated man' Anjem Choudary convicted for ISIS support". Página acessada em 16 de agosto de 2016.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]