Augusto Gomes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Augusto Gomes
Nome completo Augusto de Oliveira Gomes
Nascimento 12 de junho de 1910
Matosinhos, Portugal
Morte 28 de outubro de 1976 (66 anos)
Matosinhos
Nacionalidade português

Augusto Gomes de Oliveira (Matosinhos, 12 de julho de 1910 — Matosinhos, 28 de outubro de 1976) foi um pintor e professor português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Pescadores, 1962-63, óleo sobre tela, 170 cm x 200 cm

Fez o Curso Geral dos Liceus no Liceu Rodrigues de Freitas, Porto (terminado em 1927). Nesse ano matriculou-se no Curso Preparatório da Escola Superior de Belas Artes do Porto e, mais tarde, no curso de Pintura, que terminou em 1941 e onde foi aluno de José de Brito, Acácio Lino e Joaquim Lopes.[1]

Entre os anos de 1920 e 1930 expôs com o grupo +Além. Depois de concluído o curso na Escola Superior de Belas Artes do Porto dedicou-se ao ensino, tendo lecionado em várias escolas (escolas industriais de Bragança, Viana do Castelo e Viseu; Escola Faria Guimarães, Porto; Marquês de Pombal, Lisboa).[1]

Na década de 1950 realizou duas viagens de estudo a países europeus (Espanha e França, 1954; Bélgica, 1958). Em 1957 ingressou como professor assistente na Escola Superior de Belas Artes do Porto, onde exerceu atividade docente até à reforma, em 1974. Em 1964 foi designado membro da Junta Nacional da Educação.[1]

Viveu frequentemente "arredado de exposições, coletivas ou individuais, e a sua arte, definida em circuito fechado, encontrou uma maneira plástica de excelente composição escolar, ou docente, para traduzir uma imagem rústica de figuras empenhadas num dia-a-dia que recusa folclore" [2]. A intensidade das suas composições provém de uma força interior e da utilização de meios eminentemente plásticos que coloca ao serviço de um universo figurativo povoado de figuras por vezes monumentais – pescadores, mulheres da beira-mar... –, que assinalam a raiz mediterrânica da sua pintura[3]. A partir de meados da década de 1940 está muito próximo do neo-realismo emergente, "embora não se apresente como um pintor comprometido" [4].

A pintura, a cerâmica, o vitral, a tapeçaria, o mosaico, a ilustração, a litografia, a xilogravura, os figurinos e a cenografia são exemplos da versatilidade artística das suas obras.

Tem pinturas murais na Igreja da Conceição, Porto, em hoteis do Porto, Matosinhos e Fão, executou mosaicos, cerâmicas, cartões para tapeçaria e vidros gravados para vários edifícios particulares.[4]

Entre as exposições em que participou podem destacar-se: I e V Exposições Gerais de Artes Plásticas, SNBA (1946, 1950); II Bienal de S. Paulo (1953); Exposição/Levantamento da Arte do Século XX Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto (1975); Arte Portuguesa Contemporânea, Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, 1976-77; etc. Em 1973 realizou uma exposição retrospetiva no Centro de Arte Contemporânea, Porto. Está representado em coleções públicas e privadas, nomeadamente: MNAC, Lisboa; Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto; etc.[1][5] [6]

Referências

  1. a b c d Universidade do Porto. «Augusto Gomes». Consultado em 28 de abril de 2013 
  2. França, José AugustoA arte em Portugal no século XX. Lisboa: Livraria Bertrand, 1991, p. 307.
  3. Vasconcelos, Flórido de – "Augusto Gomes". In: A.A.V.V. – Dicionário da Pintura Universal, volume 3: Pintura Portuguesa. Lisboa: Estúdios Cor, 1973, p. 150
  4. a b Arte Portuguesa Contemporânea, catálogo de exposição em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro. Lisboa: Secretaria de Estado da Cltura; Fundação Calouste Gulbenkian, 1976-77
  5. A.A.V.V. – Os Anos Quartenta na Arte Portuguesa (tomo 1). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982, p. 83
  6. A.A.V.V. – Os Anos Quartenta na Arte Portuguesa (tomo 2). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982, p. 18

Ligações externas[editar | editar código-fonte]