Bando da Lua

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde Fevereiro de 2008).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Bando da Lua
O Bando da Lua em 1934.
Informação geral
Origem Rio de Janeiro
País  Brasil
Gênero(s) Samba
Período em atividade 1929-1955
Gravadora(s) Brunswick
Odeon
Victor
Columbia
Polydor
Integrantes Aloysio de Oliveira
Lulu
Harry Vasco de Almeida
Russinho
Ex-integrantes Hélio Jordão Pereira
Vadeco
Ivo Astolfi
Afonso Osório
Armando Osório
Stênio Osório
Zé Carioca
Garoto
Nestor Amaral

O Bando da Lua foi um conjunto vocal e instrumental brasileiro,[1] primeiro no país a harmonizar as vozes de acordo com a moda na época nos Estados Unidos e, com isto, criou uma mania nacional.

História[editar | editar código-fonte]

Carmen Miranda (ao centro) durante intervalo das filmagens do filme, Minha Secretária Brasileira (1942).

Formado no início dos anos 1930, o grupo era composto inicialmente por Aloysio de Oliveira (violão e vocal), Hélio Jordão Pereira (violão), Osvaldo Éboli, o Vadeco (pandeiro), Ivo Astolphi (violão tenor e banjo) e pelos irmãos Afonso (ritmo e flauta), Stênio (cavaquinho) e Armando Osório (violão). Este último veio a se desligar do grupo em 1934.

Gravaram vários discos com canções carnavalescas nos anos 1930 (38 discos, de 1931 a 1940) e, com sucesso, excursionaram pela Argentina. Nessa época, começaram a cantar com Carmen Miranda e ela exigiu que eles a acompanhassem para os Estados Unidos. Lá, fizeram oito filmes e muitos espetáculos com Carmen.

Em 1939, Ivo Astolphi saiu do grupo, sendo substituído por Garoto, que permaneceria por dois anos, entrando em seu lugar Nestor Amaral. Em 1944, com a volta de Osvaldo Éboli para o Brasil, o grupo se desfaz. Curiosamente desde então, todos os músicos que se apresentavam com Carmen Miranda continuavam se auto intitulando componentes do Bando, quando na verdade já seriam os Miranda's Boys. Dentre os destaques deste período, podem ser citados Russo do Pandeiro e Fafá Lemos. Quatro ano depois o Bando foi reformulado por Aloysio de Oliveira, com dissidentes dos Anjos do Inferno. A partir daí, a ênfase maior é dada ao repertório vocal norte-americano, cantando em inglês e fazendo versões.

A dissolução final aconteceu em 1955, com a morte de Carmen Miranda.[1]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

O gaúcho Bob Lester apresentava-se como um membro do Bando da Lua, mas segundo avalia o biógrafo de Carmen Miranda, o jornalista Ruy Castro, não há o menor vestígio de que ele tenha trabalhado com Carmen ou com o conjunto.[2]

Sucessos[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira (Data desconhecida). «Bando da Lua - Dados artísticos». sítio oficial. Consultado em 2 de Dezembro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. Morre Bob Lester, sapateador que foi para os EUA com Carmen Miranda

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Flag of Brazil.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

A formação inicial do BANDO DA LUA, tinha como tocador de pandeiro, ARMENIO GONÇALVES DA SILVA, brasileiro filho de portugueses. Chegou a provar o terno rosa, todavia sua mãe viuva não permitiu sua viagem para o USA ( acompanhar CARMEN MIRANDA ), provocando seu desligamento.