Aníbal Augusto Sardinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Garoto (compositor))
Ir para: navegação, pesquisa
Garoto
Informação geral
Nome completo Aníbal Augusto Sardinha
Nascimento 28 de junho de 1915
Local de nascimento São Paulo
Data de morte 3 de maio de 1955 (39 anos)
Local de morte Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileiro
Gênero(s) Música instrumental, Choro
Instrumento(s) Violão, violão tenor, banjo, cavaquinho, guitarra elétrica
Período em atividade 1927 - 1955

Aníbal Augusto Sardinha ou Garoto (São Paulo, 28 de junho de 1915Rio de Janeiro, 3 de maio de 1955) foi um compositor e violonista brasileiro.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do casal de imigrantes portugueses Antônio Augusto Sardinha e Adosinda dos Anjos Sardinha. Além de violonista, Garoto foi um músico multi-instrumentista, dominando também o banjo, cavaquinho, bandolim, violão tenor, guitarra elétrica, havaiana, portuguesa, além de compor e fazer arranjos para estes instrumentos.

Foi um dos maiores violonistas brasileiros de todos os tempos, sendo influência para músicos do calibre de Carlos Lyra, João Gilberto, Raphael Rabello, Dino 7 Cordas, Baden Powell.

Começou a carreira bastante cedo, com apenas 11 anos de idade, o que lhe rendeu o apelido de "O Moleque do Banjo" e posteriormente Garoto. No final de 1952, a partir do programa "Música em Surdina", da Rádio Nacional, o diretor musical Paulo Tapajós formou com Fafá, Garoto e Chiquinho do Acordeom o Trio Surdina.[2] Gravou com artistas do calibre de Carmen Miranda, Dorival Caymmi, Ary Barroso.

Garoto passou a carreira entre estúdios de rádio do Rio de Janeiro e de São Paulo, e esteve por algum tempo com o Bando da Lua, nos Estados Unidos, nos anos 40. Mesmo assim, não conseguiu firmar-se lá. Vivendo sempre uma vida semifamélica, só ficou realmente famoso e conseguiu bastante dinheiro como compositor em 1954. Naquele ano, ganhou um concurso da Prefeitura de São Paulo, que queria uma música para o IV Centenário da Cidade.

A vencedora foi o seu dobrado "São Paulo Quatrocentão", sua e de Chiquinho do Acordeon. O disco vendeu centenas de milhares de cópias, atingindo a marca de 700 mil exemplares vendidos. Contudo, como instrumentista, Aníbal recebeu, como era comum na época, apenas o dinheiro pela gravação, e não pelo copyright do disco[3].

Faleceu em 1955 de ataque cardíaco quando planejava uma excursão à Europa.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • (1955) A abelha e a borboleta/João Viola • Odeon • 78
  • (1955) Valsa do adeus/Mazurka • Odeon • 78
  • (1955) Garoto revive em alta fidelidade • Odeon • LP
  • (1954) Baião paulista/Romântico • Odeon • 78
  • (1954) Sob o céu de Paris/Oh! • Odeon • 78
  • (1954) Arucaia(com Joel de almeida)/Príncipe • Odeon • 78
  • (1954) Baile da Camacha/Corridinho 1951 • Odeon • 78
  • (1954) O sino da capelinha/Polquinha sapeca • Odeon • 78
  • (1953) Xaxadinho/Cavaquinho boogie • Odeon • 78
  • (1953) Cuco/Chegou a hora • Odeon • 78
  • (1953) Luzes da ribalta/Le Lac de come • odeon • 78
  • (1953) São Paulo quatrocentão/Baião rouxinol • Odeon • 78
  • (1952) Artigo do dia/Guanabara • Odeon • 78
  • (1952) Baião caçula/Perigoso • Odeon • 78
  • (1952) Um baile em Catumbi/Sempre • Odeon • 78
  • (1952) Vamos acabar com o baile/Paulistinha dengosa • Odeon • 78
  • (1952) Kalú/Melancolie • Odeon • 78
  • (1951) Abismo de rosas/Tristeza de um violão • Odeon • 78
  • (1951) Meu coração/Triste alegria • Odeon • 78
  • (1951) Errei, sim/Famoso • Odeon • 78
  • (1950) Arranca toco/Desvairada • Odeon • 78
  • (1950) Dinorá/Beira-mar • Odeon • 78
  • (1949) 1 x 0/Língua de preto • Odeon • 78
  • (1949) Puxa-puxa/Caramelo • Continental • 78
  • (1946) Sonhador/Celestial • Continental • 78
  • (1946) Ameno Resedá/Meu cavaquinho • Continental • 78
  • (1944) Rato rato/Fala, bandolim! • Victor • 78
  • (1944) Dor de um coração/Os patinadores • Victor • 78
  • (1943) Amor-Cielito lindo/Jalousie • Victor • 78
  • (1943) Tico-tico no fubá/Carinhoso • Victor • 78
  • (1943) Un peu d'amour/Amoreuse • Victor • 78
  • (1942) Abismo de rosas/Quanto dói uma saudade • Odeon • 78
  • (1942) Maria Helena/Amoroso • Victor • 78
  • (1941) Compromisso para as dez/Ingratidão • Victor • 78
  • (1939) Dá-me tuas mãos/Música maestro por favor • Victor • 78
  • (1937) Sobre o mar/Quinze de julho • Columbia • 78
  • (1936) Moreninha/Dolente • Columbia • 78
  • (1930) Bichinho-de-queijo/Driblando • Parlaphon • 78

Referências

  1. «Garoto». dicionariompb.com.br. Consultado em 28 de dezembro de 2014 
  2. JOANNI, Edson. «Trivial do Trio Surdina». Consultado em 19 de setembro de 2010 
  3. Castro, Ruy (1991). Chega de Saudade 10º ed. Rio de Janeiro: Companhia das Letras. p. 153 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) compositor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.