Biblioteca Nacional de Angola

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para bibliotecas nacionais em geral, veja Biblioteca nacional.
Biblioteca Nacional
País  Angola
Estabelecida 1969 (48 anos)
Localização Luanda
Acervo
Tamanho 84.000 (2002)
Depósito legal Sim
Acesso e uso
População servida Aberta ao público
Outras informações
Diretor João Lourenço

A Biblioteca Nacional de Angola, localizada na capital Luanda, é a biblioteca nacional da República de Angola.

Ainda com o país sobre domínio português, a Biblioteca Nacional de Angola foi fundada em 1969 e é desde então responsável pelo sistema do depósito legal em Angola, entre outras funções como a de biblioteca pública.

História[editar | editar código-fonte]

A Biblioteca Nacional de Angola foi fundada por decreto n.º 49 448, de 27 de Dezembro de 1969 (Boletim Oficial n.º 301, I Série), instalada provisoriamente nas salas do rés-do-chão do edifício dos Serviços de Educação do Ultramar. O seu fundo era constituido por documentos provenientes do Museu de Angola, do Instituto de Investigação Científica de Angola e pelo acervo completo da Biblioteca Central de Educação. O seu primeiro diretor veio a ser o Dr. Álvaro Fernando Aleixo Peres do Carmo Vaz, empossado no dia 15 de Março de 1971 na sala de leitura da Biblioteca Ncional de Angola.[1]

Depois da independência de Angola em 1975, a Biblioteca Nacional viu aprovado seu novo estatuto legal pelo decreto n.º 41/77, de 3 de Março de 1977, publicado no Diário da República n.º 109, I Série, de 10 de Maio de 1977. O decreto define o estatuto orgânico do Conselho Nacional da Cultura que contempla, entre os órgãos executivos, o Departamento Nacional das Bibliotecas. Nas atribuições deste constam as obrigações de controlar a Biblioteca Nacional de Angola e as bibliotecas públicas, municipais e estatais, de organizar o catálogo central geral de todas as bibliotecas de Angola, de estabelecer um sistema de catalogação e de classificação único de todas as bibliotecas, de criar novas bibliotecas e de promover o gosto pela leitura, livre ou orientada. O decreto n.º 36/93, de 10 de Dezembro de 1993, publicado no Diário da República n.º 48, I Série, de 10 de Dezembro 1993, define também a Biblioteca Nacional como órgão tutelado pelo Ministério da Cultura.[1]

Em 2011, pelo decreto presidencial n.º 205/11, de 26 de Julho, a Biblioteca Nacional é definida como uma „pessoa de direito público, com personalidade jurídica, dotada de autonomia administrativa, financeira e patrimonial; tendo como objecto preservar e promover o crescimento do acervo bibliográfico nacional, assegurar o Depósito Legal das publicações, bem como realizar acções de promoção da leitura pública“. É com este diploma que a Biblioteca Nacional é dotada das competências para funcionar amplamente como agência bibliográfica nacional e entidade de organização sectorial no âmbito da documentação e informação em Angola.[2]

Em 2014, a ministra da cultura angolana, Rosa Cruz e Silva, anunciou a construção de uma nova Biblioteca Nacional em Camama, uma comuna da capital angolana.[3]

Referências

  1. a b CRISTÓVAO, Fernando (dir. e coord.). Dicionário Temático da Lusofonia. Lisboa/Luanda/Praia/Maputo; Texto Editores. 2006, p. 132,133 (ISBN 972-47-2935-4)
  2. «Angola - BIBLIOTECA NACIONAL DE ANGOLA». Biblioteca Digital Lusófona. Consultado em 2 de abril de 2016 
  3. «Angola - País terá nova Biblioteca Nacional». Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Consultado em 2 de abril de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]