Bill Mollison

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bill Mollison
Nascimento Bruce Charles Mollison
4 de maio de 1928
Stanley
Morte 24 de setembro de 2016 (88 anos)
Hobart
Cidadania Austrália
Alma mater
Ocupação biólogo, naturalista, psicólogo, agricultor, antropólogo, ecologista, ambientalista
Prêmios
Empregador Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation

Bruce Charles Mollison, mais conhecido por Bill Mollison (Tasmânia, 4 de maio de 1928 - Tasmania, 24 de setembro de 2016), foi um pesquisador, autor, cientista, professor, naturalista australiano. Em 1981, ele recebeu o prêmio Right Livelihood "por desenvolver e promover a teoria e a prática da permacultura ".

Bill Mollison em 2008

A permacultura (do termo "agricultura permanente") [1] é um sistema integrado de design ecológico e ambiental que Mollison co-desenvolveu com David Holmgren, e que juntos idealizaram como uma forma perene e sustentável de agricultura. Em 1974, Mollison começou sua colaboração com Holmgren, e em 1978 eles publicaram seu livro Permaculture One, que apresentou este sistema de design ao público em geral.

Mollison fundou o The Permaculture Institute na Tasmânia e criou o sistema educacional para treinar outras pessoas sob a égide da permacultura. [2] Este sistema de educação de "treinar o treinador", utilizado por meio da Certificação de Design em Permacultura (PDC) formal, ensinou centenas de milhares de pessoas em todo o mundo como cultivar alimentos e ser sustentável usando os princípios de design da permacultura.

Vida e trabalho[editar | editar código-fonte]

Biografia

Bruce Charles "Bill" Mollison nasceu em 1928, na vila de pescadores de Stanley, no estreito de Bass, localizada na parte noroeste da Tasmânia, Austrália. [3] Ele se mudou da Tasmânia para Tyalgum no Vale Tweed do norte de New South Wales em 1987, onde viveu pela próxima década antes de retornar à Tasmânia.[2] Ele passou seus últimos anos em Sisters Beach, no noroeste da Tasmânia.[2] Morreu em Hobart, Tasmânia, em 2016, aos 88 anos. Deixa sua quinta esposa Lisa, quatro filhas e dois filhos. [4] [5]

Carreira

Mollison deixou a escola aos 15 anos para ajudar a administrar a padaria da família. Nos dez anos seguintes trabalhou como pescador de tubarões, marinheiro, engenheiro florestal, trabalhou em moinho, caçador, armadilheiro, tratorista e naturalista.[6]

Em 1954, aos 26 anos, Mollison trabalho para a 'Wildlife Survey Section' da Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (CSIRO). Nos anos 1960, trabalhou como curador do Museu da Tasmânia. Também trabalho na Inland Fisheries Commission, onde pôde retomar seu trabalho de campo. Em 1966, entrou para a Unibersidade da Tasmânia. Após se graduar em Biogeografia, passou a lecionar e desenvolveu a unidade de Psicologia Ambiental. Aposentou-se do ensino em 1979.[7]

Desenvolvimento da permacultura

O trabalho de Mollison com o CSIRO lançou as bases para sua paixão ao longo da vida: A Permacultura. [8] Mollison disse a seu aluno Toby Hemenway que a ideia original da permacultura lhe ocorreu em 1959, enquanto observava marsupiais pastando nas florestas tropicais da Tasmânia, porque ele estava "inspirado e maravilhado com a abundância vivificante e a rica interconexão deste ecossistema . " [7] Naquele momento, Mollison anotou as seguintes palavras em seu diário: "Acredito que poderíamos construir sistemas que funcionassem tão bem como este." [7] No final da década de 1960, ele começou a desenvolver ideias sobre sistemas agrícolas estáveis na ilha da Tasmânia, no sul da Austrália. Isso resultou de suas próprias observações pessoais sobre o crescimento e o uso de métodos agrícolas industriais que ele acreditava terem degradado rapidamente o solo de seu estado nativo. [7] Em sua opinião, esses mesmos métodos representavam um perigo porque eram altamente dependentes de recursos não renováveis e, além disso, estavam envenenando a terra e a água, reduzindo a biodiversidade e removendo bilhões de toneladas de solo superficial de paisagens anteriormente férteis. [9] Escreve Mollison[7]:

Depois de muitos anos como cientista da CSIRO Wildlife Survey Section e do Tasmanian Inland Fisheries Department, comecei a protestar contra os sistemas políticos e industriais, pois vi que estavam matando a nós e ao mundo ao nosso redor. Mas logo decidi que não adiantava persistir com a oposição que, no fim, não alcançou nada. Eu me afastei da sociedade por dois anos. Não queria me opor a nada nunca mais e perder tempo. Eu queria voltar apenas com algo muito positivo, algo que permitisse a todos nós existir sem o colapso total dos sistemas biológicos.

Em 1974-75, ele e David Holmgren "desenvolveram em conjunto uma estrutura para um sistema agrícola sustentável baseado em uma multi-safra de árvores perenes, arbustos, herbáceas (verduras e ervas), fungos e sistemas de raízes", para o qual cunharam a palavra "permacultura". [10] Holmgren foi aluno da radical Escola de Design Ambiental do Tasmanian College of Environmental Education. Mollison era um tutor sênior no Departamento de Psicologia da Universidade da Tasmânia. " [11]

Originalmente pretendido como uma contração de agricultura permanente, Mollison rapidamente percebeu que era um sistema de cultura permanente, pois sem uma paisagem produtiva, uma ecologia saudável e uma economia circular, nenhuma cultura sobreviveria. A permacultura começou como um conceito positivo - aberto a novas informações - e uma prática que poderia integrar o conhecimento sobre técnicas sustentáveis e ecológicas de todas as partes do mundo.

Logo depois que a permacultura foi introduzida e posta em prática pelo público, Mollison reconheceu que os princípios da permacultura abrangiam um movimento que incluía não apenas agricultura, horticultura, arquitetura e ecologia, mas também sistemas econômicos, estratégias de acesso à terra e sistemas jurídicos para empresas e comunidades[12]:

Como vi a permacultura na década de 1970, era um conjunto benéfico de plantas e animais relacionados aos assentamentos humanos, principalmente voltado para a autossuficiência doméstica e comunitária, e talvez como um "empreendimento comercial" apenas decorrente de um excedente desse sistema. No entanto, a permacultura passou a significar mais do que apenas suficiência alimentar no lar. A autossuficiência alimentar não tem sentido, a menos que as pessoas tenham acesso à terra, informações e recursos financeiros. Portanto, nos últimos anos, passou a abranger estratégias jurídicas e financeiras apropriadas, incluindo estratégias para acesso à terra, estruturas de negócios e autofinanciamento regional. Dessa forma, é todo um sistema humano.

Ele ajudou a fundar o primeiro Instituto de Permacultura, estabelecido em 1979 para "ensinar o projeto prático do solo, da água, de plantio e sistemas jurídicos e econômicos sustentáveis para estudantes em todo o mundo." Em 1981, os primeiros formandos do curso de design de permacultura (PDC) que ele ajudou a iniciar, começaram a projetar sistemas de permacultura em suas respectivas comunidades. [13] Desse modo, a filosofia da permacultura começou a se mover além de seu contexto original em "gestão da terra" para cobrir a maioria, senão todos, os aspectos da vida humana.

Em 1987, Mollison ministrou o primeiro curso PDC oferecido na Índia .[2] Em 2011, havia mais de 300.000 graduados praticando e ensinando em todo o mundo. [14]

Bibliografia selecionada[editar | editar código-fonte]

  • Permaculture One: A Perennial Agriculture for Human Settlements, com David Holmgren. (Melbourne, Australia: Transworld Publishers, 1978) ISBN 978-0-938240-00-6
  • Permaculture Two: Practical Design for Town and Country in Permanent Agriculture (Tasmania, Australia: Tagari Publications, 1979) ISBN 9780908228003
  • Permaculture - A Designer's Manual (1988)ISBN 978-0-908228-01-0: tem sido usado extensivamente como livro texto e currículo para o curso Certificado de 72 horas em Design de Permacultura. [15]
  • Introduction to Permaculture, com Reny Mia Slay. (Tasmânia, Austrália: Tagari Publications, 1991; revisado em 1997; 2ª ed. 2011) ISBN 978-0-908228-08-9: neste livro reconheceu que sua ideia original para a permacultura havia evoluído e um movimento havia crescido, que poderia "se espalhar para cobrir todos os habitats humanos; e a palavra foi redefinida como não apenas agricultura permanente, mas também cultura permanente . "[1]
  • The Permaculture Book of Ferment and Human Nutrition (1993, Revised 2011) ISBN 978-0-908228-06-5
  • Travels in Dreams: An Autobiography (1996) ISBN 978-0-908228-11-9

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Tortorello, Michael (27 July 2011) «The Permaculture Movement Grows From Underground». The New York Times 
  2. a b c d Francis, Robyn (30 de setembro de 2016). «Bill Mollison – a giant tree has fallen in the forest of humanity». Permaculture College of Australia - Djangbung Gardens. Consultado em 10 de abril de 2021 
  3. Felix, Luis (26 de setembro de 2016). «Permaculture-design leader Bill Mollison dies». Echo Netdaily. Consultado em 10 de abril 2021 
  4. «"With deep sorrow, we wish to inform family and friends that Bruce Charles "Bill" Mollison, the "Father of Permaculture," has passed away."». The Permaculture Research Institute. 25 de setembro 2016. Consultado em 10 de abril de 2021 
  5. Dunwell, Matt (10 de outubro de 2016). «Bill Mollison obituary: Ecologist and one of the co-creators of permaculture». The Guardian. Guardian News & Media Ltd. Consultado em 10 de abril de 2021 
  6. O'Connor, Ted (26 September 2016) «'You started a quiet revolution': Tributes flow for permaculture 'father' Bill Mollison». Australian Broadcasting Corporation 
  7. a b c d e Hemenway, Toby (2009). Gaia's Garden: A Guide to Home-Scale Permaculture (2nd ed.). [S.l.]: Chelsea Green Publishing. pp. 5. ISBN 978-1603580298 
  8. Bell. Graham (26 de setembro de 2016). «Bill Mollison Obituary» (PDF). grahambell.org. Consultado em 29 de setembro 2016. Cópia arquivada (PDF) em 10 de abril de 2021 
  9. Introduction to Permaculture, 2011, Mollison, p.v
  10. Raver, Anne (13 February 2013) «Their Trip to Bountiful». The New York Times 
  11. Lillington, Ian (2007). The Holistic Life - Sustainability Through Permaculture. [S.l.]: Axiom Press. pp. 26–27. ISBN 978-1864764376 
  12. Hemenway, Toby (2009). Gaia's Garden: A Guide to Home-Scale Permaculture (2nd ed.). [S.l.]: Chelsea Green Publishing. pp. 5. ISBN 978-1603580298 
  13. Introduction to Permaculture, 2011, Mollison, p.v
  14. «Worldwide Permaculture Projects A growing list of permaculture projects worldwide». Permaculture Research Institute. 2016. Consultado em 10 de abril de 2021 
  15. Gilley, Dermot (26 de setembro de 2014). «Geoff Lawton presents: Permaculture - A Designers' Manual (Podcast)». Consultado em 10 de abril de 2021 


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Entrevistas

Outras ligações