Boi de mamão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O boi-de-mamão é uma expressiva manifestação folclórica típica do litoral do estado de Santa Catarina, Brasil[1][2]. Ocorre também em algumas cidades do interior de Santa Catarina e litoral do Paraná, trazido até lá por imigrantes catarinenses[3]. Trata-se de um auto em tom cômico, mas com um elemento central dramático: a morte e a ressurreição do boi, apresentando elementos comuns com o bumba-meu-boi nordestino[1][2].

Origens[editar | editar código-fonte]

Não há consenso entre os pesquisadores sobre qual a origem exata do boi-de-mamão, provavelmente existindo múltiplas origens e influências nessa tradição[2].

Pesquisadores como o folclorista Doralécio Soares, citando diversos argumentos (como registros históricos oficiais e semelhanças entre o enredo, cantorias, musicalidade e teatralidade) acreditam que o boi-de-mamão nasceu em Santa Catarina, mas originado do bumba-meu-boi nordestino, trazido provavelmente por imigrantes vindos da Região Nordeste[1][2][4]. De acordo com o mesmo pesquisador, o primeiro registro oficial citando o " boi-de-mamão" data de 1870, registrado pelo catarinense José Boiteux em seu livro de 1930 "Águas Passadas"[5], o qual afirma, no mesmo registro, que a brincadeira também era chamada de "bumba-meu-boi"[1][2].

Porém, muitos praticantes do boi-de-mamão em Santa Catarina acreditam que a tradição tem origem na cultura açoriana[2][4], trazida por imigrantes das Ilhas dos Açores que colonizaram Santa Catarina no século XVIII, apesar de não haver registros históricos de brincadeiras semelhantes ao "boi-de-mamão" nestas ilhas portuguesas[6]. No entanto, não há dúvidas que a cultura mantida pelos descendentes de açorianos em Santa Catarina contribuiu no desenvolvimento do boi-de-mamão, como por exemplo na estética e musicalidade. Outros pesquisadores ainda, afirmam que a cultura do boi-de-mamão chegou à Ilha de Santa Catarina com os espanhóis[6].

Fato é que brincadeiras populares, das quais o boi (vivo ou de fantasia) é o personagem principal são tradicionais em toda a Península Ibérica e datam muito antes da Idade Moderna, o que deve ter contribuído ou para criação do boi-de-mamão por imigrantes europeus em Santa Catarina ou pelo menos na assimilação do "bumba-meu-boi" nordestino pelos imigrantes ibéricos e seus descendentes no Estado[1][2].

Além de denominação antiga de "bumba-meu-boi", registrada no século XIX por José Boiteux, o "boi-de-mamão", denominação mais popular da brincandeira, também fora chamado de "boi-de-pano", "boi falso" e "boi-mamão"[1][2].

A prática na atualidade[editar | editar código-fonte]

Atualmente o boi-de-mamão é encenado por grupos consolidados ou grupos temporários, como os desenvolvidos a cada ano em várias escolas do litoral catarinense, organizados pelos professores e apresentados pelas crianças, principalmente na época das Festas Juninas e Dia do Folclore.

Entre os grupos consolidados, que mantêm história e tradição na apresentação do boi-de-Mamão, existem vários e sua atuação têm variado ao longo do tempo. Em Florianópolis, onde foi instituído por lei de 2016 o "Dia Municipal do Boi de Mamão"[7] atualmente, podemos destacar os seguintes grupos: "Alivanta Meu Boi", "Arreda Boi", "Boi de mamão da Vargem Grande", "Boi de mamão do Sambaqui", entre vários outros[8].

Personagens[editar | editar código-fonte]

Fantoche representando uma Bernunça, personagem do Boi-de-mamão

O boi-de-mamão inerentemente usa voluntários para protagonizarem o festejo, sendo que estes são postos sob as fantasias, que são feitas por uma armação de metal ou madeira e por pano. Antigamente também utilizavam carcaças de animais nas fantasias, como crânios[1]. Existem vários personagens, existindo variações porém em cada grupo de boi-de-mamão[1], mas os principais são:

  • Boi-de-mamão: figura central do folguedo, morre e renasce.
  • O proprietário do boi: geralmente chamado de Mateus, busca a ajuda de outros personagens para ressuscitar o boi.
  • Urubus ou corvos: tentam comer o boi morto, mas são espantados por outros personagens.
  • Doutor e/ou curandeiro e/ou benzedeira: ressuscitam o boi
  • Cavaleiro e seu cavalinho: enlaça o boi ressuscitado e o leva embora, retirando-o de cena.
  • Bernunça (ou benúncia) e seu filhote: uma espécie de dragão ou bicho-papão que engole tudo o que encontra pela frente. Segundo o pesquisador Nereu do Vale Pereira, tem origem em tradições ibéricas e espanholas da região da Galícia, onde existem desfiles de um monstro folclórico muito semelhante, denominado "coca"[9].
  • Maricota: mulher muita alta e geralmente loira, que rodopia e balança seus longos braços, atingindo intencionalmente o público.
  • Outros animais e figuras adicionais: variam de acordo com cada grupo de boi-de-mamão, mas geralmente também aparecem na brincadeira outros animais como bois, cabras, macacos, ursos (branco e preto), sapo, papagaios, entre outros. Também pode existir outros personagens sem ser animais, como o "Jaraguá" (com cabeça de bernunça mas corpo de humano"), entre outros.

Referências

  1. a b c d e f g h Soares, Doralécio (2002). Folclore Catarinense. Florianópolis: Editora da UFSC. 224 páginas 
  2. a b c d e f g h Gonçalves, Reonaldo Manoel (2000). «Cantadores do boi de mamão: velhos cantadores e educação popular na Ilha de Santa Catarina» (PDF). Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  3. Furlanetto, Beatriz Helena (2011). «BOI-DE-MAMÃO NO LITORAL PARANAENSE: QUE TRADIÇÃO É ESSA?» (PDF). Anais do VII Fórum de Pesquisa Científica em Arte.Curitiba, Embap. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  4. a b Da Rosa, Clemilson (2010). «História e tradição do Boi de Mamão em Santa Catarina(1970-2000)» (PDF). Trabalho de Conclusão de Curso em História pela UNESC. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  5. Boiteux, José Artur (1932). Águas Passadas. [S.l.]: Livraria Central,. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  6. a b Notícias da UFSC (Periódico online) (2010). «Pesquisador aponta novas origens para folclore do boi de mamão». Notícias da UFSC (Periódico online). Consultado em 26 de novembro de 2018 
  7. «Lei Municipal nº10.164, de 07 de dezembro de 2016». Prefeitura de Florianópolis. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  8. «Grupos Folclóricos de Boi de Mamão». Guia Floripa. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  9. «A cerca da origem da bernunça» (PDF). Boletim da Comissão Catarinense de Folclore - nº61. 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]