Branca Edmée Marques

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Branca Edmée Marques
Nascimento 14 de abril de 1899
Lisboa
Reino de Portugal Portugal
Morte 19 de julho de 1986 (87 anos)
Lisboa
Nacionalidade portuguesa
Cônjuge António da Silva e Sousa Torres
Campo(s) Química, Radioatividade

Branca Edmée Marques de Sousa Torres[1] (Lisboa, 14 de abril de 1899 — Lisboa, 19 de julho de 1986) foi uma cientista, física e química portuguesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou no Liceu Maria Pia (do 1º ao 5º ano) e no Liceu Pedro Nunes (do 6º ao 7º ano). Terminou a licenciatura em Ciências Físico-Químicas em 1926 na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e foi bolseira da Junta de Educação Nacional[2]. Partiu para França em 1931, onde fez investigação em Física nuclear no Laboratório Curie do Instituto do Rádio. No ano lectivo de 1923-24, ainda estudante, estagiou no Laboratório de Química Analítica no Instituto Superior Técnico sob orientação de Charles Lepierre.

Obteve o doutoramento em 1935, na Universidade de Paris sob orientação de Marie Curie com a tese Nouvelles recherches sur le fractionnement des sels de baryum radifère.[3] Foi-lhe concedido o grau de Docteur ès Sciences Physiques com a menção de très honorable, a mais alta classificação em provas de doutoramento em França.

No ano seguinte, em Portugal, é lhe reconhecida a equiparação deste título ao grau de doutor em Ciências físico-químicas das universidades nacionais e funda o primeiro Laboratório de Radioquímica no país, precursor do Centro de Estudos de Radioquímica da Comissão de Estudos de Energia Nuclear do qual foi directora.[3]

Acompanhando a carreira de cientista, foi professora extraordinária desde 1942, tendo prestado provas públicas para aceder ao título de professora agregada em 1949 e o lugar de professora catedrática em 1966.

Aos 65 anos tornou-se a primeira mulher a obter a cátedra química numa faculdade de ciências em Portugal[4], 12 anos depois de se ter habilitado a essa posição[5].

Toponímia[editar | editar código-fonte]

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou em 2 de setembro de 2009 a atribuição do nome "Branca Edmée Marques" a uma rua na Cidade Universitária, como forma de homenagear a cientista.[6]

Referências

  1. «Mapeamento de Mulheres Cientistas - AMONET». 2012. Consultado em 2 de Março de 2018 
  2. Ignotofsky, Rachel (2018). As Cientistas: 52 mulheres intrépidas que mudaram o mundo. Lisboa: Bertrand. pp. 54–55 
  3. a b «Branca Edmée Marques de Sousa Torres». Museu da Ciência da Universidade de Coimbra. Consultado em 8 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2016 
  4. Lopes, Quintino (2017). A JUNTA DE EDUCAÇÃO NACIONAL (1929/36) TRAÇOS DE EUROPEIZAÇÃO NA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM PORTUGAL, Universidade de Évora.
  5. Ignotofsky, Rachel (2018). As Cientistas - 52 mulheres intrépidas que mudaram o mundo. Lisboa: Bertrand. 55 páginas 
  6. «Toponímia de Lisboa / A Alameda da Universidade». Toponímia de Lisboa. 12 de novembro de 2014. Consultado em 8 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Tese de Doutoramento de Branca Edmée: Nouvelles Recherches sur le Fractionement des Sels de Baryum Radifère, 1935.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]