Calunga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Calunga, veja Calunga (desambiguação).
Kalunga
População total

5 000

Regiões com população significativa
Municípios de Cavalcante, Teresina de Goiás e Monte Alegre de Goiás, no estado de Goiás, no Brasil
Línguas
Português
Religiões
Capela do Vão do Moleque, na comunidade calunga Vão do Moleque, em Cavalcante, em Goiás, no Brasil

Calunga ou Kalunga é o nome atribuído a descendentes de escravos fugidos e libertos das minas de ouro do Brasil central que formaram comunidades autossuficientes e que viveram mais de duzentos anos isolados em regiões remotas próximas à Chapada dos Veadeiros, no atual estado de Goiás, no Brasil.[1]

Generalidades[editar | editar código-fonte]

São três as comunidades calungas: nos municípios de Cavalcante, Teresina de Goiás e Monte Alegre de Goiás.[2] A mais populosa comunidade está situada no município de Cavalcante, com pouco mais de duas mil pessoas, distribuídas nas localidades do Engenho II, Prata, Vão do Moleque e Vão das Almas, sendo esta última a mais recente a se integrar no seio do município (cerca de trinta anos).

Mais recentemente, alguns estudos têm indicado a presença de calungas também em regiões do estado do Tocantins, nos arredores de Natividade e regiões isoladas do Jalapão. Durante todo este período, houve miscigenação com índios, posseiros e fazendeiros brancos. Houve, também, forte influência cultural de padres católicos, dando lugar a uma cultura hibridizada, característica que se manifesta na alimentação e no forte sincretismo religioso da mistura do catolicismo e de ritos africanos.

Nome[editar | editar código-fonte]

Calunga ou Kalunga significa "Tudo de bom" nas línguas bantas. Significa também "necrópoles" em quicongo. Dentro do espiritismo, pode significar "grande mar", e também o nome de uma falange (grupo de seres do mundo espiritual). Nas religiões afro-brasileiras também significa "cemitério" e "Calunga Grande" significa "beira do mar". Na mitologia banta, é o nome de uma divindade secundária.[3]

Referências

  1. NEIVA, Ana Cláudia Gomes Rodrigues; et al. (12 a 17 de outubro de 2008). «Caracterização socioeconômica e cultural da comunidade quilombola Kalunga de Cavalcante» (PDF). II Simpósio Internacional Savanas Tropicais. Consultado em 5 de julho de 2011. 
  2. CÂNTIA, Aline; BOLONI, Leonardo. «Kalunga, uma remanescente de quilombo no sertão de Goiás». Rota Brasil Oeste. Consultado em 5 de julho de 2011. 
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 323.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.