Caraguatá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCaraguatá
Caraguatá com frutos
Caraguatá com frutos
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Subclasse: Commelinidae
Ordem: Poales
Família: Bromeliaceae
Subfamília: Bromelioideae
Género: Bromelia
Espécie: B. pinguin
Nome binomial
Bromelia pinguin
Linnaeus

O caraguatá (Bromelia balansae), também conhecido como gravatá, caravatá, caroá, caroatá, caruatá, caruatá-de-pau, coroá, coroatá, coroá-verdadeiro, craguatá, crauaçu, crauatá, crautá, cravatá, croá, curauá, curuá, curuatá, erva-do-gentio, erva-piteira e gragoatá, é uma planta da família Bromeliaceae.[1] Apresenta longas folhas com fortes espinhos nas bordas e de colorido vermelho-arroxeado quando em flor. As fibras contidas no fruto dessa planta servem para o preparo de roupas, cintos e bolsas. Tais fibras já foram motivo de tentativas de exploração comercial no Paraguai e na Argentina durante o século 19. [2] Os frutos, que são produzidos de março a junho, são apreciados crus, cozidos ou assados e eram importante na alimentação dos índios Bororo. Comem-se, também o rizoma, a inflorescência e o botão floral, geralmente crus ou cozidos.[3]

Quando ocupam grandes áreas, formam barreiras que servem de esconderijos para ninhos de jacarés e refúgios de cobras, tatus, porcos e tamanduás. Na medicina popular, seus frutos, fervidos, são utilizados para xaropes contra tosse, gripe e pneumonia. Geralmente, vivem no cerrado brasileiro e em matas ciliares. O xarope feito no Brasil possui um sabor distinto e delicioso sendo que popularmente se considera tóxico o abuso extremo principalmente por crianças.

Em Iucatã é usada conta a coqueluche, cozida com mentha, Melissa (género) e uma planta local do México. No final do século XVIII o botânico Vicente Cervantes dizia para usar o suco da parte carnuda do fruto maduro para fazer xarope contra o escorbuto, diabetes e embriaguez.

Esta passagem carece de fontes

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Flora do Brasil 2020». reflora.jbrj.gov.br. Consultado em 30 de maio de 2018 
  2. «Caraguatá Fibre. (Bromelia argentina, Baker.)». Bulletin of Miscellaneous Information (Royal Botanic Gardens, Kew). 1892 (69): 191–195. 1892. doi:10.2307/4102553 
  3. «Caraguatá comum - Bromelia pinguin». www.agron.com.br. Consultado em 30 de maio de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre a ordem Poales, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.