Carolina Martuscelli Bori

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carolina Martuscelli Bori
Nascimento 4 de janeiro de 1924
São Paulo
Morte 4 de outubro de 2004 (80 anos)
São Paulo
Nacionalidade  Brasileira
Orientador(es) Annita de Castilho e Marcondes Cabral
Instituições Universidade de São Paulo
Campo(s) Psicologia
Tese 1954: Experimentos de Interrupção de Tarefas e a Teoria de Motivação de Kurt Lewin

Carolina Martuscelli Bori (São Paulo, 4 de janeiro de 1924 — São Paulo, 4 de outubro de 2004) foi uma psicóloga brasileira, pesquisadora na área de psicologia experimental.

Formação[editar | editar código-fonte]

Graduou-se em Pedagogia pela Universidade de São Paulo (USP) em 1947. Especializou-se em Psicologia educacional também pela USP em 1948. Concluiu o mestrado em 1952 na New School For Social Research NSSR, Nova Iorque, Estados Unidos. Doutorou-se em psicologia pela USP em 1954, orientada por Annita de Castilho e Marcondes Cabral, com a tese Experimentos de Interrupção de Tarefas e a Teoria de Motivação de Kurt Lewin.[1] [2]

Trajetória acadêmica[editar | editar código-fonte]

Liderou várias campanhas sobre o exercício profissional do psicólogo e foi o registro numero um no conselho da categoria por ser a única mulher dentre os constituintes. Batalhou pelo currículo mínimo para a graduação e pela implantação do curso de pós-graduação em Psicologia. Presidiu e participou de inúmeras comissões para criação de cursos de Psicologia e de pós-graduação em todo o país defendendo a obrigatoriedade de uma porcentagem de disciplinas com trabalho de campo ou laboratório e solicitando auxílios às instituições de fomento.

Carolina Bori intermediava contatos com a administração da universidade para importar equipamentos em tempos difíceis. Fazia congressos com grupos de colaboradores e divulgava os princípios de análise do comportamento pelo Brasil propiciando condições para a vinda do professor Fred Keller, fato fundamental para a Psicologia no Brasil, como vemos em diversos artigos de revistas cientificas da época (Keller, Bori e Azzi, 1964; Keller, 1974; Bori, 1974; Kerbauy, 1983)[3].

Como uma das poucos doutoras em Psicologia nos anos 60 e como professora em cursos de pós-graduação, Carolina orientou mais de cem teses e dissertações em uma época na qual não havia limite no número de orientandos, dadas as condições existentes. Teve parceria de trabalho e pesquisas com Lígia Maria de Castro Marcondes Machado. Formação de pesquisadores e produção de conhecimento eram suas preocupações e sempre as via como necessidade urgente. Partia da formulação do problema para tomar decisões, buscar soluções e conseguir resultados.Traduziu livros básicos para a formação dos alunos, quando eram poucas as opções bibliográficas existentes.

O nome de Carolina está ligado a associações como a Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP), a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e, antes disso a Associação de Psicologia de São Paulo. Foi presidente de todas elas e membro atuante, mesmo que não estivesse participando diretamente da diretoria.

Participou das lutas para o desenvolvimento da Psicologia e Ciência no Brasil. Até o fim de seus dias, Carolina participou de comissões e organizações cientificas, debatendo o significado de ações e a necessidade de pontuar outras. Convivendo com cientistas de várias ciências no Conselho da SBPC, Carolina tinha uma visão sobre como a Psicologia deveria trabalhar para ganhar respeito de outras áreas do saber e auxiliar a sociedade em geral. Manteve a ênfase em pesquisa básica e aplicada e na colaboração com outras áreas de conhecimento. [4]

Prêmios, participações em sociedades e representações[editar | editar código-fonte]

Segundo a análise de Cândido e Massimi, em artigo publicado em 2012, dentre as importantes contribuições de Carolina Bori destaca-se sua luta para melhorar a formação profissional dos psicólogos no Brasil.[5]

  • Em 1969 recebeu o título de livre-docente pela USP.
  • Em 1999 recebeu o Prêmio "Fred Keller" dado pela Divisão 25 da APA

Assumiu vários cargos de presidência, dentre eles:

Obras[editar | editar código-fonte]

Artigos em periódicos[editar | editar código-fonte]

  • Bori, C. M (1953). O papel do experimentador e do sujeito na situação experimental. Boletim de Psicologia, 5, 9-17.
  • Bori, C. M. (1954). Um curso de estatística aplicada à experimentação psicológica. Ciência e Cultura, 18, 19, 20, 18 – 21.
  • Bori, C. M. (1956). Como o laboratório de psicologia estuda a expressão da personalidade. Boletim de Psicologia, 25, 26 e 27, 7-26.
  • Bori, C. M., (1964). Aparelhos e o laboratório de psicologia. Jornal Brasileiro de Psicologia, 1(1), 61-65.
  • BORI, C. M. ; ZANNON, C. M. L. C. SBP, 1972: relato do Plano Brasília por Fed S. Keller. Psicologia: Teoria e Pesquisa, São Paulo, v. 12, n.3, p. 191-192, 1996.
  • BORI, C. M. ; TODOROV, J. C. ; SOUZA, D. G. Momentary maximizing in concurrent schedules with a minimum interchangeover interval. Journal of the Experimental Analysis of Behavior, Bloomington, v. 60, n.2, p. 415-435, 1993.
  • BORI, C. M. . SBPC, ciência e tecnologia. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 41, n.3, p. 211, 1989.
  • BORI, C. M. ; DIAS, T. R. S. Proposta de um procedimento para identificar funções relativas de eventos quantitativamente diferentes. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 39, n.7 supl., p. 892, 1987.
  • Martuscelli, C. (1950). Uma pesquisa sobre aceitação de grupos nacionais, “raciais” e regionais em São Paulo. Boletim CXIX, Psicologia, 3. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras.
  • Martuscelli, C. (1955). Desenho no estudo da personalidade: a prova de desenho da figura humana. Boletim de Psicologia, 21, 22, 23 e 24, 59-62.
  • Martuscelli, C. Estudo psicológico do grupo. In: Queiroz, M. I. P., Castaldi,C., Ribeiro, E. T., Martuscelli, C. (1957) Estudos de sociologia e história. São Paulo: Ed. Anhembi, pp. 84-125.
  • Martuscelli, C. (1958). Percepção e arte. Boletim de Psicologia, 35 e 36, 101.
  • Martuscelli, C. (1959). Experimentos de interrupção de tarefas e a teoria de motivação de Kurt Lewin. Tese doutorado. Universidade de São Paulo, SP.

Livros[editar | editar código-fonte]

  • BORI, C. M. Famílias de categorias baixa e média de status social de centros urbanos: caracterização das relações formais e informais dos membros e dos papel social dos cônjuges. São Paulo: , 1969. 158p .
  • BORI, C. M. Experimentos de interrupção de tarefa e a teoria de motivação de Kurt Lewin. São Paulo: , 1959. 174p

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Doutora Honoris Causa Carolina Martuscelli Bori (1924-2004) Acessado em 05 de fevereiro de 2013
  2. Biografia Acessado em 5 de fevereiro de 2013
  3. «Centro de Memória - Instituto de Psicologia |». citrus.uspnet.usp.br. Consultado em 11 de dezembro de 2016 
  4. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1517-55452004000200002&script=sci_arttext Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva versão ISSN 1517-5545 Rev. bras. ter. comport. cogn. vol.6 no.2 São Paulo dez. 2004 A presença de Carolina Martuscelli Bori na psicologia1 The presence of Carolina Martuscelli Bori in Psychology Rachel Rodrigues Kerbauy Universidade de São Paulo http://citrus.uspnet.usp.br/centrodememoriaip/?q=node/545 Ab'Saber, A. N. (1998). Carolina Bori: a essência de um perfil. Psicologia USP, São Paulo, 9(1), 35-36. doi: 10.1590/S0103-65641998000100004 Ades, César. (1998). Lembranças a Respeito de Carolina:1968.Psicologia USP, São Paulo, 9(1). Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S0103-65641998000100010
  5. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932012000500018&script=sci_arttext Acessado em 16 de fevereiro de 2013
  6. Carolina SBPC Bori Acessado em 5 de fevereiro de 2013
  7. Carolina Bori Acessado em 5 de fevereiro de 2013