Catedral São Sebastião (Leopoldina)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Catedral São Sebastião
Catedral de Leopoldina, Minas Gerais
Estilo dominante Românico
Arquiteto Luiz Dantas Castilho
Construção 1927 - 1965
Diocese Diocese de Leopoldina
Bispo José Eudes Campos do Nascimento
Padre Antônio David Martins
Geografia
País  Brasil
Cidade Leopoldina, MG

A Catedral São Sebastião é um templo católico localizado em Leopoldina, no estado brasileiro de Minas Gerais. Consagrada a São Sebastião, é também a sede episcopal da Diocese de Leopoldina.

Está situada na praça Dom Helvécio, bairro Catedral, onde sedia uma paróquia que possui 3 capelas a ela subordinadas: Capela São Pedro, Capela Nossa Senhora da Imaculada Conceição e Capela Nossa Senhora do Carmo[1].

História[editar | editar código-fonte]

A paróquia de São Sebastião foi criada em 27 de abril de 1854[1], quando da elevação do distrito de São Sebastião do Feijão Cru à condição de freguesia pela mesma lei que criou o município de Leopoldina[2]. Quando foi criada, a paróquia era subordinada à então Diocese do Rio de Janeiro. Em 16 de julho de 1897, por decreto do papa Leão XIII, passou a se subordinar à então Diocese de Mariana[3][4].

Nas proximidades do atual templo, erguia-se a antiga matriz de São Sebastião[5], construída no século XIX. Em 27 de abril de 1926, foi nomeada por Dom Helvécio, arcebispo de Mariana, a comissão responsável pela construção do novo templo. A antiga matriz foi demolida em 1927. Em 12 de março de 1928 deu-se a bênção da pedra fundamental do novo templo, projetado pelo arquiteto Luiz Dantas Castilho, da Escola Nacional de Belas Artes, e executado pelo engenheiro Ormeo Junqueira Botelho. Em 28 de março de 1942, com a criação da Diocese de Leopoldina, a matriz foi elevada à condição de catedral, mas sua construção foi concluída apenas em 1965. No local da antiga matriz, foi erguida em 1946 uma estátua de Nossa Senhora da Paz, uma iniciativa de Dom Delfim Ribeiro Guedes, primeiro bispo da Diocese de Leopoldina, em agradecimento pelo término da II Guerra Mundial.[6][7]

A última obra realizada na catedral foi a construção da cripta para sepultamento dos bispos, ocorrida em 2006[7].

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

A planta do templo, de estilo românico, tem o formato de uma cruz latina. Apresenta uma torre de 50 metros de altura na fachada, bem como uma cúpula situada sobre o transepto. Abaixo da torre e acima do portal da entrada principal, há duas rosáceas voltadas para o coro. No interior, as arcadas separam a nave central das naves laterais. A sacristia situa-se atrás do altar. Os vitrais que ornamentam o templo constituem 65 painéis, formados por 482 peças, com ilustrações religiosas. A escadaria que dá acesso à entrada principal possui 140 degraus.[6][7]

Referências

  1. a b Diocese de Leopoldina. «Lista de paróquias». Consultado em 27 de março de 2011 
  2. Centro de Estudos e Pesquisas Sertões de Leste (CEPESLE). «São Sebastião do Feijão Cru - Vila: 1854». Consultado em 27 de março de 2011 
  3. Cantoni. «Alguns acontecimentos no povoado do Feijão Cru». Consultado em 27 de março de 2011 
  4. Cantoni. «Disputa de limites entre Rio de Janeiro e Minas Gerais». Consultado em 27 de março de 2011 
  5. Cantoni. «Catedral de São Sebastião». Consultado em 28 de novembro de 2010 
  6. a b Escola de Arquitetura da UFMG / Prefeitura de Leopoldina. «Plano Diretor Participativo de Leopoldina» (PDF). Consultado em 26 de fevereiro de 2014 
  7. a b c Jussara Fernandes Reis. «Em direção aos céus: a construção da Catedral de São Sebastião e a instalação da Diocese em Leopoldina, MG» (PDF). Associação Nacional de História. Consultado em 26 de fevereiro de 2014