Carlos Brandon, 1.º Duque de Suffolk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Carlos Brandon
Pintura atribuída a Jan Gossaert, c. 1516.
Duque de Suffolk
Reinado 1514 - 1545
Visconde Lisle
Reinado 1513 - 1523
Cônjuges Margarida Neville
Ana Browne
Maria Tudor
Catarina Willoughby
Pai Sir Guilherme Brandon
Mãe Isabel Bruyn
Nascimento 1484
Morte 24 de agosto de 1545 (61 anos)
Guildford, Surrey, Inglaterra
Enterro Capela de São Jorge, Castelo de Windsor
Ocupação Lorde presidente do Conselho

Carlos Brandon, Duque de Suffolk KG (em inglês: Charles; c. 1484Guildford, 24 de agosto de 1545) era o terceiro filho do Sir Guilherme Brandon e de Isabel Bruyn, sendo o primeiro Duque de Suffolk. O seu pai foi um apoiante do rei Henrique VII de Inglaterra e morreu nas mãos de Ricardo III na batalha de Bosworth Field.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Carlos foi educado na corte do rei Henrique VII e tornou-se o melhor amigo do futuro rei Henrique VIII.

Foi primeiramente casado com Margarida Neville, também chamada de Margarida Mortimer, pois era viúva de Sir João Mortimer, cuja união foi anulada. Depois foi marido de Ana Browne, que morreu em 1511, desconhecendo-se a causa da morte, tendo duas filhas:

  • Ana Brandon (? – 1557)
  • Maria Brandon (? – c. 1542)

Casamento com Maria Tudor[editar | editar código-fonte]

Carlos exerceu vários cargos na realeza e destacou-se na campanha da França, em 1513. Ele tinha uma forte ligação com Maria, irmã do Rei Henrique VIII. Brandon foi a França negociar o retorno de Maria a mando do Rei, esta que estava viúva do Rei Luís XII da França, que morreu no ano novo de 1515. Chegando a França em 27 de fevereiro, encontrou-se com o Rei Francisco I e se casou secretamente com Maria Tudor em 3 de março de 1515, em Paris. Para evitar dificuldades políticas envolvendo o casamento, pois Henrique estava interessado em possuir o ouro e as jóias que Luís havia prometido a Maria antes da sua morte, deixou bem claro que só sancionaria o casamento se pudesse obtê-las.

Suffolk escreveu para o cardeal Wolsey, este intermediou o negócio, e o casal pode casar-se publicamente alguns meses depois, no palácio de Greenwich, em 13 de maio. Maria e Suffolk tiveram três filhos:

Alto comissário e falecimento[editar | editar código-fonte]

Suffolk apoiou o divórcio de Catarina de Aragão, apoiou Tomás Wolsey, arcebispo de Iorque e, após a desgraça deste, a sua influência cresceu rapidamente a ponto de exercer o cargo de Alto Comissário na coroação de Ana Bolena.

Com a morte da sua esposa Maria, casou-se com Catarina Willoughby, de 14 anos, filha de Lord Willoughby e de uma dama de honra de Catarina de Aragão. Teve dois filhos:

Charles Suffolk morreu em 1545, um ano após comandar o exército inglês na invasão da França. Ele está sepultado na Capela de São Jorge (Castelo de Windsor).


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Carlos Brandon, 1.º Duque de Suffolk