Chilly-Mazarin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Chilly-Mazarin
  Comuna francesa França  
O hôtel de ville.
O hôtel de ville.
Símbolos
Brasão de armas de Chilly-Mazarin
Brasão de armas
Gentílico Chiroquois
Localização
Chilly-Mazarin está localizado em: França
Chilly-Mazarin
Localização de Chilly-Mazarin na França
Coordenadas 48° 42' 09" N 2° 18' 45" E
País  França
Região Blason France moderne.svg Ilha de França
Departamento Blason département fr Essonne.svg Essona
Administração
Prefeito Jean-Paul Beneytou
Características geográficas
Área total 5,57 km²
População total (2010) [1] 18 484 hab.
Densidade 3 318,5 hab./km²
Altitude máxima 101 m
Altitude mínima 42 m
Código Postal 91380
Código INSEE 91161
ville-chilly-mazarin.fr

Chilly-Mazarin é uma comuna francesa , localizado dezoito quilômetros ao sul-oeste de Paris, no departamento de Essonne na região da Ilha de França. É a principal cidade do cantão de Chilly-Mazarin.

Seus habitantes são chamados de Chiroquois.[2].

Toponímia[editar | editar código-fonte]

Cailliacum em 1110[3], Calliacum em 1187[3], Chilliacum[3], Challiacum no século XIII[3], Chailliacum em 1300[3], Chaliacum em 1458, Chailly em 1632, Challi[3], Chilly em 1711.

A origem do nome do lugar vem da palavra gaulesa Cail significando "floresta" ou pré-indo-europeu Kal significando "pedra". Ela foi criada sob o nome Chilly em 1711, a referência à família de Mazarin foi adicionada em 1822[4].

História[editar | editar código-fonte]

As origens[editar | editar código-fonte]

A descoberta no território de uma ponta de flecha, pás e lâminas do neolítico e da sepultura de uma mulher testemunham a ocupação do local nesta época. Durante o período galo-romano no século III sob o reinado de Septímio Severo, as fontes foram captadas para alimentar Lutécia em água[4].

Vila agrícola e senhores prestigiosos[editar | editar código-fonte]

Mapa da região de Chilly no século XVII por Cassini.

No século VIII, a população local partilhava sua atividade entre a viticultura e o cultivo do trigo. No século XII, a vila chamada Chailly já dispunha de uma igreja e um moinho.

Entre 1108 e 1148, as terras vitícolas foram desligadas do domínio real e cedidas por Luís VI para o mosteiro de Longpont[4].

Mais tarde, o campo passou de volta aos condes de Dreux, que construíram um primeiro castelo e o priorado de Val-Saint-Éloi. Através de uma série de casamentos e sucessões, tudo pertencia aos duques da Bretanha e à casa de Anjou, a paróquia dependente do decanato de Montlhéry. Durante o século XIV, a vila conheceu a jacquerie[4].

Em 1624, Antoine Coëffier de Ruzé de Effiat se tornou vitorioso em sua missão de embaixador em Londres para negociar o casamento de Henriqueta da França e Carlos I de Inglaterra foi condecorado com a Ordem do Espírito Santo e recebeu as terras de Chailly, também escrito Cliavilly, Longjumeau e Balizy, para a ocasião reuniram em um só marquesado e mudou o nome do burgo para Chilly. Ele obteve de Luís XIII o direito de usar as águas do aqueduto de Lutécia para alimentar os pedaços de água do parque do castelo, ele adiciona dois moinhos de jardim servindo de guarda[5]. Em 17 de setembro de 1613 Luís XIII veio para ouvir a missa na igreja Saint-Étienne. Em 1626, o campanário foi reconstruído e em 1628 o cemitério adjacente foi transferido[6]. Em 1630, ele entregou a Robert Godefroy o domínio de Bel Abord, onde é construído um castelo[7]. Em 1642, o marechal de Effiat construiu a primeira escola da comuna[8]. Em 1661, seu neto Armand de La Meilleraye se casou com Hortense Mancini, sobrinha do cardeal Mazarin que lhe autorizou a portar o seu nome[4].

Em 1771, Luísa d'Aumont se casou com o príncipe Honorato IV de Mônaco e trouxe-lhe o título de marquês de Chilly e duque de Mazarin[9].

Mutação e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

A partir do século XVIII, a atividade de elaboração dos vinhos e moagem declinou. Em 1804, Luísa d'Aumont vendeu o castelo de Chilly para o empresário Louis-Joseph Lecocq que ordenou a destruição em 1822 das duas alas laterais antes de vender o domínio em parcelas[10]. Em 1856, a comuna construiu no local da antiga escola uma nova prefeitura-escola. Em 1870 durante a guerra franco-prussiana, o edifício serviu de enfermaria ao ocupante[8]. A chegada em 1883 da linha da Grande Ceinture e em 1893 da linha do Arpajonnais que ligou diretamente a comuna às halles de Paris modificou seu destino, o burgo passou de uma função alimentadora no início do século XX para um papel de acolhedor dos novos franciliens, multiplicando por três sua população entre 1921 e 1926.

Cidades geminadas[editar | editar código-fonte]

Chilly-Mazarin desenvolveu associações de geminação com :

Patrimônio[editar | editar código-fonte]

Patrimônio ambiental[editar | editar código-fonte]

Parc des Champs Foux.

Há vários parques e jardins dispersos no território, incluindo o parc de l'hôtel de ville a oeste, o parc des Champs Foux a leste, o espaço Rol Tanguy e o bois de Saint-Eloi ao sul. A comuna foi recompensada com três flores no Concurso das cidades e aldeias floridas[13]. O bois Saint-Éloi na beira do rio foi classificado "Espaço natural sensível" pelo conselho geral de Essonne[14].

Patrimônio arquitetônico[editar | editar código-fonte]

A igreja Saint-Étienne do século XII foi classificada nos monumentos históricos em 12 de abril de 1923 e inscrita em 17 de junho de 1987[15]. O château de Chilly-Mazarin do século XVII foi inscrito nos monumentos históricos em 10 de maio de 1926 e 29 de março de 1929 e classificados em 4 de agosto de 1953[16], hoje abriga a prefeitura.O château de Bel Abord do século XVII foi listado como monumento histórico em 28 de dezembro de 1984[17].Dois portões do século XVII na avenue Mazarin, também são classificados desde a mesma data[18] · [19].

Personalidades ligadas à comuna[editar | editar código-fonte]

Antoine Coëffier de Ruzé de Effiat.

Várias figuras públicas, nasceram, morreram ou viveram em Chilly-Mazarin:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Populations légales des communes en vigueur au 1er janvier 2013». www.insee.fr (em francês). INSEE. Dezembro de 2012. Consultado em 3 de abril de 2013 
  2. Gentilé sur le site habitants.fr Consultado em 02/04/2009.
  3. a b c d e f Hippolyte Cocheris, Anciens noms des communes de Seine-et-Oise, 1874, ouvrage mis en ligne par le Corpus Etampois.
  4. a b c d e « Chilly-Mazarin » Arquivado em 3 de novembro de 2013, no Wayback Machine., sur Topic Topos (consultado em 25 de abril de 2016).
  5. Fiche du regard de l’Aqueduc sur le site topic-topos.com Arquivado em 22 de dezembro de 2009, no Wayback Machine. Consultado em 04/04/2010.
  6. Fiche de l’église Saint-Étienne sur le site topic-topos.com Arquivado em 5 de março de 2010, no Wayback Machine. Consultado em 04/04/2010.
  7. Fiche du porche du château de Bel Abord sur le site topic-topos.com Arquivado em 6 de maio de 2016, no Wayback Machine. Consultado em 04/04/2010.
  8. a b Fiche de l’école de garçons de Chilly sur le site topic-topos.com Arquivado em 22 de março de 2017, no Wayback Machine. Consultado em 04/04/2010.
  9. «Histoire de la commune sur son site officiel.». Consultado em 29 de novembro de 2016. Arquivado do original em 27 de março de 2010 
  10. Fiche du château de Chilly sur le site topic-topos.com Arquivado em 9 de abril de 2009, no Wayback Machine. Consultado em 04/04/2010.
  11. Fiche du jumelage avec Carlet sur le site du ministère français des Affaires étrangères.[ligação inativa]
  12. Fiche du jumelage avec Diema sur le site du ministère français des Affaires étrangères.
  13. [Palmarès départemental des villes et villages fleuris sur le site officiel de l’association.
  14. Carte des espaces naturels sensibles de Chilly-Mazarin sur le site du conseil général de l’Essonne.[ligação inativa]
  15. « Notice  PA00087858 », base Mérimée, [[Ministério da Cultura (França)|]].
  16. « Notice nº PA00087857 », base Mérimée, [[Ministério da Cultura (França)|]].
  17. « Notice  PA00087859 », base Mérimée, [[Ministério da Cultura (França)|]].
  18. « Notice  PA00087860 », base Mérimée, [[Ministério da Cultura (França)|]].
  19. « Notice  PA00087861 », base Mérimée, Ministério da Cultura (França).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]