Ciméria (poema)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Ciméria é um poema de autoria de Robert E. Howard sobre o país fictício chamado Ciméria, criado pelo autor como parte de seu mundo hiboriano (outra criação sua), onde vive uma de suas personagens mais famosas, Conan o Bárbaro.

No poema, a Ciméria é descrita como "terra de trevas e de noites profundas", um local melancólico com florestas negras, silêncio sombrio e um céu turvo e de aspecto plúmbeo.

De acordo com Howard, o poema foi "escrito em Mission, no Texas, em fevereiro de 1932; sugerido por memórias da região montanhosa acima de Fredricksburg, vista em meio às brumas das chuvas de inverno". O poema foi publicado em The Coming of Conan the Cimmerian, em 2003.

Ciméria[editar | editar código-fonte]

"Eu me lembro.
A floresta negra cobrindo as colinas sombrias;
As nuvens cor-de-chumbo, eternamente no céu;
Os riachos escuros que fluíam em silêncio,
E as brisas solitárias que cantavam pelos bosques.
Colina após colina, encosta após encosta;
Enegrecidas por árvores tristes assim era a minha terra,
Lá, quando alguém alcança um pico rugoso
Seus olhos contemplavam apenas a interminável paisagem,
Colina após colina, encosta após encosta,
Sempre forradas por densa folhagem.
Terra fria e tenebrosa
Ela parecia reunir todos os ventos e nuvens para esconder o sol,
Por trás de seus galhos, balançando ao sabor do vento,
Em meio às florestas que engolia o dia,
E transformavam os homens em nada mais do que sombras.
Seus filhos a chamavam de Ciméria, terra de trevas e noite eterna.
Foi tudo há tanto tempo, que nem mais me recordo o nome pelo qual me chamavam.
As caçadas e as guerras já não passam de um sonho,
Que aos poucos os anos apagaram.
Lembro me apenas da quietude de suas matas,
Das nuvens cinzentas coroando colinas,
E de seu nome...
Ciméria, terra de trevas e noite eterna."