Cinturão da ferrugem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Rust Belt, a vermelho no mapa

O cinturão da ferrugem (Rust Belt, em inglês), conhecido até os anos 1970 como cinturão da indústria (Manufacturing Belt em inglês), é uma região dos Estados Unidos que abrange estados do nordeste, dos Grandes Lagos e do meio-oeste.

Origem da expressão[editar | editar código-fonte]

A expressão Rust Belt ganhou popularidade nos Estados Unidos na década de 1980 em razão do declínio econômico, populacional e da decadência urbana que atingiram essa outrora poderosa região industrial, cuja economia baseava-se principalmente na indústria pesada. [1]

População das cidades do Rust Belt 2000–2015
Cidade Variação População 2015 [2] População 2000
Detroit, Michigan −28.8% 677,116 951,270
Gary, Indiana −24.9% 77,156 102,746
Flint, Michigan −21.3% 98,310 124,943
Youngstown, Ohio −21.2% 64,628 82,026
Saginaw, Michigan −20.1% 49,347 61,799
Cleveland, Ohio −18.9% 388,072 478,403
Dayton, Ohio −15.4% 140,599 166,179
Niagara Falls, Nova York −12.0% 48,916 55,593
Buffalo, New York −11.9% 258,071 292,648
Canton, Ohio −11.0% 71,885 80,806
Toledo, Ohio −10.8% 279,789 313,619
Lakewood, Ohio −10.6% 50,656 56,646
Decatur, Illinois −10.5% 73,254 81,860
Cincinnati, Ohio −9.9% 298,550 331,285
Pontiac, Michigan −9.7% 59,917 66,337
St. Louis, Missouri −9.3% 315,685 348,189
Akron, Ohio −9.0% 197,542 217,074
Pittsburgh, Pennsylvania −9.0% 304,391 334,563
Springfield, Ohio −8.7% 59,680 65,358
Lorain, Ohio −7.3% 63,647 68,652
Charleston, Virgínia Ocidental −6.9% 49,736 53,421
Parma, Ohio −6.7% 79,937 85,655
Chicago, Illinois −6.1% 2,720,546 2,896,016
South Bend, Indiana −5.8% 101,516 107,789


Trata-se da área de industrialização mais antiga e extensa dos Estados Unidos. Lá instalaram-se quase todos os tipos de indústrias, embora se destacassem os ramos siderúrgico, mecânico, metalúrgico (automobilístico), petroquímico, alimentício e têxtil. Essas indústrias concentraram-se na região sobretudo em razão das fontes de matéria-prima, situadas em torno dos Grandes Lagos e dos Montes Apalaches, e da proximidade com o oceano Atlântico, que facilitava as trocas comerciais.

A indústria dos Estados Unidos aglomerou-se em torno das principais fontes de matéria prima, sobretudo o carvão mineral, que fomentou principalmente a siderurgia e metalurgia, que logo dariam origem às indústrias de bens de consumo duráveis, tais como a automobilística, em Detroit. Tal aglomeração industrial foi chamada Manufacturing Belt e era considerada como o coração industrial da América até entrar em decadência, tornando-se o atual Rust Belt.

A desindustrialização na região começa em meados do século XX, em razão de vários fatores econômicos, tais como a competição de potências reindustrializadas no pós-guerra (Japão, Alemanha etc.), a transferência de fábricas para o oeste do país, o aumento da automação, o declínio das indústrias siderúrgicas e de carvão dos Estados Unidos, as políticas neoliberais implementadas entre o final dos anos 1970 e o início dos anos 1980, os acordos de livre comércio, tais como o NAFTA, a adesão à Organização Mundial do Comércio, a globalização e a terceirização de atividades (e empregos) fora dos EUA.[3][4]

Referências

  1. Crandall, Robert W. The Continuing Decline of Manufacturing in the Rust Belt. Washington, D.C.: Brookings Institution, 1993.
  2. «Annual Estimates of the Resident Population for Incorporated Places: April 1, 2010 to July 1, 2015». Consultado em July 2, 2016. 
  3. Rust Belt (em inglês)
  4. Technology and Steel Industry Competitiveness: Chapter 4. "The Domestic Steel Industries Competitiveness Problems". Washington, D.C: Congress of the United States, Office of Technology Assessment, 1980, pp. 115-151.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • American Steel, Richard Preston (1991), Prentice Hall. ISBN 0-13-029604-X
  • Images of the Rust Belt, James Jeffery Higgins (1999), Kent State University Press. ISBN 0-87338-626-4
  • Industrial Sunset, Steven High (2003), University of Toronto Press. ISBN 0-8020-8528-8
  • People and folks: gangs, crime, and the underclass in a rust-belt city, John Hagedorn and Perry Macon (1988), Lake View Press. ISBN 0-941702-21-9
  • Reorganizing the Rust Belt, Steven Henry Lopez (2004), University of California Press. ISBN 0-520-23565-7
  • Revival in the rust belt, Daniel R. Denison and Stuart L. Hill (1987), University of Michigan Press. ISBN 0-87944-322-7.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]




Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.