Cizre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Distritos de Şırnak

Cizre (em curdo: Cizîr, em siríac: Gziro, em árabe Jazirat ibn Úmar que em turco é Cezire-e Ibn Ömer) é uma cidade da província de Şırnak ao sudeste da Turquia, povoada maioritariamente por curdos e assírios, à orla do Tigris que forma a fronteira entre Síria e Turquia ao lugar onde a distancia entre Tigre e Eufrates é mais grande e inicialmente, com um canal, formava uma ilha o que produziu o seu nome de Djazirat Ibn Umar de época muçulmana; devido à bastante da água, o canal substituiu à cama do rio que se secou). Tem uma estação de fronteira. Uma antiga via romana vai entre a cidade e Nisibin e Mardin. A antiga muralha tinha três trazes, e uma parte ainda se conserva mas restaurada. O castelo dos emirs curdos de Cizre encontra-se ao norte da cidade. O emir Badr a o-Din Lulu construiu uma mesquita ao século xiii que substituiu à antiga grande mesquita. As ruínas de uma ponte com um arco único de 28 metros, são a poucos quilómetros ao sul.

A cidade tinha 9560 habitantes o 1890, mas perdeu grande parte dos seus habitantes ao começo do século xx pelas matanças de arménios e assírios, e o 1940 só eram 5575. Subiu a 6473 o 1960; começou a crescer na década oitenta e em 2000 chegou a 84.752 habitantes.

Segundo uma tradição foi fundada para Haçane ibne Omar e Catabe Taglibi (morto verso 865) mas outra o atribui a Ardashir Babakan. O nome arâmeu da cidade era Djazarta de Kardu ainda mencionado aos textos cristãos aos séculos XVI e XVII. Poderia ser a antiga Bazabda onde Alexandre o Grande cruzou o Tigre.

A cidade dependia de Moçul ao século x; vai estar no século xi em poder dos maruânidas; em 1102 foi governada por Xemece Aldaulá Jacarmixe, antigo mameluco do seljúcida Malique Xá I; ao século xii estava em mãos dos zengidas que em 1146 nomearam Izz a o-Din Abu Baquir a o-Dubaysi como governador; em 1158 estava em mãos dos curdos Bashnawi quando foi conquistada por Cutabe Adim Maudude ibne Zengi; o seu período mais importante foi a do século xiii quando foi governada por duas famílias de sábios e religiosos, os Banu Alatir e os Banu Abdal Carim Jazari.

Ao século xvi foi objecto de disputa entre safávides e otomanos e os curdos locais pediram a protecção otomana em troca de conservar uma grande independência, sob a direcção da dinastia dos Hamidiyya. Com Sayyid Ahmad, que governava em 1535, dominou inclusive Mossul. Recebeu numerosos fugitius cristãos de Irbil em 1566. A cidade restou autónoma até ao século xix que se impuseram à região em 1833 e à cidade o 1836, e aconteceu cabeceira de um kada.

Nascidos ilustres[editar | editar código-fonte]

  • Tahir Elçi

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • B. Nikitine, As curdos te le Kurdistan, 1956