Cneu Cornélio Lêntulo Marcelino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Cneu Cornélio Lêntulo.
Cneu Cornélio Lêntulo Marcelino
Cônsul da República Romana
Consulado 56 a.C.

Cneu Cornélio Lêntulo Marcelino (em latim: Gnaeus Cornelius Lentulus Marcellinus) foi um político da família dos Lêntulos da gente Cornélia da República Romana eleito cônsul em 56 a.C. com Lúcio Márcio Filipo.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Denário da série de Lêntulo Marcelino
Busto diademado do "Gênio do Povo Romano" com um cetro sobre o ombro; inscrição G•P•R acima. Inscrição EX SC dividido ao meio por um cetro, um globo e um remo; inscrição CN•LEN•Q abaixo.
Æ Denário de prata (4.11 gm)

Participou, ainda muito jovem, da acusação contra Caio Verres (70 a.C.).[1] Em 61 a.C., aparece novamente nas fontes apoiando um parente, Lúcio Cornélio Lêntulo Crus, em sua acusação contra Públio Clódio Pulcro, por sua violação aos mistérios da Bona Dea. Foi depois pretor, em 59 a.C., e presidiu o julgamento contra Caio Antônio Híbrida, o colega de consulado de Cícero.[2]

No ano seguinte, foi governador, como propretor, da província da Síria durante quase dois anos e combateu as vizinhas tribos árabes.[3]

Consulado[editar | editar código-fonte]

Em 57 a.C., já estava em Roma e se apresentou como candidato às eleições ao consulado, cargo que exerceu em 56 a.C. com Lúcio Márcio Filipo. No final do ano, destacou-se por favorecer o regresso do exílio de Cícero e, depois de seu retorno, ajudou-o a recuperar sua casa e suas propriedades, que haviam sido confiscadas.[4] Durante seu mandato, Marcelo se opôs fortemente à violenta facção de Clódio Pulcro e do tribuno da plebe Marco Pórcio Catão; por esta conduta, foi chamado por Cícero de um dos melhores cônsules que ele já havia visto.[5] Também procurou limitar a influência de Pompeu, impedindo-o de seguir para o Egito para tentar restaurar Ptolemeu XII Auletes no trono e, aparentemente, foi esta atitude que convenceu definitivamente Pompeu a participar do Concílio de Lucca com os demais triúnviros.[6][7]

Pouco se diz sobre Marcelino depois de seu mandato e não se sabe quando morreu. Cícero elogiou sua eloquência, revelada especialmente no período de seu consulado.[8] Ocupou o ofício de septênviro em um dos colégios sacerdotais de Roma, o dos epulões.[9]

Família[editar | editar código-fonte]

Era filho de Públio Cornélio Lêntulo Marcelino,[10] um membro da gente Cláudia que foi adotado pela gente Cornélia, e de Cornélia, filha de Públio Cornélio Cipião Násica Serapião, cônsul em 111 a.C.. De seu primeiro casamento teve um filho, Lêntulo Marcelino, um questor deixado por Júlio César no comando da fortaleza de Dirráquio em 48 a.C. e morto antes de 47 a.C..

De um segundo casamento, com Escribônia, vinte anos mais jovem, teve um segundo filho, Cornélio Marcelino, que provavelmente morreu muito jovem. Escribônia casou-se depois com Públio Cornélio Cipião Salvito, com quem teve dois filhos, Públio Cornélio Cipião e Cornélia Cipião. Ela finalmente casou-se com Otaviano, o primeiro imperador romano conhecido como Augusto, e foi mãe de sua única filha conhecida, Júlia, a Maior.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul da República Romana
SPQR.svg
Precedido por:
'Públio Cornélio Lêntulo Espínter

com Quinto Cecílio Metelo Nepos

Cneu Cornélio Lêntulo Marcelino
56 a.C.

com Lúcio Márcio Filipo

Sucedido por:
'Marco Licínio Crasso II

com Cneu Pompeu Magno II


Referências

  1. Cícero, Divinatio in Caecilium 4; in Verrem II 42.
  2. Cícero, in Vatin. 11; Orell. Onom. Tull. p. 177
  3. Apiano, De rebus Syriacis 51.
  4. Cícero, Epistulae ad Atticum IV 2, 3; Epistulae ad Quintum Fratrem II 1; De Haruspicum Responsis I 7.
  5. Cícero, Epistulae ad Quintum Fratrem II 6.
  6. Cícero, Epistulae ad Familiares I 1, 2; Epistulae ad Familiares II 6.
  7. Dião Cássio, História Romana XXXIX 16, 18.
  8. Cícero, Brutus 70.
  9. Cícero, De Haruspicum Responsis 10.
  10. Dião Cássio, História Romana XXXIX.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Broughton, T. Robert S. (1952). The Magistrates of the Roman Republic. Volume II, 99 B.C. - 31 B.C. (em inglês). Nova Iorque: The American Philological Association. 578 páginas 
  • Fantham, Elaine, Julia Augusti, Routledge
  • Schied, J, Scribonia Caesaris et les Cornelii Lentuli, Bulletin de Correspondence Helléenigue 100: 185-201.
  • Syme, R., The Roman Revolution, Oxford
  • Karl-Ludwig Elvers: [I 52] C. Lentulus Marcellinus, Cn. In: Der Neue Pauly. Bd. 3, 1997, Sp. 175.
  • Este artigo contém texto do Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology (em domínio público), de William Smith (1870).