Constantino, o Africano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa. Foi sugerido que adicione esta.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Constantino examina urina dos seus pacientes

Constantino o Africano, (Cartago, 1020Montecassino, Itália, 1087) dedicou-se ao comércio das drogas orientais com Salerno e, ao observar a ausência de textos médicos, regressou por três anos ao Norte de África, onde recolheu diversos manuscritos árabes de medicina levando-os para Salerno em 1065. As traduções realizadas por Constantino foram de grande interesse, pois com elas entraram em Salerno novas vertentes do saber médico. Pouco depois cristianizou-se com a recomendação do arcebispo Alfano e ingressou na comunidade beneditina de Montecassino, onde permaneceu até à sua morte.

Realizações[editar | editar código-fonte]

Na qualidade de irmão leigo, traduziu várias obras médicas importantes do árabe para o latim, num total de cerca de três dezenas de textos, alguns terminados pelo seu discípulo Joanes Afflacius. Constantino era fluente em árabe, persa e grego e encorajou os seus alunos a traduzir para latim tudo o que lhes chegasse às mãos. Entre os textos traduzidos, Kitab al-Malaki, de Ali Abbas, Zād al mussāfir wa tuhfatu elqādim (Viaticum), de ibn al-Gazzar, Libri universalium et particularium diaeterum, Liber de urinis e o Liber febrium, de Ishaq al-Israili ou Isaac Iudaeus, Isagoge, de Hunayn ibn Ishaq, Aforismos, de Hipócrates, De coitu, de Alexandre de Trales. Constantino influenciou portanto o mundo médico europeu, uma vez que em vez de meros fragmentos dos conhecimentos clássicos surgiram sistematicamente obras completas de sabedoria.

Os tratados de Constantino o Africano tiveram um efeito considerável no século XII como conteúdo da coleção intitulada de Ars medicine ou Articella. O centro de Salerno não alargou somente a esfera prática da competência dos médicos de Salerno, mas também teve um efeito estimulante de organização do novo conhecimento médico.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • COWEN, David L., HELFOND, William H., Pharmacy an illustrated History, Harry N.Abrams, inc. Publishers, New York, 1988.
  • Dias, José Pedro Sousa, A Farmácia e a História - Uma introdução à história da Farmácia, da farmacologia e da Terapêutica, Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, 2005.
  • Gillispie, Charles Carlston et al, Dictionary of Scientific Biography cSc - VI, American Council of Learned Societies, Nova iIorque, 1981.
  • GUERRA, Francisco, Historia de la medicina, Madrid Ediciones Norma,S.A., Madrid, 1982.
  • KRUMERS and URDANG'S, History of Pharmacy, 4ª edição, J.B. Lippincott Company, Philadelphia, 1941.
  • PITA, Rui João, História da Farmácia, 2ª edição, Minerva, Coimbra, 2000.