Cornelius Drebbel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cornelius Drebbel
Nascimento 1572
Alkmaar
Morte 7 de novembro de 1633 (61 anos)
Londres
Cidadania Países Baixos
Ocupação inventor, químico, gravador, desenhista, engenheiro

Cornelius Jacobszoon Drebbel (Alkmaar, Holanda, 1572Londres, 7 de novembro de 1633) foi o inventor do primeiro submarino navegável.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Drebbel Foi um famoso inventor, gravador e vidraceiro holandês nascido em Alkmaar, inventou um termostato para controle da temperatura de um forno e construiu o primeiro submarino navegável. Como muitos cientistas daquela época, embora muito dos seus conhecimentos fossem baseados apenas na experiência e não no estudo, possuía um conhecimento considerável de química e de diferentes campos de filosofia natural.

No reinado de Jaime I (1566-1625), rei da Inglaterra de 1603 a 1625, Drebbel estabeleceu-se em Londres em 1604 e tornou-se empregado da corte. Em Londres ficou famoso por outras descobertas científicas, além de fazer melhoramentos em microscópios e telescópios. [nota 1] Então Drebbel construiu o primeiro submarino, um presente para o seu patrão, o rei Jaime I. Em um barco a remos Drebbel envolveu firmemente couro à prova de água, com tubos de ar ligados a flutuadores, para mantê-lo em contato com a superfície e captar oxigênio. Como não havia motores na época, remos foram conectados ao casco e envolvidos na união com luvas de couro, que faziam a vedação. A primeira viagem foi feita no rio Tâmisa com 12 remadores e o submarino ficou submerso durante três horas. Recentemente um grupo de inventores da BBC fez uma réplica do submarino de Drebbel. Drebbel morreu em Londres dez anos depois (1634).

Notas

  1. A invenção do microscópio é creditada a Zacharias Janssen, de Middleborough, em 1590 entretanto, m 1618, o napolitano Francisco Fontana, por suas experiências conclusivas, creditava a si a invenção de tal instrumento mas, no ano seguinte, Cornelius tornou o telescópio conhecido à sociedade científica de Londres[1]

Referências

  1. "O Jornal" (RJ), 12 de agosto de 1934