Corredor dos tornados da América do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mapa da região propensa a tornados na América do Sul

O corredor dos tornados da América do Sul é a região onde se encontram os ventos frios e secos vindos dos Andes e Patagônia e os ventos úmidos e quentes vindos da Amazônia e do Chaco, criando condições propensas ao surgimento de tornados[1] A área recebeu esse nome pela Rede de Estações Urbanas de Climatologia de São Leopoldo.[2]

Compreende os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Triângulo Mineiro e Mato Grosso do Sul no Brasil, além do centro e norte da Argentina, Uruguai, Paraguai e a porção sul da Bolívia.[3] Essa região (em especial o centro da Argentina) é considerada a segunda área de maior probabilidade da ocorrência de tornados no mundo, atrás apenas do Corredor de Tornados norte-americano.[4]

Causas[editar | editar código-fonte]

A NASA realizou um estudo em 2006, com informações fornecidas por seus satélites, para identificar as áreas onde ocorrem as tempestades mais intensas.[5] Concluiu-se que estas ocorrem principalmente a leste da Cordilheira dos Andes, na Argentina. Nessa área, os ventos frios da Patagônia e da Antártida convergem com as massas de ar quentes do Brasil, Paraguai e norte da Argentina, e com o ar seco que vem da Cordilheira dos Andes. O choque entre essas diferentes massas de ar ocorre principalmente na planície do pampa e gera condições para tempestades intensas, queda de granizo e tornados.[6]

Uma situação semelhante ocorre a leste das Montanhas Rochosas, nos Estados Unidos.[5]

Como não há suficiente cobertura de radar e baixa densidade populacional, não é possível detectar com exatidão a quantidade de tornados que ocorrem por ano nessa área, são registados apenas aqueles que foram avistados por pessoas.[7]

Localização[editar | editar código-fonte]

O Corredor dos Tornados ocupa uma grande área da América do Sul: seu núcleo central está localizado na Argentina (norte da província de Buenos Aires, centro e leste de Córdoba, sul e centro de Santa Fé, a oeste de Entre Rios[8]), além todo o Uruguai. Dentro desta zona, há uma probabilidade maior de que fortes tornados sejam formados; à medida que a distância aumenta, o número e intensidade das tormentas diminui.[9] O Corredor abarca as seguintes áreas:

Na Argentina:

No sul do Brasil, os estados de:

No sul do Paraguai, os departamentos de

Além disso, abrange todo o território do Uruguai.

Medição[editar | editar código-fonte]

Nesta região, as condições são propícias para a formação de tornados e tempestades intensas, devido à grande extensão da planície dos pampas. O ar frio da Patagônia e da Antártida colide com o ar quente e úmido que vem do Brasil, da região do norte da Argentina e do Paraguai, além do ar seco dos Andes.[3] Essa combinação produz tempestades intensas que atingem com muita frequência o status de supercélula, e muitas geram intensos granizos e tornados de diferentes intensidades, principalmente EF0, EF1 e EF2.

Eles geralmente ocorrem entre os meses de outubro e abril, embora apareçam com mais frequência entre dezembro e janeiro.[10] Ao norte desta área, intensas tempestades começam a ocorrer no final de agosto, e por ser uma zona mais úmida e quente, podem ser produzidas em qualquer época do ano. A planície que abrange o chaco e os pampas é menos extensa e povoada que a da América do Norte, e o número de tornados registrados é menor. Além disso, na América do Sul, ao contrário dos Estados Unidos, não há medições da quantidade de tornados que ocorrem em cada tempestade, nem alertas antecipados.[7] Não há nenhuma medida ou estatística que indique a quantidade de tornados que são gerados a cada ano no Corredor dos Tornados, mas sabe-se que o número é menor que o dos Estados Unidos. São de menor intensidade, já que a maioria são tornados de escala EF0, EF1 e EF2, com o registro máximo sendo o de F5.

Registros[editar | editar código-fonte]

Sistema de tempestades em formação pouco antes da onda brutal de tornados de 1993 na Argentina.

Os tornados mais intensos foram os de Encarnación (Paraguai) em 20 de setembro de 1926, quando se formou um tornado F4 que matou 400 pessoas[11][12], tornando-se o tornado mais mortal registrado na história da América do Sul, e o de San Justo (província de Santa Fé, Argentina), em 10 de janeiro de 1973, foi o tornado mais forte registrado fora dos Estados Unidos (F5) que também custou a vida de 63 pessoas.[13] A temporada de mais de 300 tornados em Buenos Aires, que afetaram a província argentina num período de aproximadamente 24 horas, em 13 e 14 de abril de 1993, com intensidades que atingiram F3, foi o maior surto de tornados no hemisfério sul.[14]

Referências

  1. «Argentina: "El pasillo de los Tornados"». Reporte Platense (em espanhol). 27 de janeiro de 2011. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  2. «Instituto prevê ocorrência de novos tornados no país». Folha de S. Paulo. 31 de maio de 2005. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  3. a b Daniel Henrique Candido, Rafael Felipe Candido (19 de agosto de 2008). «Condicionantes Atmosféricos da Tempestade Ocorrida em 21 de abril de 2008 na Cidade de Maringá (PR) e suas Conseqüências» (PDF). Consultado em 27 de novembro de 2009. Arquivado do original (PDF) em 21 de dezembro de 2014 
  4. Alexandre Aguiar. «Tornados - Duas realidades muito diferentes». Metroclima. Consultado em 27 de novembro de 2009 [ligação inativa]
  5. a b «NASA Satellite Identifies the World's Most Intense Thunderstorms» (em inglês). NASA. 26 de outubro de 2006. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  6. «El pasillo de los tornados, la zona inestable de Sudamérica». El País - Uruguay (em espanhol). 18 de abril de 2016. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  7. a b «Meteorología carece de sistema de detección y predicción de tornados». Última Hora (em espanhol). 19 de janeiro de 2015. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  8. «Pasillo de los Tornados - Pasado y presente» 
  9. «Tornados en Argentina, ayer y hoy». Prognostico extendido 
  10. Moutinho, Sofia (2012). «Brasil, alvo de tornados» 298 ed. Ciência Hoje. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  11. «El tornado de Encarnación». ABC Color (em espanhol). 20 de maio de 2006. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  12. «El ciclón de 1926 se cobró más de 400 vidas y destruyó Encarnación». Última Hora (em espanhol). 23 de setembro de 2012. Consultado em 25 de setembro de 2018 
  13. «Se cumplen 40 años del tornado que azotó a San Justo». El Litoral (em espanhol). 9 de janeiro de 2013. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  14. «A 25 años de la noche de los tornados». Servicio Meteorologico Nacional. 13 de abril de 2018. Consultado em 27 de setembro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre geografia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.