Crotalaria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: se procura o município brasileiro, veja Xique-Xique.
Como ler uma caixa taxonómicaCrotalaria
Crotalaria pumila

Crotalaria pumila
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Fabales
Família: Fabaceae
Género: Crotalaria
Espécies
Ver texto
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies

Crotalaria é um género botânico pertencente à família Fabaceae. Possui cerca de 300 espécies descritas, com a ressalva de que nem todas pertencem realmente ao gênero.[1]

Algumas espécies do gênero[editar | editar código-fonte]

Muitos arbustos desse gênero, comum na Região Nordeste do Brasil, são chamados de xiquexique (xique-xique) e chocalho. Hoehne atribui tais nomes às características do fruto, que é um legume quasi vesiculoso, de casca membranácea rija, em que as sementes, depois de maduras, se soltam e chocalham, produzindo um rumor de guizo de cascavel, inclusive daí a escolha do nome do gênero Crotalaria a Crotalus.[1] (oc. p.137) Ainda segundo esse autor, as referências à toxidez das crotalárias do Brasil são mais raras do que na América do Norte e África, onde são mais comuns nos pastos. Nos pastos e capoeiras brasileiras, foram identificadas cerca de 35 espécies, perigosas porque o gado as procura com avidez por serem boas forrageiras. Entre as mais perigosas do gênero, estão a C. sagittalis L. e a C. nubica Beneth.

A Crotalaria retusa L. possui folhas amargas com ação eméticaː em algumas regiões da América Central e Guianas, são empregadas na culinária como uma espécie de couve e, na medicina popular, contra cólicas", "catarros sanguíneos", moléstias da pele etc. (Hoehne oc. p.137) [1]

Diversas espécies, inclusive brasileiras, tais como: C. spectabilis [2]; C. mucronata [3]; C. incana [4]; C. juncea [5] já foram descritas em clínica veterinária ou estudos experimentais como tóxicas. Algumas espécies, como a espécie indiana Crotalaria madurensis Var. kurnoolica, exibem um amplo espectro de atividade antimicrobiana em micro-organismos patogênicos humanos, tendo sido testadas em 6 espécies de bactérias (gram positivas e negativas) e duas linhagens de fungos.[6] [7] A Crotalaria juncea costuma ser utilizada para adubação verde, controle de nematódeos e controle de Aedes aegypti, pois atrai libélulas, que costumam se alimentar dos adultos e das larvas de A. aegypti.[8]

Classificação do gênero[editar | editar código-fonte]

Sistema Classificação Referência
Linné Classe Diadelphia, ordem Decandria Species plantarum (1753)

Espécies[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c HOEHNE.F.C. Plantas e substâncias vegetais tóxicas e medicinais. SP, Departamento de Botânica do Estado, 1939
  2. SOUZA, Adriana Coelho de; HATAYDE, Mario Roberto; BECHARA, Gervásio Henrique. Aspectos patológicos da intoxicação de suínos por sementes de Crotalaria spectabilis (Fabaceae). Pesq. Vet. Bras., Rio de Janeiro , v. 17, n. 1, Jan. 1997. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X1997000100003&lng=en&nrm=iso>. access on 01 Feb. 2015.
  3. BOGHOSSIAN, Murilo R. et al . Aspectos clínico-patológicos da intoxicação experimental pelas sementes de Crotalaria mucronata (Fabaceae) em bovinos. Pesq. Vet. Bras., Rio de Janeiro , v. 27, n. 4, Apr. 2007 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X2007000400004&lng=en&nrm=iso>. access on 01 Feb. 2015.
  4. QUEIROZ, Gustavo Rodrigues ; RIBEIRO, Rita de Cássia Lima; FLAIBAN, Karina Keller Marques da Costa; BRACARENSE, Ana Paula Frederico Rodrigues Loureiro; LISBOA, Júlio Augusto Naylor. Intoxicação espontânea por Crotalaria incana em bovinos no norte do estado do Paraná. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 34, n. 2, p. 823-832, mar./abr. 2013 PDF Acesso Fev. 2015
  5. COLEGATE S.M.; GARDNER D.R.; JOY, R.J. BETZ, J.M.; PANTER, K.E Dehydropyrrolizidine Alkaloids, Including Monoesters with an Unusual Esterifying Acid, from Cultivated Crotalaria juncea (Sunn Hemp cv.’Tropic Sun’). Journal of Agricultural and Food Chemistry 2012;60(14):3541-3550.
  6. BHAKSHU, L. Md.; RATNAM, K. Venkata; VENKATARAJU, R. R. Medicinal Properties and Antimicrobial Activity of Crotalaria madurensis Var. kurnoolica. Ethnobotanical Leaflets 12: 758-62. 2008. PDF Acesso Fev. 2015
  7. ROYAL BOTANIC GARDEN EDINBURGH. Crotalaria madurensis Wight - Herbarium Specimen Image Acesso Fev. 2015
  8. Livre pensar é só pensarǃ. Disponível em https://livrepensar.wordpress.com/?s=beleza+para+combater+o+mosquito. Acesso em 7 de julho de 2016.


Ícone de esboço Este artigo sobre leguminosas (família Fabaceae), integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.