Curopalata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
soldo de Justino II (r. 567–578)

Curopalata (em grego: κουροπαλάτης; transl.: Kouropalatēs; em latim: curopalates; em latim: cura palatii , "[O único] encarregado do palácio")[1] era um título cortesão bizantino, um dos mais altos da época do imperador Justiniano (r. 527–565) até o período Comneno no século XII.[2] A variante feminina, ostentada pela esposa dos curopalatas, era curopalatissa (em grego: κουροπαλάτισσα; transl.: kouropalátissa).

História e função[editar | editar código-fonte]

Soldo de Miguel I Rangabe (r. 811–813) e seu coimperador Teofilacto

O título é atestado no século V no mesmo nível dum homem espetacular (vir spectabilis) e superior a um castrense do palácio (castrensis palatii), tendo como função a manutenção do palácio imperial (como o mordomo da Europa Ocidental).[3] Quando o imperador Justiniano I fez seu sobrinho e herdeiro Justino II um curopalata em 552, no entanto, o ofício ganhou um novo significado,[4] e tornou-se uma das dignidades mais exaltadas, ficando próximo de césar e nobilíssimo e, como eles, era inicialmente reservado para os membros da família imperial. Ao contrário deles, contudo, não foi concedido a importantes governantes estrangeiros, principalmente do Cáucaso. Assim, desde a década de 580 à de 1060, 16 príncipes e reis georgianos adquiriram títulos honoríficos, bem como, depois de 635, várias dinastias armênias.[2][5]

De acordo com o Cletorológio de Filoteu, escrito em 899, a insígnia do título era uma túnica, manto e cinto vermelhos. Sua premiação pelo imperador bizantino significou a elevação do destinatário para o ofício.[6] Por volta dos séculos XI-XII, a dignidade havia perdido seu significado anterior:[7] foi concedida como um título honorífico a generais fora da família imperial, e suas funções foram aos poucos sendo suplantadas pelo protovestiário, cuja função original era limitada à custódia do guarda-roupa imperial.[8] O título sobreviveu até o período paleólogo, mas era usado raramente.[1]

Curopalatas proeminentes[editar | editar código-fonte]

Soldo de Artabasdo (r. 741–743) e seu coimperador Nicéforo
Selo de Miguel Contostefano, curopalata e duque de Antioquia, c. 1055.

Referências

  1. a b Kazhdan 1991, p. 1157.
  2. a b Toumanoff 1963, p. 202; 388.
  3. Bury 1911, p. 33.
  4. «Justin II (565-578 A.D.).» (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2012 
  5. Rapp 2003, p. 374.
  6. Bury 1911, p. 22.
  7. Holmes 2005, p. 87.
  8. Kazhdan 1991, p. 1749.
  9. a b c d e f g h Bury 1911, p. 34.
  10. Martindale 1992, p. 164.
  11. Varzos 1984, p. 41–42, 49.
  12. «Niketas Kastamonites». Consultado em 23 de janeiro de 2016 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bury, John B. (1911). The Imperial Administrative System of the Ninth Century: With a Revised Text of the Kletorologion of Philotheos. Londres: Oxford University Press 
  • Holmes, Catherine (2005). Basil II and the Governance of Empire (976–1025). Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-927968-5 
  • Martindale, John R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1992). The Prosopography of the Later Roman Empire - Volume III, AD 527–641. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press. ISBN 0-521-20160-8 
  • Rapp, Stephen H.John; Arnold Hugh Martin Arnold; J. Morris (2003). Studies In Medieval Georgian Historiography: Early Texts And Eurasian Contexts. Lovaina: Éditions Peeters. ISBN 90-429-1318-5 
  • Toumanoff, Cyril (1963). Studies in Christian Caucasian History III. Washington: Georgetown University Press