Daughter of Don Q

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Daughter of Don Q
A Filha de Dom “Q”[1][2] (BR)
 Estados Unidos
1946 •  P&B •  12 capítulos, 167 min 
Direção Spencer Gordon Bennet
Fred C. Brannon
Produção Ronald Davidson
Roteiro Albert DeMond
Basil Dickey
Jesse Duffy
Lynn Perkins
Elenco Lorna Gray
Kirk Alyn
LeRoy Mason
Roy Barcroft
Claire Meade
Kernan Cripps
Gênero Aventura
Música Cy Feuer
Raoul Kraushaar
Mort Glickman
Direção de arte Fred A. Ritter
Russell Kimball
Efeitos especiais Howard Lydecker
Theodore Lydecker
Cinematografia Bud Thackery
Edição Cliff Bell Sr.
Harold Minter
Companhia(s) produtora(s) Republic Pictures
Distribuição Republic Pictures
Lançamento Estados Unidos 27 de julho de 1946 (seriado)[3]
Idioma inglês
Receita $137,988 (custo negativo: $140,156)[3]
Cronologia
King of the Forest Rangers (1946)
The Crimson Ghost (1946)
Página no IMDb (em inglês)

Daughter of Don Q é um seriado estadunidense de 1946, gênero aventura, dirigido por Fred C. Brannon e Spencer Gordon Bennet, em 12 capítulos, estrelado por Lorna Gray, Kirk Alyn e LeRoy Mason. Foi produzido e distribuído pela Republic Pictures, e veiculou nos cinemas estadunidenses a partir de 27 de julho de 1946.

No seriado, a heroína Delores Quantero é uma descendente de um herói no estilo Zorro, Don Quantero, e há combinação de elementos de Western B com elementos contemporâneos de filmes policiais, especialmente o fato de o vilão tentar roubar terras aparentemente inúteis da heroína, porque secretamente sabe que valem uma fortuna. Neste caso, Dolores Quantero é a legítima herdeira da terra valiosa que outro membro da familia, Carlos Manning, quer para si mesmo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Dolores Quantero é uma descendente de um herói no estilo Zorro, Don Quantero, a quem foi concedida a terra pela coroa espanhola. Esta concessão, que ainda é legalmente válida, agora abrange o distrito de negócios da cidade. Outro descendente, Carlos Manning, descobriu a existência deste documento e tenta herdar a fortuna assassinando seus parentes.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Daughter of Don Q foi orçado em $137,988, porém seu custo final foi $140,156.[3]

Com o orçamento estourado em 1,6%, ainda foi um custo baixo para os seriados da Republic, que teve uma média, ao longo de todos os 66 seriados que produziu, de 5.7% de superfatiramento, em especial considerando o seriado subseqüente, The Crimson Ghost, que excederia seu orçamento por 16,9%. Embora o orçamento o faça ser considerado o mais caro da republic em 1946, The Crimson Ghost levou esse título com um custo final de $161,174.[3]

Foi filmado entre 3 e 30 de janeiro de 1946,[3] e foi a produção de nº 1596.[3]

Todos os seriados produzidos pela Republic em 1946 tiveram 12 capítulos longos e este foi o primeiro ano em que nenhum seriado de 15 capítulos foi produzido. Quase todos os futuros seriados da Republicseguiriam esse limite de 12 capítulos até o lançamento do último, em 1955.[3]

Uma curiosidade, a pintura de Don Quintus vista nos capítulos 11 e 12 é realmente do diretor Spencer Gordon Bennet em traje de Don Q.

Conexões com Zorro[editar | editar código-fonte]

Pôster de Don Q, Son of Zorro (1925).

O título do seriado é uma referência ao filme Don Q, Son of Zorro de 1925, estrelado por Douglas Fairbanks,[4] e o filme é uma sequência do filme The Mark of Zorro de 1920 e é levemente baseado no romance de 1909, Don Q.'s Love Story, escrito por Hesketh Hesketh-Prichard e sua mãe, Kate O'Brien Ryall Prichard. O personagem do livro, Don Quebranta Huesos, era uma espécie de Robin Hood espanhol,[5] e Fairbanks interpreta Cesar, o filho de Don Diego Vega, personagem que ele mesmo interpretou no filme de 1920.[6]

Idealizado pelo escritor norte-americano Johnston McCulley, a primeira aparição do lendário personagem Zorro aconteceu nas páginas da revista pulp All-Story Weekly, em 1919. Publicada em cinco edições, com o título de A Maldição de Capistrano. Em virtude do enorme sucesso do filme The Mark of Zorro, Fairbanks relançou a história sob o formato de um romance, que acabou recebendo o mesmo título do filme: The Mark of Zorro.

O personagem Zorro foi adaptado pela primeira vez pelo estúdio em 1936, em The Bold Caballero[7]

A Republic Pictures lançou vários seriados inspirados no Zorro: Zorro Rides Again, em 1937; Zorro's Fighting Legion, em 1939; Son of Zorro, em 1947; e Ghost of Zorro, em 1949. O seriado Zorro's Black Whip de 1944 foi estrelado por uma mulher, a The Black Whip interpretada por Linda Stirling e, apesar de levar o nome de Zorro no título, o personagem Zorro não aparece em nenhum momento no seriado e nem ao menos é citado.Os seriados Don Daredevil Rides Again, de 1951, e Man with the Steel Whip, de 1954, utilizaram cenas de arquivo relativas ao herói mascarado.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O lançamento oficial de Daughter of Don Q é datado de 27 de julho de 1946, apesar de essa ser a data da disponibilização do 6º capítulo.[3]

Capítulos[editar | editar código-fonte]

  1. Multiple Murder (20min)
  2. Vendetta (13min 20s)
  3. Under the Knives (13min 20s)
  4. Race to Destruction (13min 20s)
  5. Blackout (13min 20s)
  6. Forged Evidence (13min 20s)
  7. Execution by Error (13min 20s)
  8. Window to Death (13min 20s)
  9. The Juggernaut (13min 20s)
  10. Cremation (13min 20s)
  11. Glass Guillotine (13min 20s)
  12. Dead Man's Vengeance (13min 20s)[3][8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. BARBOZA, Nelson Alves. Cinema - Arte, Cultura, História, pp. 45-55
  2. Mattos, A. C. Gomes de (1985). «Os Grandes Seriados do Cinema 7: Os Seriados de Faroeste». Rio de Janeiro: EBAL. Cinemin (13): 34-35 
  3. a b c d e f g h i Mathis, Jack. Valley of the Cliffhangers Supplement. [S.l.]: Jack Mathis Advertising. pp. 3, 10, 92–93. ISBN 0-9632878-1-8 
  4. Jim Harmon, Donald F. Glut (1972). The great movie serials: their sound and fury. [S.l.]: Doubleday 
  5. John Sutherland (2014). The Longman Companion to Victorian Fiction. [S.l.]: Routledge. 518 páginas. 9781317863335 
  6. Jeffrey Vance (2008). Douglas Fairbanks. [S.l.]: University of California Press. 184 páginas. 9780520256675 
  7. Richard M. Hurst (2007). Republic Studios: Beyond Poverty Row and the Majors. [S.l.]: Scarecrow Press. 79 páginas. 9780810858862 
  8. Cline, William C. «Filmography». In the Nick of Time. [S.l.]: McFarland & Company, Inc. p. 243. ISBN 0-7864-0471-X 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]