Diabulimia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Diabulimia (uma junção de diabetes e bulimia) refere-se a um transtorno alimentar em que as pessoas com diabetes Tipo 1 , deliberadamente consomem menos insulina do que o necessário, com a finalidade de perder de peso. A diabulimia não é reconhecida atualmente como um diagnóstico formal pelas comunidades médicas ou psiquiátricas. No entanto, as frases "comportamento alimentar perturbado" ou "comportamento alimentar desordenado" (CAP e CAD), ou transtorno alimentar(TE), são muito comuns na literatura médica e psiquiátrica, que trata da condição dos pacientes que têm diabetes Tipo 1 e que também intencionalmente manipulam as doses de insulina para o controle de peso, juntamente com comportamento bulímico.

Sintomas[editar | editar código-fonte]

Uma pessoa com diabulimia, especialmente se não tratada precocemente, pode sofrer efeitos negativos sobre o corpo mais cedo do que quem o está tratando corretamente. Dos diabéticos que têm CAP ou CAD, alguns intencionalmente utilizam mal a insulina como um meio para controlar o peso.

Suspensão de insulina, combinado com o consumo excessivo de comida pode resultar em cetoacidose. Múltiplas internações por cetoacidose e hiperglicemia são sugestões para detectar um conflito emocional subjacente.[1]

Curto prazo[editar | editar código-fonte]

Estes são, a curto prazo, os sintomas de pacientes com diabulimia

Médio prazo[editar | editar código-fonte]

Estes são, a médio prazo, os sintomas dos pacientes com diabulimia. Eles são predominantes quando a diabulimia não é tratada e, portanto, incluem também, os sintomas da diabulimia a curto prazo

Longo prazo[editar | editar código-fonte]

Se uma pessoa com diabetes Tipo 1 que tem diabulimia sofre com a doença por mais de um curto período de tempo—normalmente devido à alternância de fases, durante o qual a insulina é injetada corretamente, e as recaídas, durante o qual eles têm diabulimia—então os seguintes sintomas podem ser esperados:

  • Danos renais graves - devido ao alto nível de açúcar no sangue que pode sobrecarregar os rins, levando eventualmente a insuficiência renal e à necessidade de um transplante de rim[2]</ref>
  • Grave neuropatia (lesão no nervo para as mãos e para os pés)
  • Fadiga extrema
  • Edema (durante as fases controladas de açúcares sanguíneos)
  • Problemas de coração
  • Colesterol elevado
  • Osteoporose
  • Morte

Muitas vezes, as pessoas com diabetes tipo 1 que omitem injeções de insulina já foram diagnosticadas com um transtorno alimentar, como anorexia nervosa ou bulimia nervosa. Esses indivíduos geralmente não sabem que a diabulimia é mais comum do que pensam e também é muito difícil de superar. Ao contrário da anorexia e da bulimia, a diabulimia às vezes exige que o indivíduo aflito pare de cuidar de uma condição médica. Ao contrário do vômito ou da fome, às vezes não há ação clara ou força de vontade envolvida. A diabulimia pode ser mais atraente para indivíduos que querem perder peso.

Muitos artigos e estudos concluem ainda que as mulheres diabéticas têm, em média, um índice de massa corporal maior (IMC) do que as outras mulheres não diabéticas. Meninas e jovens adultas com IMCs maiores também são mostradas como sendo mais propensas a ter um comportamento alimentar desordenado (CED).[3][4] Muitos artigos, autorizados, foram publicados, e que mostram que adolescentes e adolescentes com diabetes tipo 1 têm taxas significativamente maiores de distúrbios alimentares de todos os tipos do que as meninas sem diabetes.[5][6][7][8] Esta condição pode ser desencadeada ou exacerbada pela necessidade de diabéticos para exercer vigilância constante em relação ao alimento, peso e controle glicêmico. Em mulheres adolescentes, o aumento de peso que o tratamento com insulina pode causar, pode ainda desempenhar uma maior probabilidade no risco de desenvolvimento de anorexia e/ou bulimia.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Não há diretrizes específicas para o tratamento das diabetes e da alimentação desordenada, mas a abordagem padrão para o tratamento de duas condições complexas, conta com uma equipa multidisciplinar de profissionais que neste caso poderão incluir: endocrinologista, psiquiatra, psicólogo, nutricionista, etc.

Vêr também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Best treatment unclear for disordered eating in type 1 diabetes». MDConsult 
  2. «How to Distinguish Depression and Bulimia». Consultado em 3 de dezembro de 2017 
  3. «Increased prevalence of overweight in adolescent girls with type I diabetes mellitus». Acta Paediatr. 88. PMID 10591423. doi:10.1080/080352599750030329 
  4. «Five-Year Prevalence and Persistence of Disturbed Eating Behavior and Eating Disorders in Girls With Type 1 Diabetes». Diabetes Care. 30. PMID 17698613. doi:10.2337/dc07-1057 
  5. Alemzadeh, R., MD & Wyatt., MD (2007). «Nelson Textbook of Pediatrics» 18th ed. ISBN 978-1-4160-5622-5 CS1 maint: Multiple names: authors list (link)
  6. «Five-Year Prevalence and Persistence of Disturbed Eating Behavior and Eating Disorders in Girls With Type 1 Diabetes.». Diabetes Care. 30. PMID 17698613. doi:10.2337/dc07-1057 
  7. «Eating disorders in females with type 1 diabetes: an update of a meta-analysis. European Eating Disorders Review». European Eating Disorders Review. 10. doi:10.1002/erv.474 [ligação inativa]
  8. «Eating disorders in adolescent females with and without type 1 diabetes: cross sectional study». BMJ (Clinical research ed.). 320. PMC 27398Acessível livremente. PMID 10845962. doi:10.1136/bmj.320.7249.1563 

Links externos[editar | editar código-fonte]

  • http://www.diabulimiahelpline.org Diabulimia linha de apoio: EUA única organização sem fins lucrativos dedicada para o reconhecimento e prevenção de diabulimia.
  • http://www.dwed.org.uk Diabéticos com Transtornos Alimentares [do reino UNIDO]. Instituição de caridade dedicada ao reconhecimento e apoio, com base no reino UNIDO.