Disgenia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Setembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.

Disgenia é o estudo dos fatores que produzem a acumulação e perpetuação de genes defeituosos e desvantajosos em proles de uma população ou espécie específica[1] [2] . É uma oposição à eugenia.

Efeito disgênico da medicina[editar | editar código-fonte]

O homem primitivo vivia em um ambiente hostil e desconfortável, à beira da extinção. Isso condicionava o homem em uma seleção natural extremamente rigorosa, que mantinha uma baixa frequência de genes nocivos, e promovia uma adaptação cada vez mais precisa ao ambiente. Com o desenvolvimento da tecnologia moderna, o homem passou a adaptar o ambiente a suas preferências, em lugar de adaptar-se biologicamente a ele.

O resultado foi o afrouxamento da seleção natural e o aumento da variabilidade genética, pois muitos genótipos, inviáveis nos tempos primitivos, passaram a ter possibilidades de sobrevivência e reprodução.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. «dysgenics». The American Heritage Dictionary of the English Language (em inglês). Arquivado desde o original em 18 de março de 2009. Consultado em 18 de setembro de 2011. 
  2. Merriam Webster. «dysgenics» (em inglês). Consultado em 18 de setembro de 2011.