Domenico de Angelis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Últimos dias de Carlos Gomes, por Domenico de Angelis e Giovanni Capranesi, Belém, 1899.

Domenico de Angelis (Roma; 18521900), foi um pintor e decorador italiano responsável pela decoração interna dos dois principais e mais conhecidos teatros do norte do Brasil, o Teatro da Paz e o Teatro Amazonas. Em Belém do Pará realizou também diversos trabalhos na capital paraense.

Resumo biográfico[editar | editar código-fonte]

Migrou para a Amazônia no período áureo da exploração da borracha, para colaboração nas decorações do plano de urbanização e arquitetônico da cidade de Belém, no período de plena expansão da commodity amazônica, participou da decoração interna do Teatro Nossa Senhora da Paz[1], na capital do Pará, e em 1891 realizou várias obras, incluindo pinturas sacras dos dez altares laterais da Igreja da Sé de Belém com representações a Sant'Ana, Sagrada Família, São Jerônimo, Nossa Senhora do Rosário e outras[2] divindades e santidades cristãs românicas, em 1894, retornou a Belém para o reinicio da execução de novos trabalhos na cidade, em Manaus, parcialmente participou da decoração de alguns dos quartos internos do Teatro Amazonas[3] juntamente com Crispim do Amaral, entre suas realizações estão dois panos-de-boca e o foyer do teatro, ambos com inspirações brasileiras.[4]

Referências

  1. LEITE, José Roberto Teixeira (1988). Dicionário Crítico da Pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre. p. 147 
  2. «DE ANGELIS, Domenico». Brasil Artes Enciclopédias. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  3. VALLADARES, Clarival do Prado (1974). Restauração e recuperação do Teatro Amazonas. Rio de Janeiro: [s.n.] 
  4. DE SOUZA, João Mendonça (1950). O grande Amazonas: mítologia, história e sociologia. Manaus: Abertura & Universidade da Califórnia. p. 881 
Ícone de esboço Este artigo sobre arquitetura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.