Dominguiso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Dominguizo)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Portugal Portugal Dominguiso 
  Freguesia  
Igreja Paroquial do Dominguizo
Igreja Paroquial do Dominguizo
Gentílico Dominguisense
Localização
Dominguiso está localizado em: Portugal Continental
Dominguiso
Localização de Dominguiso em Portugal
Coordenadas 40° 12' 40" N 7° 31' 32" O
País Portugal Portugal
Concelho CVL.png Covilhã
Administração
Tipo Junta de freguesia
Presidente José Carlos Varandas Neves Matos (G.C.E.)
Características geográficas
Área total 4,95 km²
População total (2011[1]) 1 119 hab.
Densidade 226,1 hab./km²
Código postal 6200-513
Outras informações
Orago Divino Espírito Santo

Dominguiso (antigamente Dominguizo) é uma freguesia portuguesa do concelho da Covilhã, com 4,95 km² de área e 1 119 habitantes (2011). A sua densidade populacional é de 226,1 hab/km².

Localização no Concelho de Covilhã

Localização[editar | editar código-fonte]

Nas franjas da Serra da Estrela, mirando a Gardunha, e tendo o Rio Zêzere a seus pés.

Lugares da freguesia[editar | editar código-fonte]

  • São Sebastião
  • Pinho Manso
  • Cimo do Povo
  • Fonte Velha
  • Quintarola
  • Adro
  • "Praia" Fluvial

Topónimo[editar | editar código-fonte]

Da origem do nome de Dominguizo. Quanto ao Topónimo existem três versões:

  1. Segundo o Dr. Alexandre Carvalho Costa, em "Lendas, Historietas, Etimologias Populares e outras etimologias respeitantes a Cidades, Vilas, Aldeias e Lugares de Portugal Continental", baseia este topónimo "no facto de no português proto-histórico existem apelidos de homem DOMINIGUIZ e DOMINGUIZ (vidé Onomástico de A. A. Cortezão). Este último "Dominguiz", encontra-se ainda no Português-Histórico, em documentos do Séc. XIV, a par de DOMINGOS (vidé Antroponimia Portuguesa de Leite de Vasconcelos). O étimo de Dominguiso é, pois, a forma arcaica Dominguez.

DOMINGUEZ > DOMINGUIZ > DOMINGUISO

  1. A antiga ainda não freguesia, conhecida por Divino Espírito Santo era anexa ao priorato de S. João do Monte in Colo, passaria mais tarde a Freguesia com o título de Vigaria. Não tendo Igreja e como o Povo era Cristão, tinha o hábito de ir todos os Domingos à missa. Para tal, dirigia-se a Alcaria, povoação mais próxima. Os habitantes de Alcaria começaram a chamar "DOMINGUEIROS" àqueles estranhos que todos os Domingos invadiam a sua Igreja. Mais tarde este povo viria a ser conhecido como DOMINGUEIRO e mais tarde ainda, como DOMINGUISO.
  2. Nova versão diz respeito aos lacticínios, em especial devido à quantidade de queijo da serra lá produzido. Teria havia o "Senhor dos Queijos".

DOMINUS QUESUM > DOMINOGUESO > DOMINGUISO

História[editar | editar código-fonte]

O Dominguiso é a terra de "Farrapeiros" que outrora, palmilhavam caminhos, em busca de trapo ou roupa velha, que esfarrapavam, para construir fio novo.

Farrapeiro - o mesmo que adelo (deriva da palavra Árabe ad-dallal), negociantes que compram e vendem roupas velhas, papéis, ferro-velho, metais, peles, cera, objectos usados e outros, ou seja, todo o tipo de material que possa ser reciclado e/ou reutilizado.

A recliclgem no Dominguizo, já se fazia em "1940".

Igualmente, se fazia aproveitamento de sucatas, metais, e borracha virgem.

Parque infantil e edifício da Junta de Freguesia.

A onze quilómetros da sede do concelho, a freguesia do Dominguiso encontra-se nas faldas da Serra da Estrela, perto da margem direita do rio Zêzere.

Em termos administrativos, o Dominguiso pertenceu até 2 de Novembro de 1926 ao Tortosendo, tendo, a partir daí, constituído freguesia independente, embora também já tivesse sido paróquia nos séculos anteriores.

Em termos patrimoniais, destaca-se a capela de São Sebastião, tendo esta sido a primeira igreja paroquial da freguesia, antes da construção do actual templo matriz, em 1786, em honra do Divino Espírito Santo. O campanário, muito mais recente, é de 1922. No interior, podem ver-se algumas imagens sagradas, sendo as mais valiosas as do Imaculado Coração de Maria, Nossa Senhora da Conceição, Sagrado Coração de Jesus, Senhor dos Passos, Sagrada Família e São Sebastião. A igreja tem dois altares, um dedicado a nossa Senhora da Conceição e outra a Nossa Senhora do Rosário. Sem altar, estão as imagens de Nossa Senhora de Fátima e a de Nossa Senhora do Bom Parto.

Dominguiso é uma terra virada para o comércio, em contraste com a generalidade das freguesias vizinhas, essencialmente agrícolas. Em relação à sua economia, destaca-se então o comércio e alguns sectores industriais, como a indústria de confecção, a construção civil e a reciclagem de trapos.

Em relação à reciclagem de trapos, de notar que esta é a sucessora de uma actividade que, no passado, ocupava a grande maioria da população. A figura típica do farrapeiro, com o saco às costas e o habitual "pregão" ("Farrapo, peles, cera!"), entretinha os mais novos. Famoso era o Senhor Ezequiel, por volta dos anos 50, pessoa sempre ligada ao comércio, sendo um dos embaixadores de Dominguiso. A actividade, naturalmente, diversificou-se e actualmente existem ainda alguns Farrapeiros no Dominguiso, mas já mais modernizados e virados para o futuro.

A fisionomia actual da povoação, é-nos descrita por um suplemento do "Jornal do Fundão", de Julho de 1989, totalmente dedicado a esta freguesia: "A paisagem da localidade, em termos de habitações, é quase inenarrável: uma linha de construções novas, de cores fortes e variadas, risca o aglomerado ao meio. De um lado e do outro salvam-se poucas referências de construções típicas da região (…) Existe apenas um núcleo central, com habitações de traço antigo, alvenaria à mostra, balcões e janelas de madeira, de guilhotina, típicas da região. Mas, ao que nos disseram, os habitantes de Dominguiso têm orgulho no conjunto de habitações e vivendas, de todos os gostos e variedades, que se estende ao longo da estrada municipal.

Foi 1.ª Viscondessa de Dominguizo Teodora Alexandrina de Almeida Pais Castelo Branco, um título que lhe foi concedido por D. Luís I de Portugal por Decreto de 2 de Agosto e Carta de 7 de Setembro de 1871 em homenagem à memória do seu falecido marido e primo, José Augusto de Oliveira de Lima Pais Castelo Branco, e ao facto de ser a referida senhora uma beneficiária, protectora dos pobres e das crianças órfãs e abandonadas. O seu magnífico solar, a Casa do Espírito Santo, brasonado e conhecido como o palácio da Viscondessa, é uma das mais importantes construções da freguesia.

Na base desta família, Silvestre João Pais Castelo Branco, riquíssimo proprietário desta terra, que muitos apelidavam de "Dono do Dominguiso". Chega a dizer-se que este abastado nobre "ia de casa ao Fundão por terras só dele". Deixou tudo a uma sobrinha solitária, que as teria de deixar aos seus sobrinhos.

A ponte sobre o rio Zêzere é obra reivindicada pelas populações há mais de cinquenta anos e que se concretizou nos princípios dos anos 90. (in Freguesia do Dominguizo pela Câmara Municipal da Covilhã)

Actividades económicas[editar | editar código-fonte]

  • Construção civil
  • Reciclagem de trapos
  • Comercialização de Vinho e cerejas da Quinta São Tiago

Festas e romarias[editar | editar código-fonte]

  • São Sebastião (Julho/Agosto)
  • Divino Espírito Santo (3º Domingo de Agosto)
  • Farrapeiros (Último fim de semana de Junho)

Festivais Musicais[editar | editar código-fonte]

  • Rock In Zêzere
  • Free Mind Festival (Realizado Anualmente durante o mês de Julho)

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

  • Bolo Xadrez
  • Papas de Milho

Vinicultura[editar | editar código-fonte]

  • Tranca da Barriga (Quinta de S.Tiago):
    • Tinto Roriz
    • Tinto Monocasta
    • Branco
    • Rosé
    • Ginja
    • Geropiga
  • Vinho Tinto e Braco Maduro | JBR
  • Aguardente | JBR
  • Génépi

Colectividades[editar | editar código-fonte]

  • Associação de Caça, Pesca e Tiro de Dominguiso
  • Associação Farrapeiros
  • Sport Lisboa e Águias do Dominguiso
  • Vivênciar -Associação de Desenvolvimento Social

Património[editar | editar código-fonte]

  • Casa do Espírito Santo, Casa dos Castelo Branco, Palácio da Viscondessa ou Casa Neves
  • Chafariz Público ou Fonte Nova e Fonte Velha
  • Estátua do Farrapeiro
  • Igreja Paroquial de Dominguiso
  • Capela de São Sebastião
  • Parque fluvial do rio Zêzere

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Dominguiso [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
433 539 653 673 868 949 1 010 1 100 1 027 1 102 1 154 1 188 1 119

Nos anos de 1911 e 1920 esteve anexada à freguesia de Tortosendo. Pelo decreto nº 12.541, de 22/10/1926, esta freguesia foi desanexada, ficando a constituir uma freguesia autónoma (Fonte: INE).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Contribuição para uma monografia "A mudança em Dominguiso" de Maria da Graça Sardinha (1995)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Dominguizo

Referências

  1. «População residente, segundo a dimensão dos lugares, população isolada, embarcada, corpo diplomático e sexo, por idade (ano a ano)». Informação no separador "Q601_Centro". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 1 de Março de 2014. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2013 
  2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes