Eni Orlandi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Eni Orlandi
Nascimento 1942 (79 anos)
São Paulo
Alma mater
Ocupação linguista, professora universitária
Empregador Universidade Estadual de Campinas, Universidade de São Paulo

Eni de Lourdes Puccinelli Orlandi (São Paulo, 1942) é uma linguista e professora universitária brasileira.[1] No Brasil, ao final dos anos 70, foi pioneira na área da análise do discurso, com base nos trabalhos de Michel Pêcheux.[2][3]

Vida acadêmica[editar | editar código-fonte]

Possui graduação em letras pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Araraquara (1964), mestrado em linguística pela Universidade de São Paulo (1970), doutorado em linguística pela Universidade de São Paulo e pela Universidade de Paris/Vincennes (1976).[4]

Foi docente na USP de 1967 a 1979, onde ensinou filologia românica, linguística, sociolinguística e análise do discurso pedagógico. Transferiu-se para a Universidade de Campinas (Unicamp) em 1979, onde foi fundadora do Laboratório de Estudos Urbanos, que ainda coordena atualmente.[5][6] Foi a partir desta instituição, no âmbito do Instituto de Estudos da Linguagem, que introduziu a análise do discurso no Brasil. Foi professora titular na Unicamp desde então até se aposentar, em 2002, mas continuou atuando na Unicamp como professora colaboradora e pesquisadora do Laboratório de Estudos Urbanos. É também professora titular e coordenadora do curso de mestrado em Ciências da Linguagem na Universidade do Vale do Sapucaí.[7]

Orlandi publicou e/ou organizou mais de 35 livros (entre edições e reedições), sempre trabalhando com a teoria do discurso, aplicada a diversas áreas, como ensino, mídia, história e religião, entre outras.

Em 1993 venceu o prêmio Jabuti em ciências humanas, com o livro As Formas do Silêncio.[8]

Em 2010 foi a representante do governo brasileiro como membro da COLIP em reunião em Portugal, na CCPLP como perito em língua portuguesa junto ao corpo diplomático, assessorando diretamente a delegação do Itamaraty e Presidência da República Federativa do Brasil.[9]

Obra[editar | editar código-fonte]

  • 2012. Discurso e Leitura. 6a. ed. São Paulo: Cortez editora, 2012.
  • 2012. Discurso em Análise: Sujeito, Sentido, Ideologia. Campinas: editora Pontes.
  • 2011. Discurso, Espaço, Memória - Caminhos da identidade no sul de Minas. Campinas: editora RG. (org.).
  • 2011. La construction du Brésil - á propos des discours français sur la découverte. Paris: L´Harmattan.
  • 2011. Análise de Discurso Michel Pêcheux textos escolhidos. Campinas: Pontes. (org.).
  • 2010. Discurso e Políticas Públicas Urbanas - A Fabricação do Consenso. Campinas: Editora RG.
  • 2010. Gestos de Leitura. Campinas: Editora Unicamp (org.).
  • 2009. O que é lingüística? (1a. edição: 1986, Ed. Brasiliense). 15. ed. São Paulo: Brasiliense.
  • 2009. Língua Brasileira e outras Histórias - Discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas-SP: Editora RG, 2009.
  • 2008. Discurso e texto: formação e circulação dos sentidos. 2a. ed. Campinas: Pontes, 2008.
  • 2008. Terra à vista (1a. edição: 1990, Ed. Cortez/Ed. da Unicamp). 2a. ed. São Paulo/Campinas: Cortez/Unicamp.
  • 2007. As Formas do Silêncio (1a. edição: 1992, Ed. da Unicamp; Prêmio Jabuti 1993). 6a. ed. Campinas-SP: Editora da Unicamp.
  • 2007. Análise de discurso: princípios e procedimentos (1a. edição: 1990, Ed. Pontes). 2a. ed. Campinas: Pontes.
  • 2007. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico (1a. edição: 1996, Ed. Vozes). 2a. ed. Campinas: Pontes.
  • 2007. Política lingüística no Brasil. Campinas - SP: Pontes Editores, 2007.
  • 2007. Un dialogue atlantique: production des sciences du langage au Brésil. Lyon: ENS Éditions, 2007.
  • 2006. A linguagem e seu funcionamento - As formas do discurso (1a. edição: 1983, Ed. Brasiliense). 4a. ed. São Paulo: Pontes Editores.
  • 2006. Discurso e textualidade (com Suzy Lagazzi). Campinas-SP: Pontes Editores.

Referências

  1. Siqueira, Vinicius. «Eni Orlandi – biografia e obras de Eni Orlandi». Colunas Tortas. Consultado em 21 de setembro de 2019 
  2. Ferreira, Maria Cristina Leandro (dezembro de 2003). «O quadro atual da Análise de Discurso no Brasil». Letras (27): 39–46. ISSN 2176-1485. doi:10.5902/2176148511896. Consultado em 21 de setembro de 2019 
  3. Anunciação, Sílvio (4 de julho de 2011). «Precursora da análise do discurso no país, Eni Orlandi é homenageada». Laboratório de Estudos Urbanos. Consultado em 21 de setembro de 2019 
  4. «Eni de Lourdes Pulcinelli Orlandi». Biblioteca Virtual da FAPESP 
  5. Grigoletto, Evandra; Mariani, Bethania (17 de dezembro de 2020). «Entrevista com Eni Orlandi». Revista da ABRALIN. 19 (3): 247-268. doi:10.25189/rabralin.v19i3.1778. Consultado em 10 de março de 2021 
  6. Fávaro, Tatiana (5 de novembro de 2012). «Eni Orlandi fala sobre análise do discurso e linguagem em entrevista». Globo Universidade. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2020 
  7. ORLANDI, Eni Puccinelli. A materialidade do gesto de interpretação e o discurso eletrônico. In. DIAS, Cristiane. Formas de mobilidade no espaço e-urbano: sentido e materialidade digital [online]. Série e-urbano. Vol. 2, 2013, Consultada no Portal Labeurb – http://www.labeurb.unicamp.br/livroEurbano/ Laboratório de Estudos Urbanos – LABEURB/Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade – NUDECRI, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.
  8. «Prêmio 1993 - 59º Prêmio Jabuti 2017». 59º Prêmio Jabuti 2017. Consultado em 23 de julho de 2017 
  9. «Profa. Dra. Eni Orlandi participou de conferência no Palácio do Itamaraty». labeurb.unicamp.br. 30 de março de 2010. Consultado em 10 de março de 2021. Cópia arquivada em 10 de março de 2021 


Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.