Erik de Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2009)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Erik de Castro (Brasília, 1971), é um cineasta brasileiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Erik começou a se dedicar ao cinema ainda na adolescência, quando, aos dezoito anos, criou em parceria com Heber Moura o programa de rádio Sábado à Noite no Cinema.

Logo depois foi estudar na Los Angeles City College, entre 1992 e 1994. Em 1995, fundou em Brasília, com o irmão Christian de Castro, a BSB Cinema Produções. Foi também um dos fundadores dos Estúdios Millenium, de Brasília.

Em 1996 produziu, co-escreveu e co-dirigiu com Heber Moura o média-metragem Razão para Crer, agraciado com o prêmio Excelência Criativa no 30º Festival de Filme e Vídeo de Chicago.

Erik estreou na direção de longa-metragens em 1999, com o documentário Senta a Pua!, sobre a participação do primeiro grupo de aviação de caça brasileiro na Segunda Guerra Mundial. O documentário levou os prêmios: melhor filme de 2001 pelo site voto popular no site da GloboNews; melhor filme e melhor montagem no XII Festival de Cinema de Natal; melhor filme (júris popular e oficial), no I Festival de Cinema e Vídeo da Amazônia; Melhor documentário no 53º Festival de Cinema de Salerno, na Itália; Troféu Brasília 40 anos, concedido pela Câmara Legislativa do Distrito Federal; menção por "Excelência Criativa", no 33º Festival de Cinema e Vídeo dos Estados Unidos, em Chicago.

Em 2002 produziu o documentário A Cobra Fumou, de Vinícius Reis, também sobre a participação brasileira na Segunda Guerra Mundial, desta vez destacando o papel da Força Expedicionária Brasileira. Em 2012 completou a trilogia, desta feita destacando a participação da Marinha do Brasil na Segunda Guerra Mundial, com o documentário O Brasil na Batalha do Atlântico.

Em 2006, filmou o longa-metragem de ficção Federal, que conta a história de um perigoso traficante que se instala em Brasília e tem no elenco Carlos Alberto Riccelli, Selton Mello e Eduardo Dusek. Até fevereiro de 2009, Federal ainda não havia sido lançado comercialmente.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.