Eutiquiano (cônsul em 398)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eutiquiano
Nacionalidade
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Império Romano
Progenitores Pai: Touro
Ocupação Oficial
Soldo de Arcádio (r. 395–408)

Flávio Eutiquiano (em latim: Flavius Eutychianus; fl. 388 — 405) foi um oficial do Império Bizantino que esteve ativo durante o reinado dos imperadores Teodósio I (r. 378–395) e Arcádio (r. 395–408). Filho do cônsul Touro, foi irmão do oficial Aureliano. Descrito pelas fontes como selvagem e indisciplinado,[1] foi alegoricamente citado na obra de Sinésio como o personagem "Tifão", o líder do partido pró-gótico da De Providentia.[2] Um convertido ao arianismo, foi casado e sua de nome desconhecido também foi citada na obra de Sinésio.[3]

Em 388, quando recebeu uma carta do reitor Libânio a respeito duma delegação antioquiana,[4] provavelmente mantinha a posição de conde dos tesouros sagrados. Segundo Libânio, Eutiquiano era influente na corte imperial em 390.[5][6] Eutiquiano foi prefeito pretoriano entre 396-397, provavelmente da prefeitura da Ilíria, como atestado por algumas leis do Código de Teodósio e aludido por Sinésio.[7]

Tornou-se prefeito pretoriano do Oriente entre 4 de setembro de 397 - 25 de julho de 399 e ocupou o consulado em 398, sob jurisdição de Eutrópio. Por ocasião da queda de Eutrópio, Eutiquiano foi deposto e substituído por Aureliano em 400,[8] porém foi restaurado por Gainas. Logo após a partida de Gainas de Constantinopla em 12 de julho de 400, Eutiquiano foi novamente demitido. Sua administração foi avaliada como áspera e severa. Entre 3 de fevereiro de 404 - 11 de junho de 405 foi prefeito pretoriano do Oriente pela segunda vez.[9] Durante seu novo mandato, testemunhou a rendição dos valores da Grande Igreja pelo clero de João Crisóstomo.[3]

Referências

  1. Sinésio & 400, p. 90C-91C.
  2. Martindale 1971, p. 319-320.
  3. a b Martindale 1971, p. 321.
  4. Libânio & século IV, p. 864.
  5. Martindale 1971, p. 320.
  6. Libânio & século IV, p. 965.
  7. Sinésio & 400, p. 92B.
  8. Burns 1994, p. 171; 345-346.
  9. Cameron 1993, p. 176; 197.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Burns, Thomas S.. Barbarians Within the Gates of Rome: A Study of Roman Military Policy and the Barbarians, Ca. 375-425 A.D. (em inglês). [S.l.: s.n.], 1994. ISBN 0253312884
  • Cameron, A.; J. Long. Barbarians and Politics at the Court of Arcadius (em inglês). [S.l.: s.n.], 1993. ISBN 0520065506
  • Libânio. Cartas. [S.l.: s.n.], século IV.
  • Martindale, J. R.; A. H. M. Jones. The Prosopography of the Later Roman Empire, Vol. I AD 260-395. [S.l.: s.n.], 1971.
  • Sinésio. Aegyptus sive de providentia. [S.l.: s.n.], 400.